Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Se nos mais belos campos

Se nos mais belos campos
Não enxerguei as flores, foi sem propósito
Completo de tudo que ali estava, e aos meus olhos não havia nada, e repito:
Foi sem propósito.
Se surdei-me a esclarecer no nó do meu ouvido
O pranto que no choro era a imensidão, não foi porque era surdo;
Talvez somente não apto a ouvir, ou desvendar.
(Ó desbravador de todos males, porque da cantiga do todo belo calaste os olhos à beleza?)
Se me entendesse não seria somente eu, seria eu entendido, ou entendedor, ou como qualquer um queira: a decadência.
Se saber do que eu gosto e admitir pra sempre as mesmas flores faz de mim sublime
Prefiro ser o que sempre fui: ignorado
E no mistico que se rodava todo esse delírio
Sorriram milhares de sorrisos contentes - por serem contentes não eram de gente – e por não serem de gente não valiam, porque não eram verdadeiros
E eu não sorri
Nessa cálida mensagem de ser indiferente ao belo completo, ignorei-me.
Por ser diferente pensei não ser certo, e por não ser certo calei-me quando podia falar, ceguei-me quando deveria ver, e fechei os lábios quando deveria sorrir.
Por não ser completo, decidi por pelo menos ser verdadeiro.
E senti estar feliz não é necessariamente ser o mais sorridente ou valente, mas ser o verdadeiro
Que do que adianta, desbravador de todo o escondido, mentir pra ser real e ser real pra não ser verdadeiro?
Se debaixo de todos os tapetes vive hoje o pó e milhões de bactérias, vivem também admiradores de flores, sim, flores
Porém não verdadeiras.
Diego Guimarães Camargo
Enviado por Diego Guimarães Camargo em 02/12/2007
Código do texto: T761993
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Diego Guimarães Camargo
Salvador - Bahia - Brasil, 28 anos
248 textos (7673 leituras)
2 e-livros (14 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 03:47)