Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Notícia do dia...

Consumir-se em consumado fato
Entregar-se ao malfadado no ato
Deixar-se perder por aflição
Faria o que de si não fosse a provisória ilusão?

Vertendo um sangue de outra classe na veia
Fina enfastiada deixa-la-á inda mais paupérrima
Famigerada e açulada sanha subindo
Ruelas trocadas por elevadores e sacadas

Dão cobertura às coberturas
Aos flats engordurados de pó
Empoeirados de fumaça
Enfumaçados de brilho

Em brilhantes bizarrices desatinadas chafurdam
Ao vulgo as pechas da violência emprestam
Não julgo que se pejem, que nada prestam...
Nem justiça alguma os julga – que ainda a comandam

São quem fazem a cegueira dela
E não se ferem com a própria espada
Balança aferindo e conferindo fardos
Esparramados em pó por becos e ruelas

As burras tantas cheias e fartas
A falta do que ter revolta e assalta
A fome besta não matará
Que tem a canga por sobre a cabeça

Outros cantos de outubro ainda virão


http://coisaegente.blogspot.com
Adroaldo Bauer
Enviado por Adroaldo Bauer em 29/11/2007
Código do texto: T758387
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (De Adroaldo Bauer - http://coisaegente.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adroaldo Bauer
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 65 anos
773 textos (21061 leituras)
26 e-livros (1081 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 15:52)
Adroaldo Bauer