Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meninos de latrina

Cruas de solidez, estas famílias,
Delas nascem os jovens de hoje,
Famintos de afagos e de afetos,
Em busca, crescem, de uma fuga
Semi-existencialista, inane.

O maior crime do mundo
É não saber
Educar um filho.
Cria-se um novilho,
Um a mais para o gado
De corte, perdido na pastagem
Pastosa dessas gargantas sombrias.

Em cada ombro, não há
Fardo mais sofrido
Que o pesado labor de vagar
Sem rumo, que esta,
A imaturidade, alcunhada
De lar, regride na criação
De sofismas dogmáticos.

O ato de pensar
O mundo não se resume
Apenas no modernismo
Infundado e desconexo,
Mas no despertar da mente
Subliminar que nos é nata.

Há, pois, em cada jovem,
A fome de afagos e afetos,
A profunda marca
Do misticismo adúltero
Que cultiva o homem:
A demência animalizada do ódio.
___________________________
*Poema escrito na década de 1980.
Maurício Apolinário
Enviado por Maurício Apolinário em 16/10/2007
Reeditado em 18/01/2008
Código do texto: T696086

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Maurício Apolinário
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 59 anos
240 textos (86292 leituras)
1 áudios (55 audições)
5 e-livros (2862 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 14:08)
Maurício Apolinário

Site do Escritor