Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PÃO.

Hoje faz dois anos, três meses e catorze dias que pratico minha caminhada matinal e por mero prazer. Claro que no início, sobre grande pressão, mas a gente se acostuma. Foi ordem médica pra diminuir meu peso, que, aliás, naquela época tudo em mim andava em alta... A pressão arterial, o colesterol, a glicose, a gula sem mencionar a preguiça. Em baixa somente a auto-estima. Todo início é difícil! Quem disse isto, na certa, andava exagerando em alguma coisa.
Não perco da lembrança aquele primeiro dia. Um vexame! Foi o Janeiro mais quente da minha vida. 76 quilos e oitocentos gramas, socados neste corpinho de apenas, 1,63cm. O excesso já há muito, ia se acumulando... Nas nádegas, seios... Pra se ter uma noção mais clara, era impossível identificar aonde começava e terminava minha barriga. Minhas curvas resumiam-se do queixo pro pescoço, do pescoço pros seios e dos seios pras canelas... E apesar das inumera evidencias, ainda tentei desistir na primeira tentativa. Mas Sampaio não permitiu. Começou um maldito discurso moralista. Comentou até, as estatística, repetindo as mesmas palavras do médico, que a maioria dos infartos fulminantes se dava por conta da obesidade. Pobre Mariana! A menina tomava seu café tranqüilamente, ouvindo-o se apavorou...
Saí de casa às seis horas em ponto, cronometrada pelo relógio paraguaio que Sampaio comprou e preservou na embalagem durante oito meses... Encarei os 42 graus de calor que fazia, e ainda vestida num terrível casaco de moletom estampado de girassóis amarelos vibrantes, presente que Sampaio me trouxe-o de véspera, contando que era a última moda na zona sul. Deus! Um jardim suspenso da Babilônia... Sim... E suspenso por um par de tênis, azul com laranja 38, mas no pé parecia 44 e o diabo de uma luz no solado que ascendia a cada passada! Estava me sentindo a fachada luminosa de um desses “Bingos” clandestinos da cidade... Pra se ter uma idéia, logo de cara, o seu Nestor, da casa 2, me cumprimentou sorridente... O velho mal enxergava. Vivia a dar cabeçadas pelas paredes... O pior se deu com o Juca da farmácia. Ô rapaz inconveniente. Eu, que já tentava me ocultar por detrás das árvores, corei com seus gritos do balcão indagando se estava indo pra algum tipo de passeata? – Passeata uma ova! Pensei tomada de ódio. - Seu Juvenal, o jornaleiro da banca da esquina, que não se detém por nada, se intrometeu no assunto, e o pior, chamou a atenção de todos que passavam, afirmando que era um protesto solitário: “Esqueçam a Amazônia, que não tem mais solução e salvem as gordinhas!” De longe ainda, ecoavam as gargalhadas. É nessas horas que eu odeio o povo do subúrbio. Sabem dar conta da vida de todos! Por fim, cheguei à Praça do Patriarca, local onde acontece o encontro dos ATI “Atletas da Terceira Idade, o que não é o meu caso, mas Gilda falou que era só pra começar. Eu estava mais perdida que cego em tiroteio naquela manhã. Não sabia pra que lado ir, e em completo jejum, pasmei, assistindo toda aquela gente passar ligeiro por mim... E na maioria, idosos! Não deu outra, fiquei zonza que dona Margarida teve de me acudir, e a mesma, aos setenta anos de idade, passou umas quatro vezes por mim enquanto mal concluía a primeira volta... Era o peso, o desgosto, o desconforto das roupas e tudo aliado a fome, que só lembrava os pães fofinhos, a variedade de massas cheirosas... cada modelo mais atraente que o outro e ainda, besuntados de cremes e açucares... Mas estavam proibidos...
_Quem diria... Eu, traída pelo pão de cada dia! Deveria processar a classe dos padeiros.
A marcha seguiu adiante, cumprindo a rota, e eu atrás, resistindo, até que de repente, surgiu as vistas a tradicional ladeira da igreja de São Roque que pensei: Agora é que me dano de vez! Só não desisti, porque lembrei da aposta que Sampaio bancou na esquina... Três caixas de cervejas contra uma, de que eu, não resistiria ao primeiro dia. E foi exatamente naquele momento, ensopada de suor, bufando de cansaço e arrependida de ter consumido tantos pães, que as coisas fizeram sentido. A luz se ascendeu, enfim! Aquela roupa chamativa que subornava meu animo, só poderia ter sido intencional... O pique da raiva foi tamanho, que ao invés de me abater, me motivou. Criei gosto. Meus passos a partir de então, tornaram-se firmes e determinados que as bochechas estremeciam ao impacto... Dona Margarida ficou pra trás a ver poeira, e a medida que eu lembrava Sampaio com seu sorriso falso e olhar dissimulado, meus passos aceleravam. O pior, é que o cretino ainda tirava onda pelo bairro dizendo, que ao contrário de mim, estava em forma. Um iludido! Desde que se aposentou não faz nada. Passou a ser simplesmente, mais um adorno pra minha sala de estar... Marido aposentado, é que nem duendes de jardins de gente rica: sedentários, ultrapassados e barrigudos, e não fugia ao modelo não. Sua barriga há muito se sentia absoluta, flácida e uniformemente acomodada sobre o cós da bermuda. Uma empada de botequim! Do jeito que ia, não tardava perder das vistas o pequenino e quase aposentado orgulho... Mas descarado que era, dizia ser por conta da cerveja... “Se eu parar ela some!”... E eu que pensava que esta saía toda pela urina. Sussurrei quase sem fôlego.
Mesmo com aquela roupa, parecendo altar de igreja em dia de festa, jurei completar as três quadras, duas ladeiras e gastando o tempo mínimo de quarenta minutos. Moleza! Falei enxugando o suor... Era exatamente o mesmo tempo que eu gastava pra buscar o pão na outra quadra, claro que, considerando a fila no caixa, a espera no balcão, a falta de troco, as malditas cem gramas de mortadelas da promoção dos dez pãezinhos que só fazem aumentar a freguesia, mas que findam antes do prazo cedendo vez às brigas... Estava morta, mas cumpri a penitencia. O suor escorria, as carnes das pernas latejavam trêmulas, os pés ardiam, mas os malditos girassóis prosseguiam vibrantes e inabaláveis! Atravessei os portões da vila com meu estômago roncando, vistas turvas, mas a alma de uma verdadeira heroína. Mariana veio me encontrar no caminho gritando: Mãe você conseguiu! Você conseguiu! Sorriu-me exibindo aquele pavoroso aparelho metálico, tomado de massa de pão, mas poupei as criticas afinal, disse que havia me preparado um café especial: chá com adoçante e quatro torradas de água, sem o sal... Juro que, se eu cedesse ao pranto naquele momento, estaria chorando até hoje...
Sampaio não. O salafrário preferiu me aguardar ao portão com os olhos fitos no maldito cronômetro e o coração por certo, acelerado pelo desapontamento. _ Três minutos adiantados! Falou irônico, e ainda teve a ousadia de dizer que o primeiro dia não dá pra avaliar, pois normalmente é motivado pela emoção, pressão, vaidade... Ergui a sobranceira esquerda, gesto que evito, mas quando acontece faz todos em casa temer, e olhando-o com extrema indiferença, que fiz questão, respondi: _ Vai se ferrar, Sampaio! A partir de então, suspirei aliviada, leve, que até os girassóis ficaram mais simpáticos... Parti pro banho assoviando a musica do Gonzaguinha: “Desesperar jamais”.
O fato é que, há dois anos mantenho a dieta rígida e a rotina de caminhar todas as manhãs. Confesso que no início, passei o pão que diabo amassou, mas cheguei ao peso ideal. Hoje, de uniforme novo e com tudo em “baixa”, sirvo de exemplo e orgulho para muitos no bairro, inclusive Sampaio, que depois de ouvir muitas criticas a sua barriga, largou mão da resistência e aderiu ao prazer de uma vida mais saudável.

Marisa Rosa
Enviado por Marisa Rosa em 16/10/2007
Reeditado em 03/11/2007
Código do texto: T697396
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marisa Rosa
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 58 anos
179 textos (6411 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 04:22)
Marisa Rosa