Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sofrendo por culpas do passado



Seja o passado passado. Tome-se outra vereda e pronto.
Miguel de Cervantes Saavedra

Digamos que você seja uma pessoa que, desde o início, tenha passado por muito sofrimento inexplicável: sofreu bullying na escola, abuso físico e emocional por parte dos pais e talvez até abuso sexual por parte de uma outra pessoa. Tudo isso faz sentido? Se tentarmos explicar pela lei do karma, faz sim. E é até perfeitamente normal, para muitos que seguem o Espiritismo, dizer que isso é algo que tinha que acontecer. Uma vez, um rapaz até disse que tanto sofrimento tinha que ser por um motivo. Segundo ele, seria para expiar por muita coisa errada que a pessoa que sofre no presente fez no passado em outras vidas e que, embora ela não entenda agora, entenderá quando estiver no mundo espiritual. Isto parece razoável? E do que adianta você estar expiando algo que não lembra de ter feito? Para uma pessoa, ser castigada por uma falta que não recorda de ter cometido, é até injusto. É como uma criança levar palmadas por uma travessura que esqueceu de ter feito. Ela não irá aprender nada. Apenas ficará magoada e talvez até traumatizada, pois, para ela, sofrer tal castigo foi cruel e injusto. Aliás, vale salientar que a psicologia recomenda que se puna uma criança logo pois, se ela só for castigada depois, o castigo será inútil. Do que serve uma vítima de bullying se vingar de um agressor trinta anos depois de ter sido humilhada? O agressor talvez nem lembre do que fez e não terá havido justiça, somente vingança.

Vejamos uma criança que sofre bullying na escola. Ela começa sua vida escolar esperando fazer amigos, aprender e ter uma boa experiência naquele ambiente. O que é, para ela, apanhar, sofrer xingamentos, perseguição e outros tipos de agressões por parte de crianças a quem ela nunca fez mal antes? Ah, pela lei do karma, isso tem uma explicação. Ela fez mal a outras pessoas no passado, talvez há duzentos ou trezentos anos atrás e, agora, tem que sofrer o mesmo que fez outros sofrerem. Se você sofreu ou sofre bullying na escola ou tem algum filho que esteja passando(ou passou) por isso, para você, parece justo que seu filho ou você, que é ou era uma pessoa inocente, tenha tido que passar por isso porque em outra vida humilhou outras pessoas? O que uma criança inocente terá feito em uma encarnação anterior? Foi senhor de escravos, manteve pessoas em cárcere privado? E em que ser humilhado hoje vai aprimorar o caráter de uma pessoa que não recorda de ter humilhado ou maltratado outras no passado?

Uma mulher até disse que, pelo karma, tudo se explica, acrescentando que não pode haver outra razão para que uma criança de poucos meses seja abusada sexualmente. Ela o falou num tom benevolente e é isso que faz a situação soar mais cruel, principalmente quando sabemos que, para um bebê, ser abusado pode ser mortal e, para os pais que amam um filho, saber que ele sofreu tal violência lhes causa uma dor indescritível. Façamos uma hipótese. Imaginemos um menino alegre e traquinas de cinco anos que é abusado por um tio, pai, padrasto ou qualquer outra pessoa. O que essa experiência vai lhe causar? Na hora, ela ficará assustada, magoada e não entenderá. Depois, ficará com sequelas físicas e psicológicas para o resto da vida, porém pelo karma isso é justo, pois ele abusou de alguém (ou várias pessoa) numa outra vida. Como isso soa? Você consegue olhar para essa criança e admitir que, em uma vida passada, ela foi um monstro, um estuprador ou serial killer e que, agora, para purgar todo o mal que fez, precise passar por tanto sofrimento?

Com certeza, você (como qualquer um de nós) já cometeu erros que tiveram consequência desagradáveis em sua vida e se arrependeu. E, se você sente remorsos porque seu erro causou danos a alguém, sabe que o remorso é o pior dos castigos que podemos passar. Nada é pior do que a gente não conseguir se perdoar. Para você, nesta vida, parece justo que outras pessoas fiquem a jogar na sua cara os erros que você cometeu como se você fosse a pior das criaturas? Jogar na cara de uma pessoa erros que ela cometeu é uma atitude bastante mesquinha e insensível, não? Por que uma pessoa tem que passar sua vida inteira pagando? Caso alguém tenha sido ladrão e traficante mas já tenha pagado seus débitos com a justiça e hoje seja uma pessoa honesta, por que ela não pode ser feliz? Entretanto, como funciona essa lei do karma? É como se o universo estivesse jogando na nossa cara nossos erros. Erros dos quais não lembramos. Só que é como se o universo tratasse de não esquecer, tendo anotado todos nossos atos maus e providenciando para que a gente pagasse porque, pelo que falou uma pessoa, a gente não tem como escapar do karma. Isso termina  jogando por terra o argumento do livre arbítrio. Se você não lembra de seus erros, não pode nem mesmo dizer que está sofrendo por escolhas erradas que fez.

Pensemos na memória. Ela é muito importante. Por que, hoje, sei falar tão bem inglês? Porque, além de ter praticado bastante, tenho memória. Graças à memória, eu guardei o vocabulário e regras gramaticais que aprendi. Sem memória, não evoluímos e não aprendemos nem mesmo a ser pessoas melhores. Também consigo digitar 275 palavras por minuto por causa da memória. Quando comecei a praticar digitação, nem sabia a posição das letras no teclado. Mas hoje digito sem olhar porque, devido à memória, fui “depositando” as informações necessárias em arquivos na minha mente. Da mesma forma, a memória nos permite refletir. Se hoje não cometo mais certos erros que cometi quando mais nova é porque, usando minha memória, eu posso refletir sobre a pessoa que eu era, a visão e os conhecimentos que eu tinha e as consequências dos meus atos e minha responsabilidade sobre minhas escolhas. Não se trata de remoer, mas de aprender com o passado. Por que tanta gente reclama que brasileiro tem memória curta ou que as pessoas deveriam aprender História? Porque o passado sempre nos ensina lições. A gente percebe muito bem que as pessoas, por não conhecer bem o passado, podem repetir os mesmos erros dos seus ancestrais. Precisamos da memória para evoluir.

Quem fala do karma, menciona a “bênção do esquecimento”. Mas, para que ela serve? Eu posso ter nascido antes mil vezes, porém agora é como se esta fosse minha primeira vez. Não sei de nada do que fiz antes. Pensemos num criminoso que sofre um acidente e perde a memória. De que lhe servirá ser preso? Ele só se sentirá angustiado porque não sabe o que fez que justifique ter sido sentenciado. Uma pessoa que hoje é maltratada pelos pais de quem esperava receber amor e proteção não conseguirá reparar o mal que fez numa vida passada. Assim, se no passado fui um soldado muito violento e causei mortes horríveis, para mim isso não significa nada. Para mim, como não tenho memórias do que fiz, só tenho o agora, a pessoa que hoje sou. A pessoa que supostamente fui não existe, ficou no passado e não tem nada a me dizer. Sofrer violências no presente não me servirá de nada porque, como não tenho memórias da pessoa que fui, não relacionarei o que houve no passado com o que está me acontecendo no presente como lição para ser uma pessoa melhor e expiar supostas faltas.

Talvez muitos ainda tentem justificar, dizendo que nossos questionamentos não se aprofundam e se baseiam em desconhecimento das leis espirituais. Entretanto, assim como os que acreditam em karma têm suas explicações, os cristãos têm as suas. Cada religião ou doutrina tem suas próprias explicações para o sofrimento humano e os males que nos atingem. Que podemos dizer? Não dá para todas as doutrinas e religiões estarem corretas. A base das suas crenças é contraditória. Tantas crenças divergentes não podem estar corretas e não podemos querer nos apegar ao que parece mais conveniente ao que queremos acreditar. Se algo nos inquieta e leva a querer questionar, é porque há aspectos que precisam ser observados. Não teimemos em acreditar apenas para não sair de nossa zona de conforto.
Maria Cândida Vieira
Enviado por Maria Cândida Vieira em 12/11/2019
Código do texto: T6793287
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Maria Cândida Vieira
Campina Grande - Paraíba - Brasil
2036 textos (103645 leituras)
7 e-livros (276 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/19 07:55)
Maria Cândida Vieira