Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Resumo da obra "MEU PÉ DE LARANJA LIMA" – José Mauro

O narrador Zezé é uma criança de cinco anos que mora em uma vila e possui uma grande família na intensa pobreza: um tio triste longe de seus 5 filhos, Edmundo; seu pai desempregado; sua mãe uma analfabeta que trabalha intensamente lavando roupas; e  alguns irmãos: Jandira, Glória (Godoia), uma irmã que foi dada para o norte, Lalá (a namoradeira), Antônio (Totóca), dois irmãos que morreram pequenos, e Luís (o filho de 3 anos muito bonzinho e quietinho).
No quintal havia três brinquedos imaginários: o Jardim zoológico; a Europa (perto da cerca da vizinha) e o Luciano que era um avião que sobrevoava no campo dos Afonsos. Zezé nunca foi ao zoológico, mas contava tudo o que acontecia para Luís baseado no que ouvia do tio.
Com a mudança, a mãe de Zezé passou a trabalhar em uma fábrica, e ao chegar na casa nova, tinha algumas árvores: Mangueira, Tamarindeira, e um pé de laranja lima que ainda era pequeno. Como seus irmãos foram logo escolhendo as melhores árvores, o pé de laranja lima (Xururuca ou Minguinho) passou a ser o de Zezé que também era o lugar que ficava refletindo quando este ficava de castigo, e como isso era bastante repetitivo, o pé foi um ótimo confidente e amigo que respondia.
Ao mentir a idade para poder ir à escola, Zezé era um ótimo aluno que gostava de sua professora Dona Cecília (apesar de que ninguém lhe dava flores) e na volta para a casa, o Portuga (Manuel Valadares) tinha um carro bastante invejável que ao morcegar (andar agarrado atrás) teve um inimigo, mas depois quase que pai, por fazer Zezé desistir de se matar, e olhar para as coisas boas da vida e reconhecer que suas traquinagens fazem parte da infância, até que este vem a falecer pelo trem Mangaratiba, e Zezé fica em estado de choque, e sua família como não sabia de sua amizade com o falecido Portuga, acha que seu estado emocional está ligado ao pé de laranja lima que seu irmão inventou que iria cortá-lo para abrir uma rua atrás de sua casa.
Enfim, a narrativa é bastante deprimente por conter histórias traquinas de criança e a incompreensão da família que sempre o punia fisicamente e psicologicamente até a criança achar que era afilhado do diabo e que Jesus o castigara não lhe dando nenhum presente de natal. A trama encerra com Zezé já adulto com 47 anos frente ao túmulo do Portuga em agradecimento pelas lições de vida e a intensa ternura que aprendeu a ter.
Angel Angélica
Enviado por Angel Angélica em 04/03/2018
Código do texto: T6270166
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Angel Angélica
Rorainópolis - Roraima - Brasil
56 textos (5066 leituras)
1 e-livros (8 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/18 03:30)
Angel Angélica