Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Caminho

Tardias aves
A balouçarem nas escutas
Sussurradas nos ventos cálidos
A suavizar as quentes paredes cardíacas
Ocas de cansaço

Fujo do abraço
Que vem e me aperta
Sobrando-me o que sou
Quase poeta
Findo-me jardim
Plantei a flor incerta

Dessa floração
Luz fatiada
Colho o pedaço que me cabe
Como espasmos celestes
Sonho... sou desencontro
Perdido nos ciprestes

Esses caminhos
Tão descaminhos
Seguidos à risca
Não deixam pistas
Seguem adiante somente
Da alma muito fica pendente

Longe chego próximo ao que me resta
Não sou virgo
Não sou fresta
Sou teu engano pretenso
No lasso do teu entendimento
É o que te resta
leandro Soriano
Enviado por leandro Soriano em 05/12/2007
Reeditado em 20/01/2014
Código do texto: T766556
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandro Soriano
Santos - São Paulo - Brasil, 60 anos
199 textos (8675 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 06:47)
leandro Soriano