Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ORAÇÃO DOS DESESPERADOS Sérgio Vaz (PAS 1ª etapa)

ORAÇÃO DOS DESESPERADOS
Sérgio Vaz

Que a pele escura
Não seja escudo para os covardes,
Que habitam na senzala do silêncio,
Porque nascer negro é consequência
Ser
É consciência
Dói no povo a dor do universo
Chibata, faca e corte
Miséria, morte
Sob o olhar irônico
 De um Deus inverso
 Uma dor que tem cor
Escorre na pele e na boca se cala
 Uma gente livre para o amor
Mas os pés fincados na senzala.
Dói na gente a dor que mata
Chaga que paralisa o mundo
E sob o olhar de um
Deus de gravata...
 Doença, fome, esgoto, inferno profundo.
Dor que humilha, alimenta cegueira
Trevas, violência, tiro no escuro
Pedaço de pau, lar sem muro
 Paraíso do mal
Castelo de madeira.
Oh! Senhores
Deuses das máquinas,
 Das teclas, das perdidas almas.
 Do destino e do coração!
 Escuta o homem que nasce das lágrimas
Do suor, do sangue e do pranto,
 Escuta esse pranto
(Que lindo esse povo!)
(Quilombo esse povo!)
Que vem a galope com voz de trovão
Pois ele se apega nas armas
Quando se cansa das páginas
 Do livro da oração.

ANÁLISE

O mineiro Sergio Vaz em 2007 promoveu a Semana de Arte Moderna da Periferia em São Paulo. A inspiração é da Semana de Arte Moderna de 1922.Naquela época, a reivindicação daqueles artistas como Mário de Andrade, Oswald de Andrade era ter uma literatura voltada para o que era nacional e não mais “afrancesada” e descompromissada com o país. Sérgio, no século XXI, promove também um grito artístico: dar voz às periferias, hoje não menos marginalizadas A oração de Sérgio Vaz é para o leitor mais que uma oração. É um clamor por justiça social. Não só a Deus, mas também a todos que detém o poder, as ditas elites “Senhores Deuses das máquinas”.
Os negros vieram para o Brasil para a cultura de cana em meados de 1580 e só receberam a carta de alforria 308 anos depois (Neste ano completa-se 130 anos no dia 13 de maio). E, infelizmente os negros, os pardos, os morenos, os cafuzos, os mulatos e toda cor diferente da branca sofre devido a cor da pele ,por isso, “Uma dor que tem cor”. Não adianta dizer que não. Em qualquer canto do Brasil, a cor das favelas é preta, a cor das prisões é preta, a cor das escolas públicas também é preta. Isso é consequência de ausência de políticas públicas ao longo de quase quinhentos anos para aqueles que compõem a massa, os guetos.
Por muito tempo aos negros cabia apenas o “Sim senhor. ” ou “Agora mesmo senhor”. As senzalas não foram parte de um filme dramático. Foram reais. Doloridas. Frias. E nelas ocorreram muitas histórias de dor, de choro, de perdas. É por isso que Sérgio Vaz diz “os pés fincados na senzala”. A casa grande continua inacessível aos pobres e, quando finalmente criam cotas, por exemplo, voltadas para as minorias, chega a crise. Advogados, enfermeiros, engenheiros e outras pessoas que se formaram, por não ter a quem recorrer, um apadrinhamento (prática recorrente no país) persistem à margem, sem o emprego compatível com a formação. São inúmeros graduados impedidos de pisar na Casa Grande, compor as camadas sociais de prestígio.
E se o clamor desse povo fosse ouvido? O Deus é um “Deus de gravata” muito distante do que as periferias vivem, insensível ao que cada excluído padece... “Doença, fome, esgoto, inferno profundo”. Ao adoecer, não há atendimento nos hospitais, não há comida o bastante para os desempregados (são cerca 12,7 de milhões nessas condições segundo o IBGE). Programas diários mostram barracos e barracos sem qualquer infraestrutura ou tratamento de esgoto ...a ausência de muros citado na oração poética de Sergio Vaz não é o luxo das casas europeias que dispensam cercas, é a “organização” dos barracos amontoados uns sobre os outros nos morros como do Rio de Janeiro ou à beira de córregos e rios como em São Paulo.
 E esse Deus engravatado que não atende a oração desses desesperados? Estaria ele enriquecido e impassível aos que Dele mais precisam? E, como toda prece não é em vão. Para tanta dor “Do suor, do sangue e do pranto”, há uma esperança: a união desse povo do Gueto “Que vem a galope com voz de trovão”. A força é a única solução para que a prece seja finalmente concretizada, “Quando se cansa das páginas Do livro da oração”. É hora da luta. Não existe outra arma para o “ (Quilombo esse povo!) ”.
São as respostas dadas à oração a partir do verso "Escuta o homem que nasce das lágrimas" .É como a epifania.Um estalo.Uma luzinha acendendo desde esse momento : de que adianta apenas orar e nada fazer? E para que fazer sozinho quando é possível ser povo? Ser trovão.

Marcela Cristiane
Enviado por Marcela Cristiane em 31/03/2018
Reeditado em 10/05/2018
Código do texto: T6296159
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marcela Cristiane
Brasília - Distrito Federal - Brasil
141 textos (12860 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/18 12:03)
Marcela Cristiane