Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HITLER E A GALINHA

É comum o uso de fábulas para explicar algo que de outra forma seria difícil o entendimento. Encontrei um texto atribuído a Hitler onde ele tenta explicar aos auxiliares como se deviam comportar com o povo ignorante, durante o exercício do poder. Reproduzo abaixo:
Em uma de suas reuniões, Hitler pediu que lhe trouxessem uma galinha. Agarrou-a forte com uma das mãos enquanto a depenava com a outra. A galinha desesperada pela dor, quis fugir, mas não pôde. Assim, Hitler tirou todas suas penas, dizendo a seus colaboradores: “agora observem o que vai acontecer”. Hitler soltou a galinha no chão e afastou-se um pouco dela. Pegou um punhado de grãos de trigo, começou a caminhar pela sala e a atirar os grãos de trigo ao chão, enquanto seus colaboradores viam, assombrados, como a galinha, assustada, dolorida e sangrando, corria atrás de Hitler e tentava agarrar algumas migalhas, dando voltas pela sala. A galinha o seguia fielmente por todos os lados.
Então, Hitler olhou para seus ajudantes, que estavam totalmente surpreendidos, e lhes disse: “Assim, facilmente, se governa os estúpidos. Viram como a galinha me seguiu apesar da dor que lhe causei? Tirei-lhe tudo, as penas e a dignidade, mas, ainda assim, ela me segue em busca de farelos.” Assim é a maioria das pessoas, seguem seus governantes e políticos, apesar da dor que estes lhes causam e, mesmo lhes tirando a saúde, a educação e a dignidade, pelo simples gesto de receber um benefício barato ou algo para se alimentar por um ou dois dias, o povo segue aquele que lhes dá as migalhas do dia.
Essa é a verdadeira realidade em que vivem muitos no Brasil. É hora de acordar!
Acredito que este texto tenha sido montado e atribuído a Hitler na tentativa de demonstrar a forma de governar de nossos políticos. Esta fábula tem um forte conteúdo de psicologia na qual acredito Hitler não dominar. Ele poderia ter repassado durante o seu governo essa informação, adquirida de outra fonte, mas não observamos isso nos livros de história. Portanto, é mais plausível que alguém tenha feito na atualidade, esta forma de adaptação incluindo a figura de Hitler como protagonista principal para deixar mais forte a lição.
Mesmo assim, falta alguma coisa nessa fábula da galinha comparada com o homem, pois este pode ser ignorante, bruto; ou educado, fino... e a galinha sempre é bruta, instintiva.
Dentro da humanidade encontramos as pessoas brutalizadas, que não tiveram oportunidade de serem educadas, que podem se comportar como a galinha, seguindo atrás do seu carrasco em busca das migalhas que ele lhes entrega, as vezes pomposamente, com direito a fotografia e banda de música. Mas temos também na humanidade as pessoas educadas, elitizadas, graduadas, que também seguem os benefícios que podem receber dos seus algozes, justamente como a galinha. Em função desses benefícios, fecham os olhos aos malefícios que deixa cair sobre toda a sociedade, não quer saber que a mão que lhe joga o farelo é a mesma mão que lhe depena a nação, que lhe deixa sem dignidade, as vezes dentro de uma prisão.
Que estranho fenômeno é esse que entorpece a inteligência e contamina a consciência, não ver no benefício a migalha do torturador, figura essa que até pode ter uma inteligência menos privilegiada...
Precisamos pensar nessa fábula e procurar ver se não estamos muito distante da galinha...
Sióstio de Lapa
Enviado por Sióstio de Lapa em 04/01/2018
Código do texto: T6217028
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sióstio de Lapa
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 65 anos
441 textos (19251 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/07/18 23:24)
Sióstio de Lapa

Site do Escritor