Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

1126-ÓCIO CRIATIVO - Comentário de Livro.

 
ÓCIO CRIATIVO

Acabei de ler o livro de Domenico Di Mais intitulado “Ócio Criativo”.
O que parece ser, pelo título, a apologia da preguiça ou do desperdício de tempo, terror das pessoas bem sucedidas, daquelas viciadas em trabalho, horário e produção; para as quais ócio é apenas nada fazer ficar à toa no dolce far niente atribuído aos italianos.
Ledo engano. O ÓCIO qualificado de criativo é a ideia de como ficar sem fazer nada e ao mesmo tempo CRIAR. Criar, com novas ideias e direcionando o pensamento, algo de agradável ou proveitoso como inventar coisas, novos padrões para as atividades já rotineiras, criar artes. Dar asas à imaginação. Criar, criar, criar.
A premissa que o trabalho mecânico, repetitivo, será cada vez mais dado aos robôs, o tempo dos seres humanos será cada vez mais de ociosidade, como é proprio da nossa existência.
O ócio deve ser direcionado para o movimento, a ginástica, em primeiro lugar, já que somos bípedes e temos necessidade de andar, caminhar, sim. Uma caminhada é um momento de ócio, que servirá para captarmos energia do sol, do ar e do vento. A caminhada torna-se criativa a partir do momento em que começamos a prestar atenção nos locais por onde passamos, nas pessoas que encontramos, nas situações que porventura passamos a viver e participar diretamente.
E, em consequência, fixar tais observações, contatos pessoais e acontecimentos em poemas, telas de pintura, em escritas de qualquer gênero, enfim, em qualquer expressão de criatividade.
Na caminhada, na prática de esportes, ao assistir um evento — quer seja ele social, cultural, esportivo, etc. — nos leva ao encontro com outras pessoas, estabelecendo novas relações, com a consequente troca de energia na intercomunicação. E causam flashes, insights, de intuição criativa, que nos predispõe a criar.
O autor, Domenico Di Mais é ilustre e conhecido sociólogo italiano, se propõe a discutir, avaliar e imaginar como será uma sociedade em que o trabalho dos homens e mulheres, reduzido ao mínimo, será cada vez mais destinado à criatividade — o que elevará, na certa, nossos padrões de civilização a níveis que dificilmente poderemos imaginar.

ANTONIO ROQUE GOBBO
Belo Horizonte, 30 de agosto de 2019.
Comentário classificado como
Conto # 1126 da Série “Infinitas Histórias”





Antonio Roque Gobbo
Enviado por Antonio Roque Gobbo em 06/02/2020
Código do texto: T6859650
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Antonio Roque Gobbo
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 84 anos
1150 textos (50401 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/02/20 22:17)
Antonio Roque Gobbo