Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um dia na África: minha passagem pela África do Sul 2001

Em um momento em que as atenções e voltam para o país-sede da Copa do Mundo de Futebol 2010, não consigo deixar de lembrar o quanto foi traumática minha (curta) estadia por lá.

Passei por Johannesburg em minha ida à Australia, quando a volta no sentido horário "menor" (RJ-SP-Johannesburg-Sydney, via South African Airlines/Qantas) saia muito mais barato que a volta no sentido anti-horário (RJ-SP-Santiagou ou Buenos Aires-Sydney, via Qantas) ou a big volta com que cheguei a sonhar (RJ-SP-LOndres-Bangkok-Sydney).

Na ida, passei algumas horas no free-shop, onde aprendi que por lé, sempre se perde. Pagamento em dólares? Sempre com um "ágio" tendencioso, em que 70 cents viravam logo 1 dólar na conversão para rads. Então fui à lojinha trocar dinheiro, pois comecei a me sentir roubado... Ledo engano: piores eram as taxas cobradas pela conversão, absurdamente maiores que as cobradas na Europa, Brasil ou Australia. Só aprenderia na volta: plastic money até para o cafezinho, hehehe...

E a volta. Humpf! Como eu teria umas trinta horas para passar na cidade, decidi ir direto ao ponto, acomodar-me no hotel que a South African Airlines providenciaria, largar as coisas por lá e bater perna no centro (sábado à tarde), para depois esticar na boemia famosa de Soweto. Não cheguei à cidade.

Para começo de história assim que sai da area reservada do aeroporto, "entrando" no país, senti-me na própria Rodoviária Novo Rio de anos atrás: fui cercado por uma multidão de pessoas de todas as cidades, que tentavam - todas, ao mesmo tempo! - me vender alguma coisa. "Want to carry your bags, pal?", "Want some fruits?" "Do you want some sex? Girls? Boys? Whitties or niggers?", and so on, enquanto eram oferecidos ainda speed, pot, hash, cocaine e outras finuras. Confesso que temi por minha vida enquanto esperava um elevador que me levaria até a loja externa da SAA, onde receberia meu voucher e transporte até o hotel.

Coisa que também nunca aconteceu, pois a SAA "esqueceu-se" de ativar o tal voucher, ou seja, eu não tinha onde dormir.

Peregrinei por uma boa meia dúzia de guichês da companhia aérea, onde fui tratado ora com uma condescendencia irônica que além de nada resolver me pareceu prazerosa para os funcionários, ora com desrespeito puro e simples. Só fui tratado como gente quando - concidência? - cheguei em um guichê onde não havia negros, e uma lourinha com sobrenome inglês me salvou (chamou um taxi, reservou um hotel - que EU paguei - por telefone, levou-me até a van). Rezo sempre por ela.

Ao chegar na van, então, um brutamontes retirou a maior mala que eu levava da minha mão e "perguntou" se eu queria que ele a colocasse no furgão. Eu, idiotamente, aquiesci, ao que passei a ser ameaçado pelo cara - "Ten dollars, man, I told you ten dollars!", em contraposição aos meus tímidos apelos de "That's a huge amount of money for doing that crap, man!" - que, óbvio, levou-me o dinheiro sob o olhar de cachorro em popa de canoa do funcionário do hotel onde eu ficaria hospedado.

"It is better not to fight with anyone 'round here, man!", dizia-me o motorista quando saímos dali. "They are all official carriers!"

Não foi a toa que, depois de 6 (!) horas de pânico e desrespeito no aeroporto eu abortei todos os meus planos de passear na cidade, peguei um filme, tranquei-me no quarto (após jantar no próprio hotel, que não era de todo ruim) e só sai de lá para voltar ao Brasil na manhã seguinte.

Na viagem o fato hilário: vim conversando animadamente por horas com um rapaz sentado ao meu lado, negro, bem vestido, que depois descobri ser médico como eu, e angolano. Mandei logo um "Puta que pariu, cara, e por que é que a gente está gastando o inglês?" que garantiu boas risadas (em português) por algumas horas. Ele me achou com cara de holandês, nunca imaginaria que eu era brasileiro, hehehe... Foi este cara quem me contou que os outros negros africanos detestam a arrogância e a malandragem dos negros sul-africanos, que, segundo ele, tornaram-se intratáveis depois do fim do apartheid. Descreveu até uma palavra pejorativa que descrevia o tal "jeitinho" deles...

"Botamos os brancos para correr", dizem eles, "Agora quem manda somos nós!", demonstrando que o racismo e o ódio estão ainda longe de acabar.

E para voce que vai viajar, então, que fique a dica. É politicamente incorreta, eu sei, mas por isso mesmo relevante: nenhum jornal ou revista vai lhe dizer isto, mas cuidado com a África do Sul.

Tags: vida moderna, viagens, futebol, copa, australia, africa
Renato van Wilpe Bach
Enviado por Renato van Wilpe Bach em 21/06/2009
Código do texto: T1659659

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Renato van Wilpe Bach
Ponta Grossa - Paraná - Brasil
94 textos (21185 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/05/21 14:16)
Renato van Wilpe Bach