Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quem foi que disse que os maracatus são todos iguais?

“Maracatus são todos iguais”. Esta é uma afirmação de quem não conhece as manifestações culturais brasileiras e, sobretudo, pernambucanas.

Basta apenas um pouco de atenção e logo se vê que os maracatus são diferentes. Iguais só na alegria.

Os maracatus se diferenciam, sim. E, muitos que se apresentam como tal, chegam, no máximo, à categoria de “grupos percussivos”, que tocam samba, rock, reggae, MPB, brega, hip-hop e, quando muito, reproduzem alguma sonoridade dos maracatus-nação, mas sem qualquer compromisso com os valores, a cultura e a religiosidade. Isso torna-se uma ameaça à tradição e contribui, inclusive, para a descaracterização dos autênticos grupos mantenedores de uma praxe com fortes vínculos com os terreiros das religiões de matriz africana, especialmente o Candomblé e a Jurema.

Folião não precisa ter conhecimento aprofundado sobre os maracatus, mas é interessante, pelo menos, saber o que diferenciam esses grupos de brincantes.

Não cabe aqui aprofundar essa discussão, mas quem se interessar pelo tema poderá recorrer à leitura de alguns escritos de pesquisadores como Câmara Cascudo, Mário de Andrade e Guerra Peixe, que centraram a atenção na questão da origem dessas manifestações artísticas e culturais.

Em Pernambuco temos Maracatus de Baque Virado (Maracatu Nação) e Maracatus de Baque Solto (Maracatu Rural, de Orquestra ou de Trombone). São manifestações com características bem definidas, diferentes. Os elementos que compõem os grupos diferem nos personagens, na estrutura estética, nos instrumentos e nas particularidades musicais. O olhar mais atento, a escuta de loas e toadas bastam para identificá-los e diferenciá-los.

O Maracatu de Baque Virado tem suas origens na instituição dos reis negros, conhecida em Portugal desde o século XVI. Em Pernambuco, os estudos apontam o ano de 1674 como data dos primeiros registros de coroações de soberanos do Congo e de Angola, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, no Recife. Esses cortejos passaram a acontecer também no Carnaval e receberam, na época, a denominação de maracatus - conotação pejorativa para denominar “ajuntamento de negros”.

Já o Maracatu de Baque Solto surgiu na Zona da Mata Norte pernambucana, no final do século XIX, como “brincadeira de cambindas” (homens que se vestiam de mulher), uma brincadeira eminentemente masculina. É o resultado da junção cultural de diversos folguedos populares da região canavieira, como o bumba-meu-boi, o pastoril, o cavalo-marinho e o reisado. Nele não existe a Corte Real e o seu maior destaque é a presença do caboclo de lança, também chamado de lanceiro ou caboclo de guiada.

Os personagens também são diferentes. As figuras tradicionais dos Maracatus Nação são o Porta-Estandarte (algumas nações denominam Porta-Bandeira); a Dama do Paço, mulher responsável pela condução da calunga (ícone detentor do axé do maracatu); Rei e Rainha (ostentam uma espada e um cetro, sob um guarda-sol – ou pálio – colorido, carregado por um Pajem); Damas de Frente, Damas-de-honra (geralmente crianças, que mantêm suspensas as capas do casal real); as Baianas de Cordão (dispostas em fileiras nas laterais da corte, com roupas de tecidos estampados); Baianas Ricas (vestidas de branco, com turbantes e cordões coloridos que fazem alusão à cor de cada orixá); Príncipe e Princesa, Embaixador e Embaixatriz, Duque e Duquesa, Conde e Condessa, Vassalo (que abana o Rei e Rainha), Lampiões (escravos que conduzem abajus), Balé de Escravos (com ferramentas de trabalho) e o Caboclo “Arreia Mar” (Caboclo de Pena), com arco e flecha, figura vinculada especialmente às práticas da Jurema Sagrada.

A orquestra é formada apenas por instrumentos de percussão (tarol, caixa de guerra, gonguê, alfaias, abês e atabaques). O comando do batuque (ou baque) é do Mestre de Apito, que conduz as batidas e toadas, também chamadas de zuelas ou loas.

Nos Maracatus Rurais encontramos a bandeira (ou estandarte), conduzida pelo bandeirista, trajado à Luiz XV. Compõem também o cortejo as figuras do Mateus e da Catirina (ou catita), o Babau, a burrinha e o caçador; o vassalo, os carboreteiros (lampiões), a Dama do Paço, também chamada de madrinha e o cordão de baianas.
 
Os caboclos de lança, transformados em símbolos da cultura pernambucana, são um destaque à parte: rostos pintados, óculos escuros e cravo branco na boca; vestem camisas estampadas, de mangas longas; e calças de chita com franjas. Carregam nas costas um surrão onde estão presos os chocalhos (em número ímpar, “para não dar azar”). Na cabeça, um lenço e uma enorme cabeleira com tiras de pano colorido; nas mãos, uma lança de madeira medindo cerca de dois metros.

As manobras, ordenadas pelo Mestre, são feitas em torno do cortejo. Esse tipo de maracatu apresenta quatro tipos de cantoria: marcha (sempre de quatro versos), samba curto (de quatro a seis versos, o tipo mais comum), samba comprido (geralmente de 10 versos, mas podendo ter até vinte), e o galope (normalmente de seis versos).

Então folião, se você chegou até aqui, agora sabe que os “maracatus não são todos iguais”. Existem maracatus e maracatus.
ALEXANDRE ACIOLI
Enviado por ALEXANDRE ACIOLI em 28/11/2017
Reeditado em 28/11/2017
Código do texto: T6184483
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ALEXANDRE ACIOLI
Recife - Pernambuco - Brasil
70 textos (89557 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/06/19 05:02)