Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Talos de Girassol




Esperar para sempre, não mais do que minutos, insólitos instantes em que toda memória passa, toda recordação se disfarça. E quem sabe tenha a sorte de se perder, o medo vença a vontade de voltar, e reste apenas um imenso jardim pra contemplarmos.

Bem me quer, mal me quer... O sol já enegrece em seu espaço gelado, artificial é sua boca que rosna sem vontade. As pétalas de uma nostálgica dor, girassóis, margaridas, toda flor. Ancorar em terras de louvor.

Desesperados na caverna, encontrei os talos de girassol. Sem vozes, mudos e expressivos pediam socorro. Um sôfrego gemido queria condenar-te. Por que podaste os ramos sem fim? Aonde estavam os olhos amarelos brotantes daquele ser?

Rasuras, letras apagadas na escritura... Mais uma carta pedindo perdão.
Não, não, não! Os restos de natureza no escuro não merecem perdão, a restrita busca de equinócios não cabe a quem mata por delírio.

Um sacrifício suave, sem pesares ou favores.
Palavras não trocadas, a certeza de que nunca mais acontecerá.
Um beijo do solo da mãe nascente, presenças... Não de girassóis, nem margaridas, da simples ausência que sem pena cultivaste.



Douglas Tedesco – 10/2007
Douglas Tedesco
Enviado por Douglas Tedesco em 09/10/2007
Código do texto: T687288
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Douglas Tedesco
Tijucas - Santa Catarina - Brasil
322 textos (57494 leituras)
35 áudios (2921 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 00:30)
Douglas Tedesco