Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

História de Chapecó: Dos primeiros povoadores à delimitação do território

São diversas as hipóteses relacionadas à origem e ao significado do nome do município. Durante muito tempo, a suposição mais difundida apontava "Chapecó" como sendo vocábulo de origem Kaingang, que significaria "Donde se avista o Caminho da Roça". No entanto, pesquisas recentes tendem a atribuir origem tupi-guarani ao termo, com o significado de "Meu Caminho de Ida". Esta seria uma referência ao antigo Caminho de Tropas que cruzava a região em direção às missões rio-grandenses.

À parte a ocupação do território por povos indígenas - sobretudo kaingangs e em menor proporção guaranis - desde tempos imemoriais, acredita-se que os primeiros exploradores a percorrer o oeste catarinense tenham sido bandeirantes paulistas, ainda no século XVII. Há, entretanto, historiadores que sugerem que a região já teria sido pisada por homens brancos em meados do século XVI. De qualquer forma, pode-se afirmar que o território que atualmente compõe o oeste de Santa Catarina foi pouquíssimo explorado até pelo menos o início do século XIX.

A partir de então, em função de uma frente agro-pastoril vinda do norte, a região passa gradativamente a ser ocupada por criadores de gado. Tal fato está relacionado com a descoberta, por volta de 1839, dos chamados "Campos de Palmas", os quais vinham sendo procurados havia tempo por fazendeiros que já tinham ocupado os campos de Guarapuava. Dessa forma, graças à demanda dos pecuaristas guarapuavanos por novas áreas de pastagem, grandes porções do atual oeste catarinense começaram a ser ocupadas por fazendas de criação.

Com a expansão das atividades pecuárias, surge a ideia de abrir-se uma estrada - ou caminho de tropas - que ligasse os Campos de Palmas à região missioneira do Rio Grande do Sul, a fim de viabilizar uma nova rota de tropeiros no sul do País. A abertura desta estrada - que ficou conhecida como "Caminho das Missões" - deu-se por volta de 1845, e para tanto foi decisiva a atuação do Índio Condá. Cacique kaingang de grande ascendência sobre os índios da região, Condá, que relacionava-se bem com os novos povoadores brancos, concordou em apaziguar os indígenas que habitavam os lugares por onde passaria a futura estrada de tropas.

O "Caminho das Missões", logo após ter sido aberto, passou a receber um grande fluxo de tropeiros. Esta nova rota lhes era vantajosa porque encurtava consideravelmente o trajeto entre o sul do Brasil e as feiras de gado de São Paulo. Além disso, passando por ali as tropas escapavam dos tributos devidos à Província de Santa Catarina, caso utilizassem o antigo "Caminho de Viamão", que passava por Lages (até essa época, a região que atualmente faz parte do oeste catarinense pertencia à Província de São Paulo).

O intenso fluxo de tropeiros que passou a existir na região foi responsável pelo aparecimento dos primeiros núcleos de povoamento, que surgiram nos locais de pouso e descanso das tropas. A cidade de Chapecó, de fato, desenvolveu-se a partir de um desses peculiares agrupamentos populacionais. Percebe-se, dessa forma, a importância do tropeirismo para a economia regional na segunda metade do século XIX. Concomitantemente, passou a ser relevante a atividade extrativista de erva-mate na região.

AS QUESTÕES DE LIMITES E A COLÔNIA MILITAR:

O território do oeste catarinense foi motivo de diversas disputas por sua posse. Primeiramente, entre Espanha e Portugal. Depois, tornou-se questão de litígio entre Argentina e Brasil. Foi por isso que, em 1859, por meio de Decreto Imperial, foi criada a Colônia Militar de Chapecó, a fim de assegurar a soberania brasileira sobre a região. A Colônia, entretanto, só foi instalada de fato mais de vinte anos depois, em 1882. Apesar do nome, localizava-se em área atualmente pertencente ao município de Xanxerê, e era comandada por José Bernardino Bormann, futuro Marechal do Exército Brasileiro. A ele cabia a função de organizar a Colônia Militar, além de conceder títulos de propriedade a colonos que se instalassem nos arredores da mesma.

Tais iniciativas foram importantes para assegurar a posse brasileira da região, que ocorreria de forma definitiva apenas em 1895. Neste ano, por meio de um processo de Arbitragem Internacional, que teve como árbitro o então presidente norte-americano Grover Cleveland, a questão foi decidida favoravelmente ao Brasil.

Surgia, porém, uma nova disputa, agora de caráter interno, entre os Estados do Paraná e de Santa Catarina: A questão do Contestado. Esta só viria ser revolvida com o fim do conflito - Guerra do Contestado -, que deflagrou-se na região entre 1912 e 1916. Assim, em 1917, o Estado de Santa Catarina cria quatro novos municípios no território que lhe coube da área anteriormente disputada, a fim de garantir a posse barriga-verde da região. São criados, então, os municípios de Mafra, Porto União, Cruzeiro (atual Joaçaba) e Chapecó. Nessa época, o recém criado município de Chapecó abrangia todo o grande oeste catarinense.

Só então, a partir da delimitação do território e da criação do município, entram em cena as Companhias Colonizadoras - dentre as quais a de Ernesto Bertaso -, que haveriam de promover a colonização sistemática da região por meio do estabelecimento de colonos, em geral de origem italiana e alemã, vindos do Rio Grande do Sul.
Glauco Paludo Gazoni
Enviado por Glauco Paludo Gazoni em 30/06/2012
Reeditado em 25/08/2017
Código do texto: T3752988
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Glauco Paludo Gazoni
Chapecó - Santa Catarina - Brasil, 33 anos
136 textos (21840 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/19 16:36)
Glauco Paludo Gazoni