Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

22 de Março - Dia Mundial da Água




A situação do abastecimento de água no mundo é preocupante. Mais de um bilhão de pessoas não têm acesso a ela; dois bilhões e 400 milhões de pessoas não dispõem de saneamento, com projeções alarmantes para 2025 quando bilhões de seres humanos sofrerão sérias conseqüências por sua escassez.

O Brasil, que possui 14 % da água doce existente no mundo, tem muito que fazer para cuidar deste bem valioso e finito, pois cuidar da água significa cuidar da vida do homem na Terra.

Este é um assunto de muita importância e os políticos por ele resvalam, como no caso da educação, talvez por estarem intimamente ligados às liberdades individuais. A água é estratégica, ligada à soberania, à economia e à saúde, embora não dê votos, sendo esquecida pelos políticos.

O cuidado com a água reflete educação e desenvolvimento, coisa também escassa por aqui. Não há consciência sobre a importância do uso racional e a necessidade de proteção dos rios e das águas subterrâneas através do adequado afastamento e tratamento do esgoto doméstico e industrial.

E não são apenas os políticos que só pensam no voto os que fogem do assunto; a imprensa também, e quase toda a população que poderia adotar eficientes medidas em suas residências através do consumo inteligente que economiza e reusa.

  Para muitos políticos interessa o voto das massas que se amontoam em assentamentos irregulares - muitas vezes promovidos por eles próprios – onde crianças convivem com água contaminada, adquirindo graves doenças invisíveis que as levarão ao sofrimento e à morte. Mais de três mil crianças morrem diariamente no mundo em decorrência de doenças que provêm da água contaminada. No Brasil, 80% dos esgotos não são tratados sendo jogados “in natura” nos corpos de água contaminando o que será consumido por pessoas que adoecerão agravando o enorme passivo previdenciário. E o investimento dos governos é pífio. O País não tem os recursos necessários para enfrentar o passivo em saneamento, e há políticos contrários aos investimentos da iniciativa privada nessa área. Segundo a Organização Mundial de Saúde, cada dólar investido em saneamento básico significa uma redução de quatro a cinco dólares nas despesas hospitalares.

Sessenta por cento do consumo destinam-se à irrigação na agricultura que aqui é feita precariamente, com uma tecnologia medieval de inundação por falta de informação e financiamento. Boas técnicas e bons projetos poderiam reduzir este consumo pela metade, liberando grande quantidade para o humano nas cidades onde vivem oitenta por cento da população.

É necessária uma profunda mudança no entendimento e nas iniciativas da sociedade para encarar o sério problema da água que já estamos enfrentando e poderá se agravar muito, mesmo em nosso País, tão bem servido por este bem impagável, mas onde ainda persiste a falsa cultura da abundância e do desperdício. No Brasil, as perdas de água tratada nas tubulações variam de 40% a 60%, quando deveriam variar de 5% a15%, como nos países desenvolvidos, por falta de investimento do poder público que tem orçamento restrito.

Cuidar da água é cuidar da Natureza, da vida na Terra e do ser humano.

Como muito bem escreveu Guimarães Rosa, “a água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade: só tem valor quando acaba”.


Nagib Anderáos Neto
www.nagibanderaos.com.br

Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 19/03/2010
Código do texto: T2147113

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Nagib Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
397 textos (96505 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/10/19 21:40)
Nagib Anderáos Neto