Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 
                   Sobre o ofício de historiador
 
 
      Tendo em mente que a dúvida é o ponto de partida para a busca do conhecimento. O historiador atento sabe que o processo de uma construção historiográfica perpassa inevitavelmente por labirintos de incertezas, questionamentos, ambigüidades, paradoxos que circundam o pesquisador em seu complexo e muitas vezes solitário oficio.  No caso da pesquisa histórica, o confronto com o documento é acompanhado de todo o espectro de mistérios vinculados às idéias do tempo presente. O historiador deve lembrar-se de que toda fonte histórica está sob a influência direta de quem a produziu, sendo assim, o produto final de sua pesquisa terá sempre um vínculo com o presente e com interesses relacionados ao pesquisador. Não existe a pesquisa histórica na qual o historiador se anula completamente como imaginavam e desejavam os positivistas no século XIX.
       Devemos sempre que formos realizar uma pesquisa com levantamento de fontes primárias - aquelas fontes diretas, e não as interpretações destas - termos em mente as circunstâncias em que estas foram produzidas, sua época, sua especificidade, sua função quando produzida e quem produziu e com que intenção. Levando isto em consideração, o pesquisador está apto a estudar tais fontes de uma forma menos superficial e mais crítica, podendo aprofundar-se no estudo das formas circunstanciais e indiretas muitas vezes ignoradas a primeira vista, mas, com as quais vários documentos do cotidiano na época analisada foram preenchidos.      
       O historiador cuja pretensão seja recolher todas as provas possíveis de todos os fatos que poderiam ser de interesse para a sua pesquisa, corre serio risco de se perder num infindável quebra cabeça.   A ilusão de que a quantidade de dados são a garantia de que a sua parcela de invenção encontra-se apoiada em dados que poderiam comprovar a ocorrência real do que descreve deve ser evitada. Talvez se concentrarmos nossas buscas mais na periferia do passado poderíamos descortinar acontecimentos que se apresentassem no seu desenrolar original.
       Refletir sobre o discurso por meio do qual tempo e história se revestem de inteligibilidade requer por parte do aprendiz de historiador um mergulho profundo e incessante nos textos produzidos pelos grandes autores da historiografia.  Desde Homero, Tucídides e Heródoto passando pelos metódicos no século XIX, pelos marxistas influenciados pela obra de Marx e Engels, pela escola dos Annales fundada em 1929 tendo como principais mentores  Marc Bloch e Lucian Febvre e ainda Braudel, Lee Goff, Certeau, Foucault e tantos outros igualmente indispensáveis para uma boa formação intelectual de um historiador.
       Todavia, existem ainda infinitas historias a se contar. E é possível que por mais que as criamos ou recriamos o resultado não nos traga convicções. O peso do presente nas definições das formas a partir das quais o passado será interrogado, nos leva a crer, que a História e o historiador são objetos cujas transformações e mutações revelam uma inevitável imprevisibilidade tornando impossível de se adivinhar um futuro para o historiador e a historiografia.
 
 
ULISSES de ABREU
Enviado por ULISSES de ABREU em 18/06/2008
Reeditado em 18/06/2008
Código do texto: T1040642

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite nome do autor e endereço para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ULISSES de ABREU
Viçosa - Minas Gerais - Brasil
608 textos (208902 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/19 22:28)
ULISSES de ABREU