Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Em 9 de julho de 1932, a Federação Espírita Brasileira lançava o primeiro livro mediúnico intitulado PARNASO DE ALÉM TÚMULO, psicografado pelo médium pedroleopoldinense Francisco Cândido Xavier (1910-2002).

As poesias publicadas na 1ª. edição de PARNASO foram psicografadas por Chico Xavier durante o ano de 1931; o jovem estava, pois, com 21 anos de idade e era caixeiro, das 7 horas da manhã às 8 horas da noite,  de um pequeno armazém, em Pedro Leopoldo e de propriedade do senhor José Felizardo Sobrinho.

Uma das atividades de Chico Xavier no armazém era, à tardinha, aguar uma plantação de alho atrás do armazém: nesses momentos de molhar canteiro de alhos, apareciam-lhe espíritos poetas e com ele conversavam. Entre estes, apareceu-lhe Augusto dos Anjos ditando-lhe suas poesias.

A 1ª. edição do livro contava com 14 poetas (desencarnados), 60 poesias e 156 páginas: nessa edição constava, entre outros, um soneto do poeta e advogado paraibano AUGUSTO de Carvalho Rodrigues DOS ANJOS (Espírito), intitulado NÚMERO INFINITO.
 
O soneto NÚMERO INFINITO esteve presente até a 5ª. edição de PARNASO (lançada em 1945); a partir da 6ª. edição (em 1955) foi retirado. Eis porque reproduzo NÚMERO INFINITO, de autoria de Augusto dos Anjos (1884-1914) e psicografado por Chico Xavier, considerando que muitos (no século XXI) desconhecem tal soneto psicografado.
 
"Sístoles e diástoles derradeiras
No hirto peito, rígido e gelado;
E eu via o Último Número extenuado,
Estertorando sobre as montureiras.
 
Interregno, escuridão, ânsia e inferneiras;
Depois o ar, o oxigênio eterizado,
E depois do oxigênio o ilimitado,
Resplendente clarão de horas primeiras.
 
Busquei a última visão das vistas foscas,
O Derradeiro Número entre as moscas,
À camada telúrica adstrito;
 
E eu, vítima dútil da desgraça,
Vi que cada minuto que se passa
É nova luz do Número Infinito.
"
 
O primeiro poema de Augusto dos Anjos (Espírito), pela mediunidade de Chico Xavier, é uma resposta dele mesmo ao seu último poema escrito momentos antes de sua morte por pneumonia (e não tuberculose), às quatro horas da madrugada do dia 12 de novembro de 1914: O Último Número.

"Hora da minha morte. Hirta, ao meu lado,
A Idéia estertorava-se... No fundo
Do meu entendimento moribundo
Jazia o Último Número cansado.

Era de vê-lo, ímóvel, resignado,
Tragicamente de si mesmo oriundo,
Fora da sucessão, estranho ao mundo,
Com o reflexo fúnebre do Incriado:

Bradei: - Que fazes ainda no meu crânio?
E o Último Número, atro e subterrâneo,
Parecia dizer-me: "É tarde, amigo!"

Pois que a minha antogênica Grandeza
Nunca vibrou em tua língua presa,
Não te abandono mais! Morro contigo!"

 
________________
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA:
-GAMA, Ramiro. Lindos casos de Chico Xavier. 19. ed. São Paulo: LAKE.. 2000; p.17
-JACINTHO, Roque. Chico Xavier: 40 anos no mundo da mediunidade. São Paulo: Luz no Lar. 1967; p.209
-RAMOS, Clóvis. 50 Anos de Parnaso. Rio de Janeiro: FEB. 1981; p.90
-RANIERI, Rafael Américo. Chico Xavier e os grandes gênios. São Paulo: LAKE.. 1973; p.46

Carlos Fernandes
Enviado por Carlos Fernandes em 25/09/2009
Código do texto: T1831719
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Carlos Fernandes
São Mateus - Espírito Santo - Brasil
324 textos (1760070 leituras)
5 e-livros (11253 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/18 20:36)
Carlos Fernandes

Site do Escritor