Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

**AOS MEUS AMIGOS AIRAM RIBEIRO E PEDRINHO GOLTARA.

Vô contá pro cêis a saga, de dois poeta qui eu amu.
Um é lá de Vila Véia, o otro é poeta baianu.
Esses dois si reuníru, para uma cunfraria,
dexarú as famía de ladú, e cairú na putaria.

Essas coisa qui mi contáru, distrangôlo minhas idéia,
mi falarú qui us poeta, bulinarú até as mai véia.
Qui us dois ingambeláru umas moças bem decenti,
e pra módi piorá, elas ficáru bem contenti.

Deus mi deu uma dimão, pra eu inxergá us levádu.
Eu agora discubrí, que esses dois são bem safádu.
Eu num tô buscandu briga, muito menos má querência,
mai poeta qui si préze, num si présta à essas indecença.

Inda tô injuriada, paréci inté qui levei coici,
pisadura desse trem, tá dulurida inté hoji.
O pior qui discubri, o meu Deus inté duvida,
qui us poeta qui falei deu pra incriná pras bibida.

Foram vistu num butécu, inxendu as venta de cana.
E de tanto manguaçá, acháru que o chão era cama.
Assuntáru num terreru, começáru a se abraçá,
só fartava esses dois, virá poeta mossexuá.

Cum as  palavria, MILLA PEREIRA:

Essis dois é cumpanhêro, de munto tempo atráiz,
acháro elis num putêro, um dia im Minas Gerais.
Lá eu tava passeâno, pra visitá minha mâna
e viéru mi contá, qui tavam cheio de cana.
Fôru atráiz, bem sorratêro, pra vê o queles ia fazê,
pegáro as moça na isquina, e si infiáro nu putêro. 
Pra fazê o quê num sei, que Pedrin tá operado,
se cortô o Pedroca no mêi, conta num pódi tê dado,
si ele já era piquêno, imagine eli cortado!
E o Baiano priguiçoso, qui num levanta nem pra andá, 
devi tá sendo horroroso, tê que Pedrin acumpanhá.
E ancim ninguém mi tira, qui os dois tão isquisito.
Pur isso a Mira Ira, até que feiz bem bunito,
de fazê essa omenaji, do dos Puetas qui eu amo,
o Capixaba e o Baiano, qui pra me dá uns cascudo,
vão fazê uma viagi!


Cum as palavria, CLARALUNA:

Mininas, ceis são dimais, mi fizerum rir de monti,
Gente de Minas Gerais, que vivi lá im Belzonti.
Os dois gato aí drumindo, um parece que é castrado.
Será que eles tão fingindo, ou tão mermo imbriagado?
Nós vai apanhá dos dois, adispois desse cordé.
Mas não deixo pra dispois, de rir cum oceis, Muié.
Tomara que elis intenda, essa nossa brincadêra.
Que os cumpadi num si ofenda.
Pois nóis semo cumpanhêra.

Cumas palavria di difêsa: AIRAM RIBEIRO
(primêru é para Mira) 

Cum ciumi era qui tu tava, Di vê a véa sendu amada,
Ficou dum ladu ispanu, Qui ficô inté pavorada.
Ta viajanu nóças famia, Tamu di forga sincinhóra.
Nóis fizemu eça cunfraria, Somente pra matá as zóra. 
Tu num ta buscanu briga? Botanu nóis na má querença!
Tu ta fazenu é intriga, Cum tanta maledicença.
Genti num pódi sai um poquim, Qui us fofoqueiru intra em ação, Pensamu qui tava iscundidin, Mais oia quem tava cum u zoião!
Eu num veju é a ora, Di saí daqui di repenti, I xegá in Juiz di Fora, Pra cortá as língua di certa genti.
Agenti tava lá nu xão, Era pra ti fazê cumpanhia, Nóis tava era cum cumpaxão, Qui perdemu as aligria.
Venu u’a moça prendada, Em um bar só vumitanu, Di tantu dar as golada, Quagi qui entra prus canu.
Foi ispiá nóis bebê, Tombém caiu na gandaia, Todu mundu tava querenu vê, Ela fazê maracutaia.
Diçu ela bem qui ciscondi, I pra ninguém ela num contô, Só nóis sabi adondi, Ela tem fama di bêbedô.
Dum goli qui ela dá, Quandu pega um garrafão, U bafu é di injuá, I matá quarqué cristão.
Xama caxorru dio caxu, Vagalumi di lampião, Inté a turma lá di báxu, Já levantáru ela du xão.
Caxorru lambenu suas venta, Já viru inté pur dimais, Num sei cuma us povu agüenta, Éça muié nas Minas Gerais.


Defesa do poeta boto - PEDRINHO GOLTARA:

Eu gostei de sê um gato, Aquele mais pequininho.
O Airam é o grandão, Eu sou o mais bonitinho.
Mas,putaria num existiu, Sômo gatos bem limpinho
Tem gente inté falando, Que sô mesmo um gatinho,
Que o grande é uma gata, Mineira,pelo seu jeitinho.
Durmindo igual um anjo,Junto cum o queridinho.
Sobre a "manguaça braba", Que ese gatos tomaram, Ninguém disse ter provado, O que elas comentaram.
Estão dormindo é de fraqueza, Que as gatas nelas deixaram!Sobre sê uns Omessexuá, Esa cunversa num agrada.
Eu fiz uma operação, Já tô subino inté escada.
Inté nas ávures mais altas, Tô dando umas trepáda!
Milla Perêra vem também, Cumentá essas inverdade.
Sô aqui em Víla Véia, O garanhão da cidáde.
Airam, lá em Itanhém, Num dêxa muié na saudáde!
Essas duas fofoquêras, Eu tô amando de coração.
Elas "brincam como eu brinco", Sem a menor das discussão.
Eu e Airam num negâmo fogo, Pras muié dâmo satisfação.


Recado do AIRAM RIBEIRO para MILLA PEREIRA:

I eu aqui a reza, Pur você cê mia amiga.
Pru seu timin ganha, I tu paga fazenu intriga?
Nu silênçu eu istava, Pra num falá di vosmicê;
U’a peçoa qui eu gostava, I eu preguntu pruquê?
Agenti cumeça a gostá, Di genti ancim fofoqueiru.
Qui vévi só a falá, Qui nóis tava num putêru.
Ô dona curintiana, Ci percupi cum seu timecu.
Num fiqui tomanu cana, Cum nóis lá nu butecu.
Cê foi a primêra qui viro, O copu sem aligria.
Quandu seu timi num ganho, Du parmêra naqueli dia.
I tava cum tanta sedi, Qui bebeu a garrafa intera;
Qui foi cincostá na paredi, Pur cauza daquela tontêra. Despois cumeçô a cantá, Cum u’a voiz dizafinada;
Pru’a beba qui tava a toma, Nu’a roda di cervejada.
Abraçanu a beba nu barcão, Tu cumeçô a agarrá ela. Paricenu um sapatão, Dêçis grandi sem fivela.
Nunca vi muié bejá muié, Pra min foi coiza deferenti;
Tava as duas xêia di tantu me, Qui nem inxergava agenti.
Qui agarramentu di paxão, Foi tantu isfrega, isfrega/;
inrriba daqueli barcão, Qui vregonha foi eça intrega!
Agora vem pra cá, Junto déça di juiz di fora;
A querê iscuiambá, Mermu sem marcá a zóra.
Eu sou um parmerençi, Di sangui verdi na vêia;
 Num é quarqué curintençi, Qui vai impatá mia cêia.
Nun tem ninguém isquizitu, Num vem cum éça pra riba deu; Nunca vizitei u zezitu, Pruquê ta compretin u meu.


**OBRIGADU MEUS AMIGU DUS PEITU. OCEIS SÃO MUITO QUIRIDU. BEIJÃO DA MIRA.
MIRAH
Enviado por MIRAH em 28/10/2007
Reeditado em 29/10/2007
Código do texto: T713649
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
MIRAH
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil, 51 anos
1139 textos (60606 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 05:05)
MIRAH