Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Antiquarismo: O gosto por Antiguidades e a reconstituição do passado

Na Antiguidade, os romanos mais ricos tinham um grande interesse por ruínas, esculturas, monumentos e fragmentos de civilizações passadas, especialmente dos gregos. Esses materiais eram utilizados como decoração para suas residências, símbolo de poder e exaltação política e étnica. Durante o Humanismo dos séculos XIV e XV, o gosto pelas antiguidades continuou sendo um interesse dos sábios, que recuperavam textos, moedas, esculturas, leis, e, deles, tiravam exemplos políticos e morais. Nos séculos XVII e XVIII, com uma Europa abalada por uma crise espiritual travada desde o século XVI entre protestantes e católicos, surge um ceticismo em relação à credibilidade das ciências e das criações humanas. Em oposição à essas dúvidas, filósofos criaram métodos científicos para validar as ciências naturais. Os métodos por eles criados eram empíricos matemáticos. A História, por ser propensa a diferentes pontos de vista e análises, não poderia ser comprovada através de métodos matemáticos e pelo empirismo. A escrita da História ficou relegada à condição de mero registro de fatos duvidosos, utilizados apenas para leitura agradável e exaltação política.

Com a História relegada a uma posição inferior, restou aos colecionadores e donos de antiquários, que não eram necessariamente historiadores, dar continuidade à produção histórica. Nos antiquários, eram recuperados documentos, bulas papais, esculturas, moedas, insígnias e fragmentos de ruínas, como foi o caso da redescoberta, no século XVIII, das cidades de Herculano (1738) e Pompéia (1748). Dessa atividade de recuperar objetos antigos, surge a Arqueologia no século XIX, que se torna uma das ciências auxiliares da História. Os antiquaristas dedicavam sua atenção para a reconstituição dessas peças, que tinham muito a dizer sobre a época em que foram produzidas. Essa atividade era somada ao método de analisar criticamente documentos oficiais e outros registros. Dessa forma, o antiquário não precisava "prestar" contas para os métodos matemáticos, pois seus objetos de estudo eram físicos, testemunhos vivos de uma época passada e com pouca possibilidade de terem sido falsificados. No entanto, devemos pontuar as diferenças entre o antiquário e o historiador nos séculos XVII e XVIII: O antiquário preserva, analisa empiricamente suas peças, e delas tira informações sobre o passado. O historiador presa a narrativa e as lições morais e políticas que dele podem ser retiradas. O antiquário não tem um interesse moral ou político, apenas a curiosidade pelo passado como ele pode ser desvendado.

Sobre as obras dos antiquários, podemos citar duas: A História Universal Demonstrada com Monumentos e Ilustrada com Símbolos dos Antigos (1697), de Francesco Bianchini; e A História e Antiguidades do Erário dos Reis de Inglaterra (1711), de Thomas Madox. Da obra de Madox temos mais informações. Esse antiquário inglês, utilizando documentos desde a época da conquista Normanda, traçou, como o próprio título de sua obra diz, as origens das riquezas do estado inglês. Madox, em uma análise crítica, utilizou documentos oficiais, assinados por funcionários, e que, em sua opinião, eram mais confiáveis que outras formas de registro, como cartas ou relatos de terceiros.

A História, desde que começou a ser escrita, sempre foi posta a dúvida, seja por seus praticantes ou por cientistas de outras áreas. O debate sobre os métodos para escrevê-la existem desde os tempos de Heródoto e Tucídides, quando se discutia a utilização de relatos de terceiros ou a observação pessoal dos fatos. A historiografia sobre a contribuição dos antiquários para a história ainda está, segundo o professor Auxiliomar Ugarte, por fazer. Talvez o pontapé inicial dessa pesquisa seja registrar a importância da metodologia dos antiquários para a história como ciência, pois podemos perceber que os métodos críticos, empíricos e arqueológicos desses profissionais tem certa semelhança nas metodologias utilizadas por historiadores da área da História Antiga.


FONTES:

HADDOCK, B.A. Uma Introdução ao Pensamento Histórico. Tradução de Maria Branco. Lisboa: Gradiva, 1989.
Fábio Augusto de Carvalho Pedrosa
Enviado por Fábio Augusto de Carvalho Pedrosa em 06/03/2016
Código do texto: T5565475
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fábio Augusto de Carvalho Pedrosa
Manaus - Amazonas - Brasil, 21 anos
132 textos (42875 leituras)
1 áudios (69 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/19 11:03)
Fábio Augusto de Carvalho Pedrosa