Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A afetividade e o desejo no processo de ensino e aprendizagem

     A afetividade e o desejo pouco têm sido considerados e relacionados com o processo de ensino e aprendizagem. Isto porque a pedagogia tradicional, bem como algumas teorias psicológicas baseadas em uma visão dualista do homem tem considerado a aprendizagem como um processo exclusivamente consciente e que ocorre como um processo regular, como: andar, falar. Lêr e escrever é evocado pelo outro. A linguagem é um produto social adquirido na interação com quem quer ensinar-lhe algo. Ensinar é provocar o desejo do outro que elicia uma resposta a um determinado estímulo.
A importância dos fatores relacional e afetivo implicados no ato de ensinar e aprender muitas vezes é desconsiderada no processo de ensino e aprendizagem, bem como, a influência dos processos inconscientes na aquisição e elaboração dos novos conhecimentos. Outro fator  que não é considerado,  é que os processos são adquiridos pelo próprio aluno, e estão relacionados com o seu desejo.
  Contrariando esta corrente de pensamento, a psicanálise vem propor analisarmos e  discutirmos o processo de ensino e aprendizagem a partir de uma visão integral do  sujeito-aluno.
    O aprender implica o envolvimento com o ambiente, a empatia com o outro, condições essas, em que torna possível a evolução dos dois processos: ensino e aprendizagem.
 Nesta perspectiva, é considerar que a afetividade que se expressa na relação vincular entre aquele que ensina e aquele que aprende, que se  constitui elemento inseparável e irredutível das estruturas da inteligência. Ainda, que a apropriação do conhecimento que ocorre numa relação com o outro intervêm de processos conscientes e inconscientes entre quem ensina e quem aprende.
   Henri Wallon inovou esse pensamento ao colocar a afetividade como um dos aspectos centrais do desenvolvimento humano. “Não há ato de ensinar-aprender sem a mediação concreta de sujeitos humanos, não havendo, portanto, relação ensino-aprendizagem sem que haja atuação indissociável entre inteligência, afetividade e desejo”.  E ainda, “Toda pessoa é afetada tanto por elementos externos - o olhar do outro, um objeto que chama a atenção, uma informação que recebe do meio - quanto por sensações internas - medo, alegria, fome - e, cada sujeito responde de uma forma, no seu tempo. Logo, não é inato. Essa condição humana recebe o nome de afetividade e é crucial para o desenvolvimento”.
O conceito por Wallon desenvolvido não é sinônimo de carinho e amor e, sim da forma como "afetamos" de forma positiva ou negativamente outra pessoa e como ela reage e é mobilizada aos nossos  estímulos. Na seqüência evolutiva do desenvolvimento psíquico da criança, alguns momentos se destacam de acordo com a linha estruturalista pela importância de suas conseqüências nessa forma de "afetar" o outro.
    A capacidade de representação adquirida com a aquisição da linguagem e do pensamento é um desses momentos principais da constituição do sujeito, pois, assim, como a psicanálise prevê, a criança é marcada desde muito cedo pela linguagem, pelo discurso da mãe, e é afetada pelo outro.  Mais tarde, é marcada e afetada na escola pelo discurso daquele que quer lhe ensinar algo. E esse processo não ocorre de forma linear. Cada criança é uma criança. Antes da criança aprender algo novo longe do seu lugar privativo, precisa vencer a alienação com a mãe, com seus objetos e atividades do dia a dia  para adquirir a independência para as atividades escolares e, também precisa ser "afetada" pelo novo contexto, sentir-se acolhida.  A superação da dependência dos pais é a primeira e grande desconexão do seu mundo particular para social. Nessa transição muitas confusões, medos e dúvidas são criadas na mente da criança e ela sofre com a separação, com o novo, com o desconhecido, por isso, necessita ser interpretada e traduzida novamente por outra pessoa.
No seu mundo particular da criança, a mãe surge como alguém que dá significados aos comportamentos, movimentos, sons e desejos. É nessa perspectiva que ela é humanizada. O mundo lhe é apresentado na escola, e a professora ocupa um lugar de descobridor de desejos, tradutor de sentimentos e emoções. Se afetada, a criança inicia o seu processo de desenvolvimento e gosto pelo aprendizado.
Muitas vezes, o desejo da criança ainda presa ao seu mundo privativo esbarra na demanda da mãe. O processo não ocorre de forma regular para todas as crianças. Logo, na escola a relação de significação da criança  com aquele que quer ensinar-lhe algo, vai depender do tipo de vínculo emocional existente,  de como essa professora vai "afetar" essa criança, pois é uma relação vincular entre os dois sujeitos que ocorre de forma simultânea, - o processo de ensino e aprendizagem.
Considerando que os pais representam as primeiras figuras que ensinam e que exercem grande influência sobre a criança, é importante que a criança perceba que há esforços desses em direção à sua autonomia para que tenha liberdade de pensar, agir  e se expressar sobre esse ingressar à escola. A escola ao receber essa criança, ainda insegura, precisa entender antes de tudo que ela precisa ser mobilizada e, essa relação precisa ser investida de amor para que a criança seja "afetada" por esse novo discurso e, assim, desenvolva o desejo de aprender, pois o aprender é desejo do próprio aluno e não temos o domínio sobre o desejo do outro.
                                     Maria Teixeira
                                    Psicopedagoga e especialista em Linguagem
                                    m.teixeira@uol.com.br

Publicações da autora: https://clubedeautores.com.br/books/search?utf8=%E2%9C%93&where=books&what=Maria+Teixeira&sort=&topic_id=
                                                                                       
                                  www.psicopedagogamariateixeira.com.br
MariaTeixeira
Enviado por MariaTeixeira em 18/11/2015
Reeditado em 23/09/2019
Código do texto: T5453143
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
MariaTeixeira
São Paulo - São Paulo - Brasil
26 textos (6120 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/19 08:42)
MariaTeixeira