Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

I CHING - O LIVRO DAS MUTAÇÕES

OBS: o texto abaixo foi reproduzido de uma minirevista sem data, sem editora, Estado ou sequer Autor e se refere a milenar Arte de PREVISÃO, tradição levada muito a sério em toda a China. "Segundo a tradição chinesa, para que se obtenha o máximo do I CHING êle deve ser tratado sempre com o máximo respeito e nunca consultado sem que haja real motivo ou problema para isso, pois se trata de algo sagrado e que não deve ser importunado em vão. É absolutamente necessário que a pergunta seja formulada com exatidão. Se possível deve conter períodos de tempo, o que ajudará a interpretar a resposta". (pag. 9) "Todo o ritual que presidia a consulta ao I CHING tinha a única finalidade de obter uma resposta à pergunta formulada. Embora hoje essa cerimônia possa ser dispensada, os dois mesmos métodos de consulta continuam a ser utilizados: o do lançamento de varinhas numeradas -- mais antigo e tradicional -- ou o do lançamento de 3 moedas (iguais). Mas seja qual fôr a fórmula escolhida para consultar o I CHING, o importante é que ele nunca seja importunado com perguntas frívolas ou infantis. A personalidade do I CHING é tal, que o respeito por ele se torna coisa natural". (pag. 8) *** Sugiro que se procure a obra em lojas de livros usados ("sebos") porque não é um livro barato... as 3 moedas precisam ser iguais, de preferência antigas, já fora de uso, essa opinião segue por minha conta, porque tais objetos guardam por muito tempo a energia de quem os toca ou possui. (NATOAZEVEDO -- em 13/jan. 2020)

     I CHING - O LIVRO MAIS ANTIGO DO MUNDO

Nos dois últimos anos ele foi um dos livros mais comentados no Ocidente. Nos Estados Unidos, Inglaterra, França e Alemanha quebrou recordes de vendagem. Só no Brasil teve 4 diferentes edições. Apesar disso, o I CHING pode ser considerado o livro mais antigo do Mundo, não havendo respostas definitivas sobre sua verdadeira origem. Diz, porém, a tradição que teria sido organizado, em sua forma atual, por um rei chinês de nome Wen, há mais de 1.000 anos antes de Cristo ! Dessa época até a nossa era -- um período de aproximadamente 3.000 anos -- ele vem sendo utilizado pelos chineses e outros povos do Oriente como um livro sagrado capaz de prever o futuro.
Seu texto original, onde está contida toda a Filosofia do Extremo Oriente, é de difícil compreensão para um ocidental não familiarizado com a cultura chinesa. Esta versão, porém, escrita em linguagem simples e com instruções pormenorizadas para seu uso, torna o I CHING acessível a todos. Assim, qualquer pessoa de boa vontade que o use com sinceridade e com inteligência terá em suas mãos um meio infalível de escolher o Bem e evitar o Mal. Mas é preciso tornar claro que o I CHING não se trata de um desses livros comuns de adivinhação que preveem futuros acontecimentos e nos deixam esperá-lo passivamente. Na verdade, ele jamais coloca os fatos do futuro como inalteráveis, mas como algo que segue tendências gerais. Em vez de profecias rígidas, o livro faz sugestões baseadas não no que VAI acontecer, mas no que DEVE acontecer para causar ou impedir um determinado acontecimento.
Assim, o I CHING - O LIVRO DAS MUTAÇÕES coloca-nos diante de uma idéia de futuro nunca definitivo mas que pode ser traçado e modificado de acordo com a força e a vontade de cada um. Ele faz de cada pessoa o arquiteto do seu próprio futuro, ao mesmo tempo que ajuda a evitar ou minimizar desastres, extraindo o máximo de proveito da cada situação. É um livro para aqueles que colocam a harmonia acima do ganho  material. É incapaz de dizer, por exemplo, como acertar na Loteria ou fazer mal aos inimigos, mas ajudará a viver melhor e de acordo com as circunstâncias do momento, quaisquer que sejam elas.

    UM UNIVERSO EM CONSTANTE MUTAÇÃO

(...) Na China, como no Japão, o LIVRO DAS MUTAÇÕES vem sendo usado desde a Antiguidade remota até o presente. (...) Mas o que é, na verdade, esse livro mágico e misterioso, capaz de desvendar o futuro, descobrir crianças perdidas, influenciar um filósofo e ganhar guerras ? Basicamente, trata-se de um livro de consultas formado de 64 textos, cada um dos quais é a explicação de um desenho diferente, formado por seis linhas superpostas. Para entender a origem dos hexagramas é preciso considerar que cada um é formado por seis linhas que podem ser inteiras ou partidas, e que representam o Yin-Yang, os dois princípios elementares do antigo pensamento chinês. Yin-Yang, opostos e antagônicos, podem ser aplicados a todos os domínios da Vida. Todos os seres, coisas ou fenômenos pertencem a um ou outro grupo. O bem e o mal, a justiça e a injustiça, o agradável e o desagradável, a simpatia e a antipatia, a atração e a repulsão, o amor e o ódio, a alegria e a tristeza, o belo e o feio são estados aparentemente contrários, mas intimamente ligados na sua profundidade. Eis porque se transformam com tanta facilidade um ou outro, no seu oposto, no seu contrário. O Princípio Único Yin-Yang é, portanto, um compasso, uma bússula aplicável a todas as artes, ciências, técnicas, etc. É um princípio sutil e profundo que deu origem à teoria dos elementos chineses do I CHING ou LIVRO DAS MUTAÇÕES e a seu universo onde nada é definitivo, onde tudo muda e se transforma.

    AS LINHAS DA VIDA E DO DESTINO

Os 64 hexagramas nos quais se baseiam as previsões são formados por dois trigramas, com um total de seis linhas. Cada linha pode ser quebrada e portanto maleável, ou inteira e portanto firme. As linhas quebradas são chamadas linhas Yin e simbolizam as qualidades desse princípio: terra, passivo, negativo, mulher, escuridão, etc. As linhas inteiras, Yang, simbolizam céu, ativo, positivo, homem, luz, etc. Nenhuma das duas é melhor ou pior do que a outra, pois os dois princípios desempenham papéis igualmente importantes na totalidade da existência. Para formar os 64 diferentes hexagramas do I CHING, existem apenas oito trigramas, o máximo número que pode ser formado com apenas dois tipos diferentes de linhas. De acordo com a tradição, eles foram descobertos pelo imperador Fu Hsi (por volta de 2700 aC.), o primeiro governante conhecido na história da China e que é hoje considerado como uma figura lendária. Diz a lenda que ele viu as linhas pela primeira vez no casco de uma tartaruga. Qualquer que seja a verdade simbólica dessa história, o fato é que os trigramas são antiquíssimos, muito mais antigos que o próprio LIVRO DAS MUTAÇÕES. Basicamente, eles representam certos aspectos da Natureza, tanto ativos como passivos, tais como o trovão, o vento, a montanha, o lago, etc.

    AS TRADIÇÕES DA VELHA CHINA

Cada um dos oito trigramas do I CHING recebeu um nome simbolizando elementos da Natureza, além de atributos que se supuseram num estado contínuo de transição. São eles: CÉU (em chinês, Ch'ien), o criador, masculino, ativo, formado por três linhas inteira; TERRA (K'un), o receptor, feminino, passivo, formado por três linhas quebradas; TROVÃO (Chen), movimento, perigo, formado por duas linhas quebradas e uma inteira; ÁGUA (K'an), o abismo, o fim, formado por uma linha quebra, uma inteira e uma quebrada; MONTANHA (Ken), o progresso interrompido, formado por uma linha inteira e duas quebradas; VENTO (Sun), a suavidade, a introdução, trigrama formado por duas linha inteiras e uma quebrada; FOGO (Li), a claridade, a beleza, formado por uma linha inteira, uma quebrada, uma inteira; LAGO (Tui), a compensação feliz, formado por uma linha quebrada e duas inteiras.
Acreditam os chineses que os OITO TRIGRAMAS e seu resultado de 64 hexagramas representam todas as mutações da Criação, pois, segundo eles, "o Futuro se desenvolve de acordo com leis prefixadas e números calculáveis. Conhecendo-se estes números, futuros acontecimentos podem ser calculados com precisão".
(pag. 9) - "O lançamento de varinhas ou moedas é feito sempre depois da formulação da pergunta. Feito isso, consulta-se a tabela das previsões para encontrar o número do hexagrama que contém a resposta à consulta. A interpretação dessa resposta deve ser sempre objetiva e realizada com calma. Pois, desvendado o Futuro, o I CHING é um livro poético, mágico, e suas páginas devem ser interpretadas com amor. Está no AMOR o segredo para entendê-lo, porque amor é intuição e sentimento poético e o I CHING um mago que vive no mundo da Verdade".
    (OBS: reprodução completa das pags 3 até 7 do livreto... a partir daí seguem instruções de como jogar as moedas e interpretar o resultado.)

                 
(autor não identificado / sem editora, data e etc)
Enviado por NATO AZEVEDO em 14/01/2020
Reeditado em 15/01/2020
Código do texto: T6841811
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
NATO AZEVEDO
Ananindeua - Pará - Brasil, 67 anos
922 textos (15675 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/01/20 08:51)
NATO AZEVEDO