Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ENSINANDO A LÍNGUA HERDADA?

Parece insuficiente centrar a questão do ensino-aprendizagem da língua, como se vem fazendo, tomando por base metodológica apenas o texto escrito, seja em livros, jornais, revistas, e-livros.

A oralidade não é devidamente prestigiada nas salas de aula, onde as normas disciplinares exigem que os alunos fiquem calados. Cômico e trágico.

O mundo moderno, globalizado e prenhe de novas tecnologias é uma realidade inevitável. Dentro dessa realidade a língua se movimenta, acompanha a evolução sócio-histórica e se inclina naturalmente para um desempenho verdadeiramente global. Todos querem ouvidos/escutados e lidos por seus semelhantes, estejam onde estiverem

O sensível desenvolvimento das comunicações e o célere progresso tecnológico promovem alterações na forma de falar, de ouvir e entender, e de escrever. A caneta e o lápis não foram substituídos, apenas acompanharam a evolução e aparecem em alto estilo, produzidas para o mundo de agora.

A língua falada se renova, não quer perder para a caneta. Conservadores julgam haver um empobrecimento, tanto da fala quanto da escrita. Por que não pensamos que a língua escrita também não quer ficar fora-de-moda? A língua não é afeita à cristalizações e a sua dinâmica merece respeito, pesquisa e seriedade. Por que haverá tanto empenho e arte em dominar a língua?

E, então, que métodos e técnicas utilizar para aprender e ensinar a língua ?
E, então, devemos aprender a língua tal qual a herdamos, ou a que verdadeiramente exercitamos?
Estou perguntando por perguntar, mas é claro que a resposta é que devemos ser verdadeiros e atuais, identificados com o nosso momento.

O perfil de um sujeito moderno requer que fale a língua dos homens com os quais convive, todos, do globo. Portanto, não tem mais lógica perseguir palavras estrangeiras porque nada é estrangeiro. Somos todos daqui, da bola terrestre. A casa é nossa. Assim como a criatura da "Era de Saturno" não consegue mais imaginar o mundo sem o telefone,sem o avião, sem a internet, não consegue agrupar-se falando e escrevendo uma forma de língua da Era do Império Romano ou da Era
das Grandes Navegações.

Não adianta fingir-se de morto para a Pós-Modernidade. Ou se aprende a olhar de frente para o novo ou se estará tentando uma espécie de suicídio.

Uma metodologia específica do trabalho com a língua portuguesa para o alcance de novas formas de expressão do e no mundo pós-moderno e globalizado passa obrigatoriamente pela sensibilidade não só de fazer a leitura de tal mundo, mas de com ele conversar e interagir.

*************************************************
São do poeta sergipano Mário Jorge Menezes Vieira (falecido em 1973)  as seguintes e contundentes afirmações:

"A civilização urbano-industrial colocou o Homem impotente face à velocidade e violência do instante que o esmaga, dilacera e desafia. Colocou o frágil diante de sua pequenez, nu frente à sua condição de coisa entre coisas, afogado na sua própria criação, a tecnologia."

"A transformação por que passamos é radical e total, um homem novo, de características inimagináveis vem surgindo. É preciso preparar-se para recebê-lo, é urgente abrir a picada para o seu caminho. A arte é uma das possíveis armas com que se conta para este empreendimento (assim como apolítica, a ciência, a tecnologia)."

"É reacionário e romântico ver na tecnologia o grande mal da humanidade. A técnica em si é nada, seu uso é que determina seu conteúdo. Colocá-la a serviço da exploração, da desumanização, da destruição, é que determina a sua periculosiddade. E este uso é político."

TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 18/11/2007
Reeditado em 19/11/2007
Código do texto: T742225
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1684 textos (177237 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 04:39)
TÂNIAMENESES