Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A "DESEDUCAÇÃO" QUE PARECE "EDUCAÇÃO' É INFECTANTE E PODE MATAR!

“A “DESEDUCAÇÃO” QUE PARECE "EDUCAÇÃO” É INFECTANTE E PODE MATAR!

POR VALÉRIA GUERRA REITER


  Curiosamente, já dizia Adam Smith, o pai do Liberalismo: “A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes”. Lembramos que foi uma certa “MÃO INVISÍVEL” (nomenclatura atribuída por Smith) o apêndice superior do MERCADO que pariu o estilo capitalista liberal de conduzir a economia no século das Luzes.

  Observemos o trecho abaixo (tecido) por um dos teóricos co-fundadores da Ciência Econômica: "Os ricos consomem pouco mais do que os pobres e, apesar de seu egoísmo e sua rapacidade natural, embora desejem apenas sua própria conveniência, embora o único fim ao qual destinem as labutas de todos os milhares que empregam seja a gratificação de seus próprios desejos vãos e insaciáveis, eles dividem com os pobres o fruto de todos os seus melhoramentos. São levados por uma mão invisível a fazer quase a mesma distribuição do que é necessário à vida se a terra tivesse sido dividida em porções iguais entre todos os seus habitantes, e assim, sem o pretender, sem o saber, promovem o interesse da sociedade”.

     A fonte de este fragmento acima vem da obra do filósofo: “Teoria dos Sentimentos morais”; claro que sabemos que nas entrelinhas de estas belas palavras descritas acima: a história nos esclarece através de suas estatísticas sobre as baixas populacionais dos "pobres" que nunca ocorreu em detrimento da população rica.

    Pensar educação é pensar conhecimento, e, portanto é pensar em educação holística e para todos , e nunca em fragmentação: Enquanto existirem empresários como Roberto Justus que menciona o número de quinze mil (como irrisórios) de pessoas que venham a fenecer em face dos milhões de brasileiros que poderão sobreviver (por conta da pandemia) de coronavírus: temos um Brasil deseducado.

   A política no Brasil é de eugenia e (na cara dura) escolhe os que devem morrer. E o número de 15.000 para este cidadão; além do instinto de crueza; é dispensável pela Economia. A vida se extingue quando o determinismo deseja e através de sua “Mãozinha" que faz a escolha.

  A biologia de cada ser é ímpar e única, não existe um ser igual ao outro, somos uma sociedade constituída por diversidade. E infelizmente existe uma gama considerável da sociedade que usa o manto da invisibilidade para a tal rapacidade citada no texto do senhor Adam Smith; que até mesmo tentou ser um bom cristão, mas pode não ter conseguido em função de servir ao (outro) deus/mercado.

    Os números não mentem, e temos uma população nacional sendo deseducada nos bancos escolares, do maternal à universidade. A laicidade, a gratuidade, a obrigatoriedade de uma educação de qualidade vem lá dos tempos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, que no ano de 1932 foi redigido por Fernando de Azevedo e assinado por um grupo de intelectuais como  Anísio Teixeira; o mesmo Anísio que pode ter sido assassinado pela Ditadura militar, ao cair de um elevador, em 1971.

    No auge de um governo provisório getulista, este grupo gostaria que a Educação no país primasse por uma base: espontânea, alegre e fecunda e embasada por  uma lógica psicológica; bem diferente de como fora antes.

     Vivemos lutando por uma Escola pública de verdade; igualitária e criativa, que nasça da epistemologia, e nunca de interesses políticos partidários de cunho populista.

      Os últimos acontecimentos comprovam que a Educação ainda é bancária, e tradicionalmente repressora e ineficaz: existem pessoas tomando cloroquina e morrendo após seu gestor maior ter aconselhado tal procedimento para eliminar os sintomas do coronavírus; tipo de virose que oficialmente não possui cura.

      Se a nossa educação fosse proficiente, não se tornando em DESEDUCAÇÃO ao longo dos séculos de história brasileira: não teríamos Homens/ilhas multimilionários encantando milhares de fãs: ao cantar desafinadamente ou com as nádegas; ou atores (ou atrizes) demonizando as artes cênicas com uma ineficiência de atuação ímpar.

    Se tivéssemos EDUCAÇÃO DE VERDADE, (aquela sonhada) pelo Darcy Ribeiro, Paulo Freire, e outros, como por mim também; não veríamos esta postura nazista que discrimina homens e mulheres mais experientes frente à contaminação e morte pelo vírus em voga.

     O "ageísmo" também é oriundo da DESEDUCAÇÃO e empurra ladeira abaixo seus avós, tios, pais, mães e outros entes em função do que aquela MÃO INVISÍVEL do Mercado ávido por lucro deseja.

  Muitos brasileiros irão morrer por falta de leitos, respiradores e por falta de uma política de prevenção diante de esta PANDEMIA; que pode ter sido “plantada” por alguma POTÊNCIA mundial; e o pior, eles irão morrer sem nunca terem lido Adam Smith…

#LEIABRAZILEVIREBRASIL

     
   
 
Valéria Guerra
Enviado por Valéria Guerra em 26/03/2020
Código do texto: T6898198
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Valéria Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
3501 textos (125554 leituras)
196 áudios (9337 audições)
3 e-livros (204 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/04/20 07:49)
Valéria Guerra