Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fé que vai além das superstições adentrando, na confiança do amor. (Parte 02).

Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé. (Rom 1:16,17). Aqui Paulo faz uma sintetização da fé, e isto gerou algumas controvérsias, neste estudo não há a pretensão de se exaurir o conhecimento sobre a fé, mas sim de dar uma luz como placa amarela que adverte o caminhante.


Desta feita entenderemos um pouco do conceito sobre salvação da época em que Paulo disserta sobre ela. O conceito sobre salvação (σωτηρια soteria), desta época segundo alguns historiadores, a salvação era algo que humanidade começava a buscar, pois em seus corações a maldade causada pelas atitudes egoístas permeava a vida dos seres humanos levando dor e tristezas.  E os vícios morais e físicos aprisionavam a alma dos seres humanos.


A tempos atrás a filosofia grega tinha sido especulativa. Alguns séculos antes ela dedicava-se a discutir o problema de qual seria o elemento básico primitivo da composição do mundo. A filosofia tinha sido especulativa, resultando em uma filosofia natural. Mas pouco a pouco, com o passar dos séculos, a vida decaiu. Os marcos antigos foram destruídos. E a Tirania ambiciosa, dos conquistadores traziam a destruição a porta das pessoas.


A degeneração e a fraqueza e a filosofia baseada no saber do intelecto humano, havia falhado na busca da regeneração e da salvação. E todo o conhecimento tornou-se especulativo. O que deveria trazer uma viva transformação para a alma e a psique humana, trouxe um peso a mais e não a solução.


E é neste tempo que chega Jesus trazendo a verdadeira transformação e a graciosa salvação, não somente para a alma ou para psique, mas sim para o ser humano como um todo. Uma salvação que não advinha de esforços ou méritos humanos, mas do amor de Deus, como uma oferta graciosa. Bastava somente o ser humano se auto avaliar, arrepende-se (μετανοια metanoia), pedir perdão e seguir o caminho do amor.


Ou seja, Deus trouxe o amor (αγαπη ágape), o amor vontade que não só era superior a toda filosofia humana como completava toda a lei e toda a vida humana. E com o seu vivo Evangelho Ele ensinou-nos a caminhar neste amor que nos levaria vencer a morte, não somente a morte física (θανατος thanatos), mas a viver uma vida plena aqui e num tempo certo no reino do amor: Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida. (João 5:24).

Aqui entendemos que fé é a firme confiança no amor de Cristo, e está confiança no amor nos levará a praticar o amor, e a prática deste amor nos levará a ter vida na plenitude do amor. Pois aquele que se banha no amor torna-se amoroso, e conhecedor de Deus.


Eis o mais doce convite que Cristo faz a nós todos os dias para que participemos do vivo banquete do amor: Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo. (Apo 3:20). E o custo deste banquete é o amor que dedicamos uns aos outros. Que o amor de Cristo Jesus seja sempre o árbitro de nossos corações.

(Molivars).
Molivars
Enviado por Molivars em 21/09/2019
Código do texto: T6750345
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Molivars
Arujá - São Paulo - Brasil
1399 textos (11609 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/11/19 06:18)
Molivars