Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUEM SABE FAZ A HORA!...


De: Silvino Potêncio, ... QUEM SABE FAZ A HORA!
Do nosso Dilecto Amigo Dr António Justo - Emigrante Ilustre na Alemanha, mais exactamente na cidade de Frankfurt - temos recebido regularmente os seus artigos de opinião sobre as politicas Luz & Tanas na sua região, e por isso não podíamos deixar de ajudar a divulgar os protestos das Comunidades onde realmente se pensa em Português por Portugal com "Pê" grande do tamanho de quase 900 anos de Independência de interferencias de fora!!!...
Até porque, quem está de fora racha lenha!...
Que é como quem diz na minha terra "rachar lenha, é só fazer CAVACOS"! ou achas... U ké k'achas disto aqui, hein???...

Manifestantes não aceitam o Encerramento do Vice-Consulado de Frankfurt
Uma Manifestação Diferente
Previstas novas formas de Luta
António Justo
A manifestação começou às 13h00 na praça da Ópera de Frankfurt e terminou às 15h30 na Zeppelinalle junto ao Vice-Consulado (VC). A Manifestaç1bo começou com cerca de 1000 demonstrantes (segundo informaaç1bo de participantes) estando no comício final junto ao consulado, segundo informação da polícia, cerca de 400 a 500. Os demonstrantes vieram das mais diferentes localidades da área consular, de Bad Wildungen a Singen, Trier, etc. provenientes dos estados do Hesse, Renânia Palatinado e Sarre.
Estiveram presentes a televisão alemã hr-Fernsehen und Hessische Rundfunk e o Frankfurter Rundschau.
No local de ajuntamento inicial Junto à Ópera foi transmitida a música/poema “Longe Daqui „de Pedro Barroso, apresentada por Dina André. Durante o cortejo acompanhado de tambores, e de palavras de ordem como “Ministro Portas não nos feche as portas” e de cânticos revolucionários, não faltou mesmo a primeira estrofe do Hino Nacional com a adaptação: “contra os barões lutar” em vez de “contra os canhões lutar”.
Ao chegarem ao VC os manifestantes lançaram ao ar 100 balões com as cores da bandeira portuguesa.
De seguida tomou a palavra o coordenador da demonstração António Justo, porta-voz do conselho consultivo junto do posto consular (cf. texto em nota) seguindo-se a voz de Helena Barreto acompanhada à guitarra por José Luís Coelho que intercalaram os discursos com músicas de F. Fanhais e letras de Sebastião Gama: “Cortaram as asas ao Rouxinol”, “Trova do Vento que passa”… Foram também declamadas em Português e alemão os poemas de Fernando Pessoa: “Mar Português” e “Quinto Nevoeiro”. O conselheiro Alfredo P. Cardoso, do CCP, manifestou a sua solidariedade com o Conselho Consultivo e dos demonstrantes apelando também ele ao governo para que não encerre as portas do VC. Vítor Estradas, Presidente da FAPA, transmitiu telefonicamente a sua solidariedade com o Conselho Consultivo do VC e com os demonstrantes.
António Justo entregou algumas listas de abaixo-assinados à funcionária consular Irene Rodrigues, como símbolo da iniciativa de assinaturas que serão entregues na presidência da república depois dos meados de Novembro.
Por solicitação de António Justo a funcionária Consular Irene Rodrigues saudou os portugueses e encerrou a demonstração.
Foi comovente o encontro dos demonstrantes com o pessoal do consulado que durante a demonstração tinha permanecido nas instalações consulares.
Vários demonstrantes sugeriram que em Dezembro se iniciem acções espectaculares junto ao Vice-consulado de maneira a chamar a atenção dos Media e dos políticos para o grave erro que constituiria o encerramento do Consulado.
Da observação dos demonstrantes presentes na manifestação depreende-se uma forte solidariedade entre grupos e pessoas independentemente das opões políticas.
Versão portuguesa do discurso de António Justo:
Caros Manifestantes/ Minhas senhoras e meus senhores.
Estamos todos de Parabéns. Esta é a hora portuguesa aqui em Frankfurt.
Somos Portugal e ao sermos Portugal trazemos no nosso coração o mundo inteiro. Temos sido um povo usado e abusado por elites que se têm revelado mercenários de Portugal.
Caros portugueses
Portugal atravessa uma hora dramática da sua história. Portugal precisa da ajuda dos portugueses, luso descendentes e dos seus amigos alemães. Portugal precisa de poupar. Precisa de poupar mas com perícia, imparcialidade e justiça.
Se Portugal reduzisse aqui na Alemanha dois consulados para vice-consulados já pouparia dinheiro para manter um vice-consulado. O vice-cônsul pode fazer o que um cônsul faz e muitíssimo mais barato. Levem-nos um cônsul e deixem-nos o vice-consulado. Um consulado honorário também não seria solução. Um consulado honorário para quem? Já nos chega o exemplo do consulado honorário de Munique!
-Torna-se difícil contra-argumentar convenientemente dado não haver motivos para o encerramento e este ter sido perpetrado pela calda da noite, pelos senhores do Olimpo, pelos senhores diplomatas, sem que Frankfurt fosse sequer chamado a dizer uma palavra sobre o assunto. O único diálogo, a única comunicação que houve foi uma ordem: entreguem as chaves do posto consular ao senhorio até fins de Dezembro. O Senhor Ministro Paulo Portas está a ser enganado por quem o aconselhou. Se encerrar Frankfurt manifesta-se cativo dos senhores diplomatas de carreira e de interesses obscuros. Frankfurt está a ser sacrificado devido a um acto irracional em favor de diplomatas de carreira. Sacrificam-se os serviços ao povo encerrando o vice-consulado para poupar algum cargo a carreiristas.
- Na área consular de Frankfurt (Hesse, Renânia Palatinado e Sarre), somos 30.000 portugueses. Em toda a Alemanha 117.000.
- Frankfurt ocupa o terceiro lugar na Alemanha na efectivação de actos consulares, sendo o segundo a poupar mais.
- Frankfurt é o local onde se regista o maior número de votos para as eleições portuguesas.
- Frankfurt – é o grande centro financeiro centro da Europa, com o maior nó internacional de ligações estratégias, feiras internacionais do automóvel, dos têxteis, do livro, etc. A expansão da economia portuguesa teria de passar por aqui. As outras nações sabem disso; por isso Frankfurt é a cidade alemã com maior número de consulados: 104. É o lugar ideal para fomento de ligações económicas entre firmas portuguesas e alemãs.
-Frankfurt poderá apoiar os altos representantes governamentais ao fazerem escala no aeroporto internacional de Frankfurt.
- O encerramento obrigará pessoas a grandes deslocações e a correr o perigo de não serem atendidas no mesmo dia. Frankfurt é central e ao VC poderia ainda ser anexado parte do Estado Federado da Baviera, tal como acontecia noutros tempos.
-Reduzam-se as despesas, das Instalações do VC de, para metade (de 5.300 Euros mensais para metade, ou menos ainda, passando a ocupar um só andar. Estava concebido para doze funcionários, no tempo das vacas gordas. Até ao princípio deste ano tinha 6 funcionários.
- A longo prazo poderia tornar-se mais económica a compra dum edifício que reunisse VC, Turismo e TAP.
-Nos termos de rescisão legal de contratos, com indemnização, também se poderia proceder a uma redução de pessoal. O Vice-cônsul poderia delegar tarefas no n° 2 dos serviços para ter disponibilidade para a vertente económica. A ele poderia ainda ser anexado parte do Estado Federado da Baviera, tal como acontecia noutros tempos.
-Não teria sentido extinguir-se um VC com uma área de 30 mil portugueses e manter- se um consulado com 11 mil e ainda o luxo dum cônsul.
- Em todas as representações diplomáticas da Alemanha poderá poupar-se muito dinheiro ao erário público. DIVIDA-SE O HAVER E O DEVER. HÀ MUITAS VIABILIDADES DE POUPAR. Faça-se o levantamento das despesas das diversas estruturas.
- Portugal daria um bom exemplo a nível internacional se todas as despesas/subsídios de representação e de subsídio de residência fossem reduzidas para metade.
- Num momento em que a economia portuguesa necessita de impulsos à exportação, e a Europa está atenta à política portuguesa, o encerramento seria um falso sinal sob o ponto de vista de estratégia económica.
Atendendo à realidade factual, o possível argumento de encerramento por medidas de austeridade é falacioso escondendo certamente algum negócio menos limpo.
Precisa-se dum novo formato de postos consulares e de uma nova geração de diplomatas - menos medievais e mais democratas. Para isso podiam ser recrutados jovens da segunda e terceira geração, verdadeiros embaixadores interculturais e da economia.
Com o encerramento deste vice-consulado, o Estado português abandonaria um ponto estratégico do mais alto prestígio internacional e de vital importância económica, política e cultural. Uma representação antiga que remonta já a 1960.
Estamos aqui a marcar uma nova forma de protestar, uma inovação nas formas de manifestações. Com a nossa manifestação quisemos mostrar a vontade de defender o nosso VC e expressar a pluralidade e a capacidade de inovação dos valores da nossa cultura.
Estamos a construir Portugal não só com as nossas remessas mas com interesse que os luso-descendentes fundem firmas e negócios. …
Viva os portugueses, viva os nossos amigos estrangeiros , viva os amigos alemães.
António da Cunha Duarte Justo
Porta-voz do Conselho Consultivo
Tel.: 00049 561 407783,
E-mail: a.c.justo@unitybox.de
Manifestação, Frankfurt am Main, 5.11.2011
www.antonio-justo.eu
Ps. Possuo fotos da demonstração que poderão ser enviadas, se solicitadas.
 
 
 
 
www.silvinopotencio.net
 

Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 06/11/2011
Código do texto: T3320778
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Silvino Potêncio
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 70 anos
500 textos (67427 leituras)
2 áudios (188 audições)
1 e-livros (597 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 05:27)
Silvino Potêncio

Site do Escritor