Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HONÓRIO, O LÍRICO COMENDADOR: COMO MIÚCHA O RETRATOU

O livro “Honoris Causa” não é classificável. Se fosse publicado por uma grande editora ela teria grande dificuldade em informar a “estante”  em que ele seria exibido. Biografia? Aventura? Comédia? Romance? Pois bem, ele é ao mesmo tempo tudo isso e nada disso.

A tiragem foi pequena e não consta que esteja disponível para aquisição. Os privilegiados que o têm não emprestam; todos sabem que livro, mulher e dinheiro não se emprestam. Usando o meu direito de amigo fui presenteado com um exemplar, coisa digna de fazer inveja. Depois de o ler digo com todas as letras: livro para ser lido numa sentada só, mesmo com o texto impresso em letras tão miúdas quanto as de bula de remédio e com espaço entre linhas tão apertado quanto as ruas de Ouro Preto.

Mas ninguém vai às Muralhas da China ou ao Caminho de Santiago buscar conforto. O conforto está na recompensa espiritual (no caso da leitura do livro.) Miúcha tem tal e tanta modéstia em estado natural que ela sequer aceita os merecidos elogios. Tem tanto escrúpulo de falar bem das próprias obras que sequer nos dá a chance do contraditório.

Como escritora é uma abelha operária, só que com vida longa e sem ter uma abelha rainha para sustentar. Trabalhou incessantemente o tema difícil de escrever uma obra tendo cartas trocadas como matéria prima. “Cartas Extraordinárias – a correspondência inesquecível entre pessoas notáveis”, “A Intimidade da Correspondência Entre Fritz Müller e Charles Darwin” e “Descendo a rua da Bahia” são exemplos que me ocorrem para lembrar que esta famosa coisa que não mais existe – a carta – pode, sim, ser personagem principal de um livro.

Honório Carneiro é um rio caudaloso. Recebeu na Terra a missão de percorrer um vale fértil e de receber em seu leito, com generosidade, todos os tributários que lhe aportaram na vida. Sou prova viva de seu poder catalisador. E Miúcha foi fundo nas entrelinhas das cartas, naquilo que ninguém mais sabe ler. Honório é dessas pessoas que nascem com destino certo, uma espécie de vida depois da vida, uma roda viva. É preciso ter a paciência de uma Miúcha para descobrir tudo isso em vazios tão pequenos que mal cabem uma agulha.

E o que ela faz? Simplesmente segue o rio com uma tralha carregada de coisas velhas – as cartas – e, com rara humildade, faz quase um trabalho a quatro mãos.  Transcreve, sempre em negrito, os trechos que lê e pinça deles seus comentários, nenhum deles gratuito. Todos têm endereço certo, precisão cirúrgica, para desvendar mistérios de uma pessoa que ela e sua família conheceram tão bem. De fato Honório é patrimônio ubaense.

E assim o livro divaga – eu diria que vagueia devagar – entre risos, bondades, ternuras, confortos e saudades. O fio condutor que nos leva através dos tempos e dos lugares onde ele viveu e vive: no coração das pessoas. Sempre que o negrito de Honório foi substituído pelo texto comum de Miúcha fiquei em dúvida: seriam os textos originais e integrais de Honório ou seria a visão interpretativa da escritora tecendo a teia e preparando o campo para pegar a presa, seus leitores?

Honório é reconhecido galhofeiro. Brinca com o sério e o eterno como quem faz piada em boteco. E Miúcha é o contraponto, a parte que compensa a galhofa – essa a grande vocação de vida de seu homenageado, um homem que levou na brincadeira até os percalços que a vida lhe preparou. 

Ninguém nasce com todos os dons, principalmente os que se antagonizam. Miúcha aceita o brilho nos palcos porque ela própria brilha quando canta. Mas, quando escreve ela parece se esconder das luzes; prefere manipular os cordéis por trás das cortinas de um teatro de marionetes. Tenho receio de que me entendam errado, pois na literatura brilha mais quem se esconde nas sombras. A escuridão é a forja de pensamentos e pensadores ilustres.

Então, quando se pensa que, por ser o rio, Honório não precisa de um barqueiro para conduzi-lo, se engana. Honório é bicho solto na natureza. Sabe como ninguém fazer suas graças, abater suas presas, exercer seu papel de predador na cadeia trófica e cativar as pessoas. Com tudo isso sua sinergia foi capaz de mobilizar o que ele tinha de melhor e mais claro, que é seu grande humanismo.

Transformado em herói solitário de um belo livro, este senhorzinho que Miúcha descreveu como sendo capaz de ter todas as idades, e de fato tem, o material é tão bom que tenho pena de quem não possa desfrutar de páginas tão delicadas.


Honório, o último dos gentis, um Carneiro, um irmão de Ferdy, senhor de mil ofícios, é um homem feliz, estigmatizado com este dever: serás lançado ao mundo para agradar, para distribuir lições de bem viver. O mesmo homem que precisa de amigos quando Tetê o deixa, temporariamente, em favor da maternidade na casa de parentes em Ubá, é também aquele que, moleca e sorrateiramente, subtrai a pinga do Serro de Zé Alencar, um digno Vice-Presidente da República.

Não deixa de rir de si mesmo quando informa que o Zé Durso recusara seu endosso (ou seria endurso?) a um cheque para não sujar o documento. É o rei dos trocadilhos, impiedosa e cirurgicamente cáustico, ao recomendar à Celina Avanci que “avance” seu namoro com o Lincoln César. Não deixa a peteca cair quando chega vestido de Miúcha numa festa de carnaval. Imagine se alguém que não fosse ele gostaria de ser chamada de Maria do Socorro! Só Honório para ter a sensibilidade de percebê-lo e amenizar a tragédia da Mary Help. Não recusa, malandramente, o equívoco de namorar uma Matarazzo. Honório é um homem eterno, ou, no dizer de Zé Daniel, alcançou a eternidade sendo/permanecendo jovem.

Impossível resgatar melhor a imagem deste nosso amigo eterno, de todas as eras, do que Miúcha fez com este Honório que, diante de um espelho mágico, colocou em dúvidas a beleza de seu neto. Ela soube extrair, magistralmente, daquelas “mal traçadas linhas” a fina ironia de alguém capaz de beijar um postal de Lana Turner defronte a uma banca examinadora. E é de chorar de rir saber que, sem querer, derrubou literalmente a casa de Nego Rocha.

Miúcha teve um baita trabalho ao organizar aquelas coisas. Escrever “Honoris Causa” deve ter sido como conduzir uma boiada no meio de uma tempestade e tendo de manter os bois em ordem. Não deve ter sido fácil. A História de Ubá, já tão rica e diversificada, não poderia sobreviver sem o resgate primoroso que Miúcha fez, explorando com sagacidade a trajetória de uma pessoa que pode representar todos os personagens que são a cara da cidade, onde abundam temas tão variados que permeiam ruas, clubes, botecos, casas, famílias centenárias e histórias de amor sem fim.

Como se não bastasse o leitor é ainda premiado com a graça de conhecer Martha. Acho que ali ficou claro que a filha explica a mãe. Ou seria o contrário?
 
NOTA: Honório se retirou de entre nós faz pouco tempo. Como ele é imortal, o tratamento também é atemporal. Pois ele sobrevive a qualquer evento.
 
Cornélio Zampier Teixeira
Enviado por Cornélio Zampier Teixeira em 20/05/2019
Reeditado em 20/05/2019
Código do texto: T6651779
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Cornélio Zampier Teixeira
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
70 textos (2633 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/06/19 17:56)
Cornélio Zampier Teixeira

Site do Escritor