Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Educar para quê?


“Não há saber mais ou saber menos. Há saberes diferentes”, constatou Paulo Freire já nos primeiros olhares lançados para um novo educar: Educar para a vida. Formar para a vida é o grande desafio. O dever de ensinar é um imperativo do Estado, da família, da religião e de todos aqueles que se preocupam com um mundo melhor, com um futuro melhor. Tudo passa pela educação, nada é feito sem a educação, não há objetivos sem a educação.
Desde os primeiros passos da civilização, o pedagogo não era aquele que dava o conhecimento, mas que conduzia a ele, que direcionava, ajudava nos primeiros passos. Passos esses que podem levar por diversos caminhos e vocações: advogado, médico, engenheiro, professor, artista, músico, dentista, militar... Não importa o que, mas como, e o “como” passa pelo educar, passa pelo educador. Educar é base, é o alicerce e não um adereço. A educação sem compromisso com a vida é criminosa, a educação que não se propõe à diversidade e às diferenças é violenta, a educação que não acolhe é excludente, e a exclusão é desumana.
O jovem é o futuro do amanhã, é o amanhã acontecendo, se formando. Ele precisa ser conduzido, preparado. Para isso há muitos métodos e teorias, muitas técnicas e sistemas, mas que não atingem lugar algum se não bem aplicados, se não comprometidos com a vida. A teoria é vazia e a ação é hipócrita se não há o conhecimento das causas maiores e das reais necessidades.
Na escola da vida há muitas salas e muitos mestres, muitas portas e muitos diplomas. As drogas estão no currículo de muitos dos nossos jovens, o diploma do crime quer números e os obtém a cada dia mais. Para a verdadeira educação não importa números, mas êxito e qualidade. Formar profissionais só é possível se formarmos cidadãos, que conheçam o valor da ética e do respeito, da competição saudável e dos direitos humanos. O tempo perdido pode significar vidas perdidas, jovens perdidos e pessoas esquecidas. O compromisso é das famílias, é dos governos, é do professor. As famílias não podem se furtar da educação dos seus filhos. A família é a primeira educadora e deve assumir a cada dia sua responsabilidade. Os governos devem cumprir o seu papel e perceber que qualidade depende de boa vontade e valorização de seus profissionais, de investimento e capacitação dos professores, de prioridades a serem assumidas nas campanhas e também nos mandatos. O professor deve encarnar seu papel com amor, compromisso e fidelidade, renovando seus métodos se preciso, criando novas formas de fazer ensino e considerando as diferenças, acima de tudo.
Não é só a escola que forma pessoas. O conhecimento é lançado por diversos canais e veículos: a televisão, a internet, a moda, a religião, as mídias. Tudo é apreendido e tudo tem suas conseqüências, seus resultados, positivos ou negativos. Nem todos têm compromisso com a vida e com o a formação de um cidadão, nem todos buscam valores saudáveis e construtivos, muitos são destrutivos e inconseqüentes, muitos querem lucrar, mesmo que irresponsavelmente. Os jovens estão sendo roubados, as vidas estão sendo assassinadas e os valores pisoteados pelas causas criminosas. Em contrapartida ao relativismo niilista dos quais estamos sujeitos, há o trabalho missionário de resgatar os valores maiores, que passa pelas etapas irreversíveis da infância e da adolescência.

O desafio maior

O desafio maior é como educar. Educar é vocação. Educar é exigente. Educar é amar. Não é fácil educar, é muitas vezes desgastante, angustiante, desmotivador. Toda educação passa ela dificuldade, e muitas delas nós já conhecemos, está na mídia quase que constantemente: violência, drogas, indisciplina, sexo, falta de recursos. Lamentavelmente os problemas são reais e não há como fechar os olhos como se não existissem. Devem ser assumidos, pautados, e principalmente, sanados. Nada se resolve com discursos ou com mágica, mas com trabalho coletivo, mas com papéis assumidos. Os frutos compensam, com certeza. Dizia Aristóteles: “A EDUCAÇÃO TEM RAÍZES AMARGAS, MAS SEUS FRUTOS SÃO DOCES”.

TIAGO CASADDO
Enviado por TIAGO CASADDO em 14/10/2007
Código do texto: T694333

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
TIAGO CASADDO
Adamantina - São Paulo - Brasil
14 textos (2415 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 09:22)
TIAGO CASADDO