Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Jardins malhados

Acordei no frio...
No escuro...
Amarrado, por cordas imundas, em uma arvore seca.

Era sombrio e...
E se ouvia uma musica baixa no ar,
Vinda de longe.
Vindo lá de onde não sei onde é.
Talvez é lá que eu esteja.

Sentia-me só,
Precisando dos teus lábios marcantes...
Do abraso repentino que nunca ganhei...

Tentei gritar e mesmo assim,
Nem os ratos me ouviram.
Estava só afinal.

E se as cordas arrebentassem,
Eu não saberia para onde ir!
Então que me segurem aqui...
Segurem-me até que morra...
Segurem-me, por favor?

E perguntei pras plantas que não foram mencionadas,
Não excluídas,
Só não plantadas...
Perguntei onde estava...
Delírios teus, me disse à planta mal morta não plantada!

Por minutos, horas ou dias terríveis ali, pensei, se em meus delírios ela não existia...
Sem respostas...
Sem esperança...

É pela Madona que procuro então que as cordas arrebentem...
Arrebentem...?
Arrebentem, por favor?

Eu sei,
Não iram...
Não irei...
Só amararei sozinho...
Plantas e galhos secos minha companhia sombria,
Não fazem mal grados a mim...
Não pensam em mim...

Afinal ninguém tem tudo!
Eu não tenho nada...
Só meu otimismo delirante e empolgante...
Que aumenta a cada dia tosco nos meus sonhos áridos.

Se pudesse diria...
“Que se faça à luz!”.
Mais não posso,
Então só vou calar minha boca e esperar o que não vai vir...

Sentado no meu jardim malhado e delirante,
Sonhando em sonhos sonhados...
Uka
Enviado por Uka em 07/12/2007
Código do texto: T768355
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Uka
Torres - Rio Grande do Sul - Brasil, 27 anos
6 textos (130 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 19:12)
Uka