Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda


21/10/18 07:02 - LAURO PAIXÃO
21/10/18 05:31 - JUNIOR CAMPOS

~ Se o amor é mar, vou me afogar!


Teu corpo vai me envolver,
Diga que pro céu vai me levar;
Agora, de verdade, vou viver!
Continue Lendo




~ Abandonado

Senti o mundo desabar,
Faltou-me o chão,
Por um momento quis chorar!
Continue Lendo



LEIA TAMBÉM:

Te quero, mas não assim...
Sou Rei
FIM DE CARREIRA
VERSOS LIVRES
AMIGA POESIA
O SOM DA TUA VOZ
O canto da sereia
Você me paga...
Chave do paraíso
Vê se me nota...
21/10/18 00:37 - Rubens Jardim
21/10/18 00:00 - Anderson Mateus
Tão simples era ela
Simplesmente linda
Incrivelmente bela,
De tão simples que ela era

Não fazia questão de adornos
Nada de enfeites, nem fivelas
Apenas a delicadeza nos braços
E um sorriso que à completa

Fazia questão de ser sincera
De firme e valente que era
A descrita como tão frágil,
Mostrava o quão fraco eu era.

Eu admirava ela
Eu vi suas fraquezas
Então olhei para as minhas,
E quis juntar com as dela

Mas eu perdi meu tempo admirando
Sem dizer nada disso pra ela
Fiquei sabendo que tinha ido embora
por um recado deixado na janela

Só me sobrou lamentar
Meu coração quase se esfacela
E eu fiquei a pensar
No quão simples era ela
.

.Tão simples era ela.
Anderson Mateus.
20/10/18 23:42 - Leonardo Ulhoa

desta letra em diante: "Todos os Dias (eu sou seu)"
20/10/18 22:18 - Em Nome da Rosa
Olá,
Eu me chamo Mariana Oliveira Rebouças e vou lhe contar um pouco da minha história...
Desde que nasci, minha vida ter mostrado existem milagres e que sempre é possível continuar. Meu nascimento foi um tanto comigo, minha mãe diz que nasci quase literalmente na porta do hospital, meu pai me apartou e eu cabia numa caixa de sapato.. Nasci prematura, minha irmã mais velha diz que escorreguei num espirro de minha mãe... Kkk
Sou a filha do meio de uma família linda e grande, 4 mulheres e um irmão mais novo, somos a família dos 7 M...
Quando era pequena, perto dos 6 anos de idade, tive um sério problema de saude e tomo injeções de Bezentacil, regularmente, desde então. O nome da doença é Coreia de Sydenham, ela afeta a parte locomotora e traz algumas complicações por conta disso, meu desenvolvimento foi um pouco mais lento que das demais crianças e, por conta disso, acabei sendo vítima de bullying durante alguns anos de minha vida.
Tive algumas crises depressivas ao longo da vida e sempre jurei que um dia iria mostrar pra todos que eu posso mais do que pensam...  Quando entrei na faculdade, no curso de Administração, tive plena convicção de que eu seria a melhor aluna que pudesse ser. Entrei na Iniciação Científica e em muitos outros projetos. Tentei abraçar o mundo mas acabei deixando tudo cair. Tive uma crise depressiva mais séria, que me obrigou a pedir ajuda. Consegui melhorar e recentemente tive uma recaída muito pior do que todas, estava caminhando para um suicídio e fui procurar ajuda. Me dei completamente a minha rotina e coloquei todo esforço em minha saude. Contar para as pessoas que amo o que estava acontecendo foi extremamente difícil e igualmente libertador. Comecei a fazer terapia e aos 21 anos, não tenho vergonha em dizer que tomo antidepressivos e ansiolíticos, estou bem como nunca estive antes e só tenho a agradecer pelos anjos que encontrei em meu caminho.
Conheci a poesia no 1° ano do ensino médio, por meio de um grande mestre, professor de literatura, que me incentivou a escrever. Desde então, a poesia salvou minha vida em diversos momentos de muita angústia. E por meio de um psicólogo da faculdade, foi apresentada ao Recanto das Letras, um lugar seguro para expor meu trabalho e poder ajudar pessoas que passam pelo que passei. O Recanto é como um lar, que me acolheu de forma tão incrível e tão amigável.
A poesia me levantou e me deu a oportunidade de crescer e de ser quem sou. Minha poesia esconde, em cada poema, a expressão de tudo o que tenho e sou, Poeta..
20/10/18 20:48 - Alexandre Ivanovski
116x161
A tormenta
A tormenta, conforme anunciada pela televisão, vinha forte com toda sua ira e já se podia avistá-la no horizonte. Através da janela blindada da sala de estar era possível ver os relâmpagos anunciando sua chegada desde muito longe. Era uma linda sexta-feira de verão, mas a contragosto teriam de ficar os quatro em casa por todo o final de semana.
Joaquim, Margot e as crianças Guilherme e Romilda teriam que suportar o estresse de se verem acuados em casa por quase três dias. Por isso, as crianças reservaram alguns jogos para se ocupar e o casal decidiu usar o tempo ocioso para cozinhar para toda a família. Retiraram o caderno de receitas do armário e o puseram perto do fogão.
Não sabiam qual a extensão dos estragos da tempestade, e para uma eventualidade, compraram velas e um isqueiro. Na eventual queda de postes de energia, saberiam lidar com a falta de luz. Os dois irmãos armaram no quarto de dormir de Guilherme uma cabana usando cobertores e edredons. Também se muniram de duas lanternas.
A tormenta, segundo o alardeado pelos meios de comunicação, traria danos desconhecidos; uma vez que não se podia calcular com precisão sua extensão. Mas era certo que danos sobreviriam da tal tempestade, e por isso o casal preparou um lugar seguro dentro da despensa da casa onde todos pudessem se proteger, caso necessário.
Fenômenos naturais como uma tormenta trazem consigo muito perigo, uma vez que é impossível prever com exatidão todo o estrago causado em sua passagem. A tempestade causa danos materiais, mas também psicológicos para pobres e ricos. Porém, sabemos que os cidadãos não têm iguais meios para proteger-se do embate com essas forças.
Para os mais pobres enfrentar a tormenta significa lançar mão dos artifícios que estejam a seu alcance. Para ir contra a tempestade é preciso ir contra a sua falta de recursos apropriando-se dos meios disponíveis e usando de sua criatividade. Contra a tormenta, é preciso proteger-se isolando as entradas da casa pregando nelas pedaços de pau.
Já ir à tormenta no caso dos mais abastados é menos difícil do que opor-se a ela à maneira dos desalentados, mas também é necessário lembrar-se de blindar todas as janelas, portas, e reforçar o telhado de forma a que a tormenta encontre dificuldades para varrer a casa do mapa. Apesar dos cuidados, nenhum esforço é garantia de sucesso.
Em relação a esse assunto, é certamente inesgotável. Talvez seja um consenso que a mesma tormenta não vem da mesma forma para todo mundo e que, para o pobre ou para o rico, o sofrimento tende a ser maior para o pobre que para o abastado. Quem dispõe de mais meios se vê menos fragilizado em vista aos danos causados pela tormenta.
A família abastada de Joaquim vê pela janela a tormenta se aproximar. Já ouvem trovoadas e é possível contar os segundos entre um relâmpago e outro. As crianças ficaram alvoroçadas com o acontecimento, talvez pela pouca regularidade do fenômeno. Em geral ocorre uma vez a cada ano, mas já fazia quatro anos que não acontecia assim.

Todos diante da janela da sala, discutiram sobre um nome para a tormenta. Guilherme lembrou a todos que lá nos Estados Unidos as tempestades levam nomes de pessoas. Margot, a mãe, pensou em nomear com o nome de uma bruxa boa; coisa que a pequena Romilda desgostou. O pai preferiu não dar nome e Guilherme apoiou a escolha da mãe.
Concordaram que nomear a tormenta com o nome de uma bruxa boa seria coerente com o que desejavam da tormenta. Jezebel foi o nome escolhido por soar como nome de bruxa boa e na imaginação das crianças ela estaria lá em cima, voando bem no meio dos relâmpagos montada em uma vassoura. Jezebel seria então o nome da bruxa protetora.
Os primeiros galhos das árvores, pequenos, começaram a atingir as janelas da casa. Muitas folhas também chegavam como resultado da proximidade da tormenta. Um rodamoinho pequeno formou-se no quintal, e isso trouxe até a janela algumas pedrinhas e muita terra. Guilherme afirmou que ouvia o vento assoviar.
A tormenta, afinal, não seria inofensiva: ouviram o ganido de um cão e avistaram-no no momento em que o pequeno poodle do vizinho foi alcançado pela tormenta. Não puderam fazer nada quando, ganindo muito, o cão foi arremessado contra a árvore do quintal. Quanta pena do animalzinho indefeso!
O pobre cãozinho não podia caminhar, possivelmente como resultado de danos às vértebras do animal. Seu ganido triste ressoava como se o cão estivesse conformado, como se fosse sabedor de seu próprio destino. Pareceu razoável concluírem que animais de casa, frente ao rancor de uma tormenta, sabem se comportar com resignação.
E, de repente, a corda do balanço amarrado à árvore do jardim rompeu-se e ele foi lançado longe, para longe da vista da família. Jezebel havia chegado afinal com toda sua força. O vidro reforçado da sala felizmente não se rompeu – mas isso por sorte. Tivesse o balanço sido arremessado contra a janela, o vidro possivelmente se fenderia.
A partir desse momento a família comportou-se conforme o planejado. Sabiam que a bruxa boa não os deixaria em paz por dois dias e por isso agiam resignadamente sempre depois de uma olhadela pela janela. Jezebel havia chegado sim para passar o final de semana com todos e, quem sabe, poderiam aprender alguma coisa com ela.
Mas, o que é que se aprende com tal força da natureza, tal tormenta que invade através das frestas das portas sem pedir licença, ameaça arrancar o telhado a qualquer momento, e que mata pobres animaizinhos que, com certeza, jamais fizeram mal a um gato sequer? E por que é possível uma tormenta levar consigo coisas de valor para o além?
Felizmente a tormenta não provocou a enchente do rio da cidade – ou o estrago causado seria muito maior. O importante é sobreviver à sua passagem: é rezar para que, em sua fúria inclemente, a força da natureza não castigue os bichos mais frágeis, assim como aqueles mais vulneráveis de casa, permitindo a todos igualmente sobreviver.
Texto de Alexandre Ivanovski. 110x101
Visite minha página:
www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=64408 
20/10/18 19:08 - Cláudia Machado
A solidão é o tema da série de seis textos denominados "Memórias de um faroleiro" que escrevi essa semana. Caso possa, faça uma visitinha à minha página. Desde já, obrigada! Cláudia Machado
20/10/18 18:32 - Vitor Pereira Jr
OLÁ, amigos escritores e leitores!

Para trocarmos ideias sobre este fantástico e maravilhoso mundo da literatura, vamos dividir experiências!

Convido vocês para conhecerem meu site:
http://www.vitorpereirajr.prosaeverso.net/

Meu twitter:
https://twitter.com/vitorppj

Abraços!
Vitor Pereira Jr.
 
20/10/18 17:14 - Andreas Logan
Peço desculpas por demorar muito por postar os textos, é que para fazer uma história bem feito precisa de tempo e muita criatividade e a vida pessoal não ajuda muito, enfim é isso , valeu.
20/10/18 13:47 - Alberto Valença Lima
Venha participar de uma brincadeira interessante.
 
Você é minha /meu convidada/o
 
Clique no link abaixo e venha construir um texto coletivo que você vai adorar.

CLIQUE AQUI PARA PARTICIPAR
HOJE  É O ÚLTIMO DIA!!!

SÓ ATÉ MEIA NOITE.
20/10/18 13:33 - Rocheteau
Soneto inacabadoRocheteau

A inevitável influência do zodíaco
Fez-me predisposto a crer nessas coisas...
Embora a razão me diga que são tolas,
Sou um geminiano escarrado e cuspido!
 
Tenho uma ascendência em Sagitário
Que não me deixa terminar o que começo
E com se isso já não fosse um inferno,
Ainda tenho uma lua boiando em Aquário.
 
E entre as idas e vindas do meu humor
Eu escrevo esse soneto faltando um terceto
Que vou deixar pra escrever depois...
 
...
...
...!


Veja mais
20/10/18 12:20 - ANTONI BIGCUORE
Bom dia amigos e amigas recantistas! Paz e Bem!

Passei para lhes sugerir a leitura de meu texto, cujo título é:
Jesus veio para Servir e Não Ser Servido:


www.recantodasletras.com.br/mensagens-de-otimismo-fe-esperanca/6480735

Obrigado pelo carinho com que sempre me visitam e deixam seus eventuais comentários. Deus os recompense!
Feliz e santo domingo a todos(as). 
Graça e Paz em seus corações!


ANTONI BIGCUORE.SP.SP., il poeta di Dio!
Blog Bem Viver Braazil-antonibigcuore.blogspot.com (autoconhecimento, espiritualidade e vida saudável).

 
20/10/18 10:43 - ROBERTO BARROS XXI
ROBERTO BARROS XXI
Crônicas03/10/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Biografias03/10/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Biografias02/10/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Poesias > Amor02/10/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Poesias > Amor02/10/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Crônicas01/10/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Cartas21/09/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Crônicas21/09/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Cartas21/09/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Cartas19/09/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Biografias18/09/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Crônicas11/09/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Letras de Música03/09/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Causos23/08/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Cartas22/08/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Contos > Cotidiano08/08/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Crônicas07/08/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Crônicas07/08/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Crônicas07/08/18
 
ROBERTO BARROS XXI
Poesias > Reflexão06/08/18
20/10/18 10:28 - Uma Mulher Um Poema

OLÁ, QUERIDOS RECANTISTAS!!!
PUBLICAÇÃO QUE FIZ HOJE

VERSOS PARA MEU AMADO.
PAZ E BEM!!!
20/10/18 09:52 - Adriano Antonio Pereira
O momento, meu romance



_acesse
20/10/18 00:33 - Patrícia Pinna
Bom dia, amigos e leitores.
Espero que estejam bem.
Deixo o convite para lerem meu conto 
Agradeço o carinho.
Beijos na alma.


 


 


Artes visuais

 
Escrever sobre artes visuais é como tentar descrever uma sessão de meditação profunda.  Na verdade, é indescritível...  É preciso experimentar... As palavras são boas para o mundo objetivo, pragmático, direto que parece ser nosso destino no mundo dos negócios e das relações de trabalho, cuja utilização da tecnologia e da ciência sempre quiseram construir ou estiveram a serviço no projeto civilizatório.  Os poetas, músicos e compositores – e eu me incluo aqui, como poeta – irão imediatamente protestar.  A linguagem poética, no entanto, trabalha, em geral, na margem, quase como um desvio da linguagem da escrita ou da oralidade.  E é daí, talvez, que venha a sua maior força: a subjetividade, a dubiedade, o contexto fora de contexto que diz tudo com tão pouco, apenas... palavras... Ou chega ao âmago do sentimento, apenas com... palavras...
As palavras, porém, já foram símbolos, antes de serem palavras.  Desde a escrita de Biblos, cidade fenícia de onde veio o alfabeto daquele povo comerciante e navegador inspirado nos hieróglifos egípcios – e diferente deles bem como diferente da escrita cuneiforme dos sumérios – até o internetês dos KKKKK e dos rsrsrsrs ou dos vc e dos bj, tudo passa pela visualização.  E essa visualização tem a sua maior prova, talvez, no alfabeto hebraico, inspirado no crepitar das chamas do fogo.  A palavra é fogo.  A imagem pode ser fogo também?
A imagem talvez não, mas o símbolo sim.  Não à toa os praticantes de oração centrante  pedem a Deus para que os livre “das armadilhas dos sentidos” e os liberte “de símbolos e de palavras”, antes do período de silêncio, segundo a oração do padre Meninger.
O símbolo é uma imagem elaborada para ter e deter pregnância visual.  No design gráfico é fundamental para identidades visuais, acompanhando logotipos e formando identidades visuais corporativas de empresas, instituições, organismos, governos entre outras possibilidades.  A imagem é direta e eficaz quando atua paralelamente ao símbolo correlacionando ou remetendo ou “parafraseando” visualmente uma imagem conhecida, que se tornou símbolo, com o passar do tempo ou pela exaustão de divulgação, falando em artes visuais mais propriamente.  Como os livros falam, no final das contas, de outros livros, assim, muitas vezes, as imagens falam de símbolos, imagens célebres.  As imagens revisitam ou reconfiguram símbolos que sempre estiveram presentes no imaginário coletivo, disponíveis para serem “usadas” esperando apenas a mão do artista visual para aflorarem novamente no universo de todos.
As artes visuais, gravura, escultura, pintura, ilustração, desenho, história em quadrinhos, animação gráfica, computação gráfica, dentre outras, podem nos fazer vislumbrar novas concepções de antigas “ideias” visuais, novas releituras de símbolos que nos levam ao arcabouço ou repertório visual em nossas mentes por anos de exibição da cultura de massa, da cultura erudita, do mid-cult ou do cult.
Cabe a cada um conservar ou descartar “peças” desse arcabouço ou repertório visual na mente e renová-lo ou alimentá-lo sempre que nos apetecer vislumbrar universos que só um criador verdadeiro, um artista visual real poderia fazer.  E, em tempos de softwares de manipulação de imagem cada vez mais acessíveis, quem sabe se arriscar num do it yourself e libertar o criador que existe em todos, potencial ou hipoteticamente.  Paz e luz.
Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

Leia mais: https://www.divulgaescritor.com/products/artes-visuais-por-mauricio-duarte/?fbclid=IwAR22VtQRgjVtOc7j8su0eti6pvSLFugwL1gDkjK50xQfmUm6K2oXaKcyuK8
19/10/18 23:20 - LAURO PAIXÃO
Lauro Paixão
19/10/18 20:57 - fchagass
RELEVANTE FRUTO NAS TORTUOSAS ESTRADAS E SENDAS ...
 
Um dia, olhando dentro de mim (mesmo - 1976), entendia uma coisa: escrever seria uma arte da arte de viver... Isso, significaria um RELEVANTE FRUTO do que seria semeado NAS TORTUOSAS ESTRADAS E SENDAS dessa vida!!!
19/10/18 20:28 - Alexandre Ivanovski
116x161
A tormenta
A tormenta, conforme anunciada pela televisão, vinha forte com toda sua ira e já se podia avistá-la no horizonte. Através da janela blindada da sala de estar era possível ver os relâmpagos anunciando sua chegada desde muito longe. Era uma linda sexta-feira de verão, mas a contragosto teriam de ficar os quatro em casa por todo o final de semana.
Joaquim, Margot e as crianças Guilherme e Romilda teriam que suportar o estresse de se verem acuados em casa por quase três dias. Por isso, as crianças reservaram alguns jogos para se ocupar e o casal decidiu usar o tempo ocioso para cozinhar para toda a família. Retiraram o caderno de receitas do armário e o puseram perto do fogão.
Não sabiam qual a extensão dos estragos da tempestade, e para uma eventualidade, compraram velas e um isqueiro. Na eventual queda de postes de energia, saberiam lidar com a falta de luz. Os dois irmãos armaram no quarto de dormir de Guilherme uma cabana usando cobertores e edredons. Também se muniram de duas lanternas.
A tormenta, segundo o alardeado pelos meios de comunicação, traria danos desconhecidos; uma vez que não se podia calcular com precisão sua extensão. Mas era certo que danos sobreviriam da tal tempestade, e por isso o casal preparou um lugar seguro dentro da despensa da casa onde todos pudessem se proteger, caso necessário.
Fenômenos naturais como uma tormenta trazem consigo muito perigo, uma vez que é impossível prever com exatidão todo o estrago causado em sua passagem. A tempestade causa danos materiais, mas também psicológicos para pobres e ricos. Porém, sabemos que os cidadãos não têm iguais meios para proteger-se do embate com essas forças.
Para os mais pobres enfrentar a tormenta significa lançar mão dos artifícios que estejam a seu alcance. Para ir contra a tempestade é preciso ir contra a sua falta de recursos apropriando-se dos meios disponíveis e usando de sua criatividade. Contra a tormenta, é preciso proteger-se isolando as entradas da casa pregando nelas pedaços de pau.
Já ir à tormenta no caso dos mais abastados é menos difícil do que opor-se a ela à maneira dos desalentados, mas também é necessário lembrar-se de blindar todas as janelas, portas, e reforçar o telhado de forma a que a tormenta encontre dificuldades para varrer a casa do mapa. Apesar dos cuidados, nenhum esforço é garantia de sucesso.
Em relação a esse assunto, é certamente inesgotável. Talvez seja um consenso que a mesma tormenta não vem da mesma forma para todo mundo e que, para o pobre ou para o rico, o sofrimento tende a ser maior para o pobre que para o abastado. Quem dispõe de mais meios se vê menos fragilizado em vista aos danos causados pela tormenta.
A família abastada de Joaquim vê pela janela a tormenta se aproximar. Já ouvem trovoadas e é possível contar os segundos entre um relâmpago e outro. As crianças ficaram alvoroçadas com o acontecimento, talvez pela pouca regularidade do fenômeno. Em geral ocorre uma vez a cada ano, mas já fazia quatro anos que não acontecia assim.

Todos diante da janela da sala, discutiram sobre um nome para a tormenta. Guilherme lembrou a todos que lá nos Estados Unidos as tempestades levam nomes de pessoas. Margot, a mãe, pensou em nomear com o nome de uma bruxa boa; coisa que a pequena Romilda desgostou. O pai preferiu não dar nome e Guilherme apoiou a escolha da mãe.
Concordaram que nomear a tormenta com o nome de uma bruxa boa seria coerente com o que desejavam da tormenta. Jezebel foi o nome escolhido por soar como nome de bruxa boa e na imaginação das crianças ela estaria lá em cima, voando bem no meio dos relâmpagos montada em uma vassoura. Jezebel seria então o nome da bruxa protetora.
Os primeiros galhos das árvores, pequenos, começaram a atingir as janelas da casa. Muitas folhas também chegavam como resultado da proximidade da tormenta. Um rodamoinho pequeno formou-se no quintal, e isso trouxe até a janela algumas pedrinhas e muita terra. Guilherme afirmou que ouvia o vento assoviar.
A tormenta, afinal, não seria inofensiva: ouviram o ganido de um cão e avistaram-no no momento em que o pequeno poodle do vizinho foi alcançado pela tormenta. Não puderam fazer nada quando, ganindo muito, o cão foi arremessado contra a árvore do quintal. Quanta pena do animalzinho indefeso!
O pobre cãozinho não podia caminhar, possivelmente como resultado de danos às vértebras do animal. Seu ganido triste ressoava como se o cão estivesse conformado, como se fosse sabedor de seu próprio destino. Pareceu razoável concluírem que animais de casa, frente ao rancor de uma tormenta, sabem se comportar com resignação.
E, de repente, a corda do balanço amarrado à árvore do jardim rompeu-se e ele foi lançado longe, para longe da vista da família. Jezebel havia chegado afinal com toda sua força. O vidro reforçado da sala felizmente não se rompeu – mas isso por sorte. Tivesse o balanço sido arremessado contra a janela, o vidro possivelmente se fenderia.
A partir desse momento a família comportou-se conforme o planejado. Sabiam que a bruxa boa não os deixaria em paz por dois dias e por isso agiam resignadamente sempre depois de uma olhadela pela janela. Jezebel havia chegado sim para passar o final de semana com todos e, quem sabe, poderiam aprender alguma coisa com ela.
Mas, o que é que se aprende com tal força da natureza, tal tormenta que invade através das frestas das portas sem pedir licença, ameaça arrancar o telhado a qualquer momento, e que mata pobres animaizinhos que, com certeza, jamais fizeram mal a um gato sequer? E por que é possível uma tormenta levar consigo coisas de valor para o além?
Felizmente a tormenta não provocou a enchente do rio da cidade – ou o estrago causado seria muito maior. O importante é sobreviver à sua passagem: é rezar para que, em sua fúria inclemente, a força da natureza não castigue os bichos mais frágeis, assim como aqueles mais vulneráveis de casa, permitindo a todos igualmente sobreviver.
Texto de Alexandre Ivanovski. 110x101
Visite minha página:
www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=64408 
19/10/18 20:15 - Sergio Schlender
O que fazer numa época de tanta polaridade?
Veja em: https://www.recantodasletras.com.br/poesias-de-reflexao/6247273



Veja outros poemas:
Pensamentos, Sentimentos, Escolhas?
o que dizer para sua alma se tranquilizar 
Recomeçar
Tudo está interligado
Momento 
Esteja Calado
Tempo
O que fazer numa época
Qual o motivo de tanta ansiedade
Ciclo
Espelho
15.07.2009 – 12h15min –
Tenho notado queixas de Recantistas alegando receberem comentários ofensivos. São mesmos ofensivos ou esses Ofendidos não entendem a mensagem ou são demais melindrosos ou querem somente confetes? Estou aqui há anos e nunca fui ofendido. Só estou bastante aborrecido por conquistar poucos leitores e quase nenhum comentário.
19/10/18 19:59 - walter pantoja teixeira
Mural poético  II

" A garota que raramente vestia Cinza e tinha um beija-flor tatuado
no ombro esquerdo para extrair o néctar da Vida...
misteriosa Vida! "


by Walter Pantoja


=== A C E S S E   O   S I T E   D O   E S C R I T O R ===
   www.walterpantojateixeira.recantodasletras.com.br
ESTOU AQUI ENTRE POETAS
19/10/18 19:12 - Leonardo Ulhoa
19/10/18 19:11 - MarioGayer
                                                            Boa Noite a Todos.

       Só para avisá-los que em breve liberarei a vocês aqui do Recanto dos Livros, a segunda aventura da série inspirada nas partidas de um RPG de mesa chamado Ravenloft, de onde foi liberada a primeira aventura (O Caso dos Vistanis Desaparecidos).

      Aguardem!!    
19/10/18 17:41 - Espirito Santo
                                          LIVRO / ARMA

clique no nome (Espirito Santo) acima citado / clique em (TEXTOS) / clique no (TOPICO) / Leia / Medite e deixe seu comentário ! Paz e Bem
19/10/18 17:25 - cristiano siqueira
Sangue frio e escuro lugar
 
Em todo canto uma sombra
O poder do livro do Diabo aberto,
O menino maluquinho da magia negra
Eu vivo através das sombras...
 
O grande circulo se fecha
E o sacrifício é preciso,
Alguém que amo deve morrer,
Para que o grande senhor do escuro me veja...
 
Tudo é doloroso
A perda sempre é sentida,
Mas o poder é confortante
Tudo poço...
 
Ela morreu pelas minhas mãos
Assim estava escrito.
Eu a amava.
Mas tive que mata lá...
 
O amanhã será aberto,
A ordem do escuro me espera,
Essa é minha recompensa...
 
Lendo livros antigos no cemitério
Invocando antigos demônios,
Arrumando inimigos angelicais,
Sou um bruxo...
 
Queimarei sua cruz,
Sou seu inimigo
Estou aqui pelo caos,
Sua fé não pode me deter...
 
Quando minha cabeça foi cortada,
Uma sombra negra saio de meu corpo
Que ainda pulava sem cabeça...
 
Essa sombra matou como a peste,
Derrubou varias igrejas pelo caminho,
Meu sangue podre,
Tudo que toca mata...
 
Estou apenas envenenando você,
Estou aqui pelo caos.
 
Meu livro foi queimado na fogueira,
E o Sol não nasceu por uma semana,
Sinta meu poder,
Mesmo morto ainda sou perigoso...
 
O bode preto observa atentamente.
Quando você reza para as estrelas como um fiel covarde,
Que na verdade esta implorando pela volta dos antigos Deuses.
Ele vê tudo isso,
Você jogar sua antiga fé no lixo por medo de morrer...
 
Vocês são tão previsíveis,
Covardes escondidos.
Eu fui chicoteado e queimado,
Tive um olho arrancado,
Mas prometi minha alma para o escuro,
Em troca de uma bela vingança...
 
A floresta escura esconde muita coisa,
Um poder tão antigo quanto o próprio mundo...
 
Eles vieram aqui como Deuses, donos da verdade.
Malditos.
Derrubaram nossos ídolos por terra,
Com aquela maldita cruz...
 
Como eu os odeio,
Um acordo foi preciso,
Eu pagarei eternamente por isso,
Já posso sentir o frio corroer meus ossos...
 
Mas seu Deus se assustou,
Tamanha foi à monstruosidade que me tornei,
E o céu escureceu,
Corpus eram destroçados no ar...
 
Chovia sangue Cristão.
O dia mais feliz da minha vida,
A doce vingança,
Minha terra era minha novamente...
Mais como em todo acordo,
Eu devo pagar,
Hoje estou com gelo ate o pescoço,
No frio eterno, um lugar que não pode ser explicado...
 
Cristiano Siqueira 19/10/18
19/10/18 16:30 - Eyshilla
yesBOA TARDE. CONVIDO-OS(AS) A UMA VISITA À MINHA ESCRIVANINHA.
  ---PEQUENA MENSAGEM:---"SILÊNCIO. É CEDO. MEU CAFÉ ESTÁ QUENTE. O CÉU AINDA ESTÁ ESCURO. O MUNDO AINDA DORME. O DIA COMEÇA A AMANHECER.
  DENTRO  DE ALGUNS MOMENTOS O DIA NASCERÁ E  E COMEÇARÁ A PERCORRER RUIDOSAMENTE OS TRILHOS,ACOMPANHANDO O RAIAR DO SOL. O SILÊNCIO DA MADRUGADA SERÁ TROCADO PELO BARULHO DO DIA. A CALMA DA SOLIDÃO SERÁ SUBSTITUIDA PELOS PASSOS FORTES DA RAÇA HUMANA. O REFÚGIO DA MANHÃZINHA SERÁ INVADIDO POR DECISÕES A SEREM TOMADAS E POR PRAZOS A SEREM CUMPRIDOS.
    PELAS  PRÓXIMAS DOZE HORAS,ESTAREI DIANTE DAS EXIGÊNCIAS DO DIA. É NESTE MOMENTO QUE PRECISO FAZER UMA ESCOLHA. GRAÇAS AO CALVÁRIO,SOU LIVRE PARA ESCOLHER
   PORTANTO EU ESCOLHO.
    ESCOLHO O AMOR." (MAX LUCADO).
       QUE BELO!
        PEÇO ORACÕES AOS AMIGOS E ÀS AMIGAS QUE SÃO CRISTÃOS;PELA MINHA SAÚDE E PELA CURA DA DEPRESSÃO.
                         GRAÇA E PAZ!heart!
19/10/18 15:21 - Vitor Pereira Jr
Bom dia!

Continuando a série de dicas rápidas de escrita, quero dividir com vocês a missão do ESCRITOR.
Espero que gostem!
 
http://www.vitorpereirajr.prosaeverso.net/blog.php?idb=52266
 
Sejam bem-vindos para deixar seus comentários e sugestões.
Abraços e até a próxima!
 
Vitor Pereira Jr.

 
19/10/18 14:37 - Nasaversa
POESIA O QUE ME CAUSAS ?

Quando leio-te poesia
minha alma celebra e brinda
se entrega ao deleite da sinfonia de anjos
que se revezam, num coral de arcanjos
me trazendo a essência da vida
É um lírico que aos ouvidos invadem
alimenta com néctar de manjares
nutrindo sentimentos da alma
que no intelecto dos versos acalma
surpreendendo minha asseidade
Poesia me faz galopar nas estrelas
sentindo a brisa da imensidão
montado na partitura de teus versos 
sob o teto do infinito universo
no piso pontilhado da constelação
És de toda aclamada maestrina
decanta em plectro de louvor
ode que ecoa no tom do celeste
tornando se meu êxtase extroverso
enchendo meu odre com vinho do amor

Narcelio Santos
18/10/2018
Direitos reservados
Lei n°9.610/98
19/10/18 14:03 - JUNIOR CAMPOS
19/10/18 13:39 - Alberto Valença Lima
Venha participar de uma brincadeira interessante.
 
Você é minha /meu convidada/o
 
Clique no link abaixo e venha construir um texto coletivo que você vai adorar.

CLIQUE AQUI PARA PARTICIPAR
AMANHà É O ÚLTIMO DIA!!!
19/10/18 13:30 - Estranha Mente
Num velho casebre abandonado distante do bairro 
Murilo discute com seu irmão Miguel perto de dois 
corpos caídos no velho chão de madeira do local. A 
câmera mostra a discussão de cima. No casebre, de 
apenas um cômodo, tem uma mesa velha acompanhada de 
cadeiras também antigas. Em cima da mesa, três latas
de cerveja e um celular. No chão há lixo como 
sacolas plásticas e garrafas de cerveja, algumas 
quebradas. 
MIGUEL – Você e um idiota! Quis dar uma de 
salvador da pátria e agora vai se foder! 
MURILO (chorando) – Cara, porque você fez isso 
com a gente? Planejar um sequestro pra tirar 
dinheiro da sua própria família! 
MIGUEL – Porque vocês são uns burros. Se 
orgulham dessa honestidade idiota e não têm nenhuma 
ambição nessa vida. Já eu tenho muita! 
Nesse momento ouve-se a sirene da polícia. Foque
no rosto assustado de Murilo. Miguel debocha.

SANGUE DO MEU SANGUE
Clique AQUI e leia
19/10/18 11:40 - CasMil
Crianças Perdidas

Crianças perdidas
Algumas refugiadas
Pela violência ofendidas
Famintas esfarrapadas
Quase sempre esquecidas…

Crianças medrosas
De rostos sombrios
Crianças angustiosas
De olhares apelatórios
Crianças generosas…

Crianças abandonadas
E sem guarida
Sós e desamparadas
Crianças desprotegidas
E sempre aterrorizadas…

Casmil, 20.10.2014
19/10/18 04:04 - Jorge Gomes Oliveira
PROGRESSO MORAL
Todo o viver é um exercício de aprendizagem. E a vida será sempre rica de oportunidades para que a alma se enriqueça no saber das coisas de Deus.

A oportunidade do estudo, de desenvolver-se intelectualmente é possibilidade de alcançar conhecimento das leis do mundo físico, obra de Deus.
Estudar Botânica, Química ou Astronomia, seja qual for o ramo das Ciências, é sempre uma oportunidade de progredir intelectualmente, de aumentar o entendimento a respeito das leis do Criador.
E é claro que quanto mais estudamos, mais progredimos intelectualmente.
Porém, a vida também é rica de oportunidades para que cresçamos moralmente, para que possamos entender as coisas de Deus no campo da moral.
Assim como podemos crescer intelectualmente durante uma vida, podemos progredir moralmente.
Sabendo-se que moral é a regra de bem proceder, a regra de agir conforme as Leis de Deus, será o entendimento dessas regras, pelas vias do coração a grande conquista para todos nós.
Logo, é natural que a vida oportunize também esse aprendizado, que nos possibilita crescer moralmente.
Se o progresso intelectual se dá pelos bancos da academia, pelos livros, pelo exercício da mente e do raciocínio, o progresso moral se dá pelo enfrentamento do mundo, nos desafios de relacionamento com o próximo e conosco mesmos.
Sempre que nos deparamos com um parente difícil, é oportunidade de progresso moral, ao desenvolver a paciência e a indulgência.
Se o chefe irascível é nossa grande dificuldade, ou o ambiente de trabalho desequilibrador, que nos consome em preocupações, serão essas também oportunidades de desenvolvermos valores de paciente coleguismo.
Se situações difíceis da corrupção e do afrouxamento dos valores morais sucederem sob nossos olhos, ser-nos-ão convite ao exercício da retidão de caráter e da consolidação da honestidade.
Nenhuma situação que nos ocorra será descuido da Providência Divina ou cochilo de nossos anjos tutelares.
Tudo está previsto pelo amor de Deus, a proporcionar as situações mais adequadas para que possamos progredir, intelectual e moralmente.
Dessa forma, jamais desejemos uma vida tranquila, sem desafios e dificuldades a transpor.
Essa vida que muitos desejam e não poucos se esforçam para assim viver, consome-se no vazio de si mesma, pela falta do objetivo maior, que é o progresso do ser humano.
Jamais devemos malquerer os dias desafiadores. Serão sempre esses os que provocarão em nós o crescimento de novas capacidades, o amadurecimento moral, o despertar para valores mais sólidos e perenes em relação à vida.
Nunca deveremos nos esquecer que Deus nos proporciona penas e desafios somente na intensidade e no montante que nossa estrutura emocional será capaz de enfrentar.
18/10/18 23:19 - LAURO PAIXÃO
Lauro Paixão
 
18/10/18 21:18 - Adriano Antonio Pereira
Adquira já minha primeira Antologia Poética. Prefácio: Léo Guimarães.

AGBOOK  |  AMAZON  |  CLUBE  |  HOTMART

Obrigado!
18/10/18 20:17 - fchagass
PRECISAMOS RECOMEÇAR...
 
Necessitamos, disposição de recomeçar!
 
Essa existência é feita de recomeços e, querendo (ou não) teremos um recomeço após outro...
 
Estaremos sempre recomeçando – Após cada fase... Muito embora nem sempre se consiga entender quando e onde recomeçar...
 
Se DEUS concede oportunidades de recomeço ao final de cada etapa! Louvado e engrandecido seja o glorioso nome do SENHOR – Onipotente, Onisciente, Onipresente Criador, autor da vida
 
Sendo LIDERANÇA a meta a ser alcançada e, havendo começado outros livros sobre variados temas, não imaginava ser o livro da vez...
Sendo seu tema uma meta a ser alcançada, será esse o bola da ocasião...
18/10/18 20:16 - Alexandre Ivanovski
128x128
A vida adoidada
Roberto vivia a vida adoidada. A primeira coisa de manhã era virar dois copos de whisky ainda no quarto de dormir. Depois, preparava um copo de Martini para acompanhar o café da manhã. Antes de sair de casa para o trabalho escovava bem os dentes e fazia gargarejo com produtos de higiene bucal para esconder seu forte etilismo.
Era vendedor em uma agência de carros usados. Estava de pé no trabalho às nove horas da manhã. Escondia uma garrafa de whisky na gaveta de sua sala e acabava fazendo uso dela durante todo o dia até as seis horas da tarde. Solteirão convicto, não era gay nem tampouco garanhão solitário. Alguém poderia dizer acertadamente que era misógino.
Amante da tecnologia tinha computador no Fiesta preto quase novo, na casa, e dois smartphones. Uma extensão a esse gosto digital era o vício em maquinas de cassino: sozinho no mundo, não havia a quem explicar-se e, por isso, de segunda a sábado depois do trabalho – após muitos tragos de bebida – visitava um cassino clandestino.
No cassino, mais doses de bebida. Para a noite, Roberto preferia beber inúmeras doses de vodca com laranja enquanto gastava muito nas máquinas de caça-níqueis. Não se aventurava no jogo de roleta, não gostava, talvez por intuição do mal potencial imenso que lhe faria aos bolsos. O pôquer estava fora de seu alcance. 
Ainda que não apostasse alto era um desastre no jogo, por que gastava nas maquininhas todo o dinheiro que possuía até o fechamento do estabelecimento. Mas como seria de se imaginar, existia ali um gerente disposto a emprestar dinheiro a pessoas como ele, que apostavam tudo na sorte. Alguém cuja derrota não o faria desistir da sorte no jogo. 
Passados alguns meses de caça-níqueis, Roberto devia uma quantia aproximada a cinco mil reais. E os donos do cassino, mesmo sem que ele tivesse pago nem mesmo uma parte do que devia, lhe ofereciam mais e mais crédito. Em duas noites acabou ganhando o equivalente a quinze mil reais, e fez questão de pagar imediatamente o que devia.
Mas nas noites subsequentes a sorte foi por água abaixo e, ao perder dez mil reais, precisou contrair uma pequena dívida novamente, no total de oito mil reais. A perda do dinheiro que tinha era tão fácil quanto adquirir um novo empréstimo no cassino para manter a sorte trabalhando a seu favor.
Que a sorte trabalhava a seu favor, disso não tinha dúvida o ébrio Roberto. Mas os fatos desmentiam o que via. Aquilo que porventura ganhava, e isso raramente, pagava o empréstimo. Mas acabava perdendo o restante na noite seguinte. E o gerente do cassino lhe abria a carteira. Outro empréstimo era contratado.
Uma noite, ao retornar a sua casa alcoolizado, foi parado por policiais em uma blitz. E para que? Teve a carteira apreendida, foi obrigado a pagar multa, e ficou proibido de dirigir durante um tempo. Mas uma cabeça desviada como a dele não compreendeu que aquele era um sinal de como conduzia mal sua vida.

A quantia de dinheiro para pagar a multa do carro teve de vir de um empréstimo de banco. Penalizado, passou então a recorrer a corridas de Uber para ir ao trabalho e retornar dele. E ele também pagava corridas para ir e retornar do cassino – que funcionava a toda força escondido dentro de um motel. 
Um ator experiente, continuava bebendo muito o dia inteiro sem que ninguém notasse. Eis que em uma madrugada de cassino conheceu uma companheira de bebida: Márcia ostentava muitas joias nos pulsos e braços. E sua mão esquerda raramente estava vazia, sem uma dose de rum. Ele esqueceu sua misoginia habitual e os dois se aproximaram.
A partir daí, mesmo falando com um falar embargado, bêbado, os dois se entendiam. E perdiam somas de dinheiro que os dois não possuíam, porque o dinheiro deles já estava previamente comprometido com o pagamento dos empréstimos do gerente. O lugar fechava às três da manhã, hora que saíam juntos no Corolla velho azulado de Márcia.
A companheira de bebida de Roberto fazia questão de deixa-lo em casa, sendo que só depois de assegurar-se de que ele estava bem dirigia para casa. Mas, veio uma noite que, devido à embriaguez e não sabendo bem o que estavam fazendo, acabaram os dois em um quarto do motel. Nem se tocaram porque, exaustos, foi chegar e dormir.
Esse dia não foi ao trabalho pela manhã, e teve que inventar uma mentira para o supervisor, o que foi recebido razoavelmente. Roberto, apesar de tudo, era o vendedor que mais vendia, e uma falta ao serviço para levar a mãe ao médico era um transtorno perfeitamente concebível.
Mas outro dia como esse aconteceu: Roberto e Márcia dessa vez haviam dormido dentro do carro em um acostamento da estrada nos arredores do motel. O supervisor de Roberto pareceu aceitar as desculpas do gerente mas ficou claro que surgia uma pulga atrás da orelha. O supervisor não ficou plenamente convencido da desculpa de Roberto.
Pois aconteceu uma terceira vez, igual às duas primeiras, e dessa vez o supervisor foi severo com Roberto. Se ele tivesse o azar de a própria casa cair em sua cabeça e precisasse faltar outra manhã de trabalho, estaria na rua. Roberto assustou-se com a incapacidade do chefe de ser solidário e logo prometeu que não aconteceria novamente.
Quis jogar a culpa da grande bagunça de sua vida em Márcia. Lembrou-se de que jamais confiara plenamente em uma mulher. Mas já não conseguia viver sem a coroa. Ligou esse dia para ela e relatou as dificuldades no trabalho. E aproveitou para combinarem de se encontrar de noite no cassino novamente. 
Devendo uma quantia de quinze mil reais ao gerente e sem sorte nenhuma no jogo, dormiu bêbado com Márcia no carro em um estacionamento de supermercado. Nesse dia, como advertido, foi demitido da agência de automóveis. A solução encontrada? Mudou-se para o apartamento da camarada. Mas dizem que a amizade não durou muito.
Texto de Alexandre Ivanovski. 110x101
Visite minha página:
www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=64408 
30.08.2011 – 15h30min –
Teus erros são para serem corrigidos, não justificados.
18/10/18 16:39 - Tarso di Galípoli
Lapinha -> https://www.recantodasletras.com.br/poesias-de-natureza/6479827
18/10/18 15:17 - Glaussim
As flores ainda são flores

Leia meu texto e partilhe uma experiência de comparação entre vários admiradores da alma da primavera
18/10/18 13:58 - Nasaversa
VOCÊ É MINHA PRIMAVERA

Me encanta a graça do teu sorriso
a felicidade expressa com fervor
a brandura que trazes na vida
desperta beleza e avisa
o importante no viver é o amor

Teus olhos falam e expressam
me dizem que teu ser é esplendor
tal a rosa que cintila no jardim
como aroma inebriante de jasmim

Uma flor que brilha e se assevera
realça abrilhanta e me invade
no doce despertar da primavera

Narcelio Santos
07/09/2018
Direitos reservados
Lei n°9.610/98
18/10/18 13:37 - Alberto Valença Lima
Venha participar de uma brincadeira interessante.
 
Você é minha /meu convidada/o
 
Clique no link abaixo e venha construir um texto coletivo que você vai adorar.
CLIQUE AQUI PARA PARTICIPAR
SÓ RESTAM MAIS 02 DIAS!!!
18/10/18 13:32 - walter pantoja teixeira
Mural poético II     
(ainda sobre Julia!)
" a garota que raramente vestia Cinza
         e tinha um beija-flor tatuado no ombro esquerdo
             para extrair o néctar da Vida. "


(www.walterpantojateixeira.recantodasletras.com.br)
walter al pantoja teixeira


 
18/10/18 12:51 - JUNIOR CAMPOS
18/10/18 12:41 - Estranha Mente
SANGUE DO MEU SANGUE

Um roteiro de uma série que relara a relação de ódio entre dois irmãos. Esta finalizada, com 11 episódios! Leiam e comentem! 
​​​​​​CLIQUE AQUI para ler!

 
18/10/18 12:11 - Vitor Pereira Jr
Olá!
Qual tema musical de desenho animado é o seu preferido? Em comemoração aos 90 anos dos desenhos animados com som, preparei uma lista com minhas preferências, meu TOP 10 com os melhores temas musicais de desenhos animados. Confira agora este TOP 10.
 
http://www.vitorpereirajr.prosaeverso.net/visualizar.php?idt=6420040

Boas leituras, abraços literários!


Esta página é atualizada a cada 5 minutos
Última atualização em 21/10/18 08:59