Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
Carona à garota perdida
Publicado por: Laura Lucy Dias
Data: 16/09/2016
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Carona à garota perdida, escrito e lido por Laura Lucy Dias, conto de Obra Perturbadora.
Trilha:
Ghost Story de Kevin MacLeod está licenciada sob uma licença Creative Commons Attribution (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/)
Origem: http://incompetech.com/music/royalty-free/index.html?isrc=USUAN1300034
Artista: http://incompetech.com/

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Texto

Carona à garota perdida

20/8/2016
Lúcia acordou naquela noite à beira da estrada, estava bastante frio e não sabia para onde deveria se encaminhar, fazia tanto tempo que ela caminhava a ermo, procurando alguém para salvá-la. Estava tudo muito silencioso, era possível distinguir sons de corujas na mata, assim como ouvir claramente seu coração que vinha em um compasso perfeito.
Lúcia resolveu caminhas bem no meio da estrada, seguindo as faixas contínuas que se desenhavam pela frente, escolheu a direita para seguir. A luz era apenas a da lua, lembrava-lhe as estradas interioranas que lhe serviram de caminho nas viagens com seus pais para visitar os avôs, dava para ver a pouca distância à frente e como estava frio, havia uma espécie de neblina que encobria o caminho futuro, o que lhe dava um medo agudo. De repente uma ponta de luz se deu em meio a neblina e foi crescendo de encontro à menina, que parou para esperar. Logo o som do motor do carro e da música que tocava alcançaram seus ouvidos.
O carro preto e cumprido parou e a motorista abriu a janela:
- Achei que fosse uma assombração! O que faz sozinha a esta hora? Quer uma carona?
- Sim, eu quero! Eu estou perdida.
- Sobe aí.
A motorista era uma mulher incomum, muito pálida, mas era uma mulher negra, bonita e muito alta. Tinha o cabelo rebelde e pintado de violeta, tinha piercings, tatuagens e usava roupas prestas com spikes espalhados. O som alto foi amenizado para que pudessem conversar:
- Eu sou Care, Care Onte, e você?
- Meu nome é Lúcia. Obrigada por me dar uma carona.
Care virou o carro de volta à neblina, no sentido em que Lúcia iniciara a sua caminhada naquela noite.
- Como você se perdeu?
- Eu não sei, faz muito tempo que estou perdida, estou tentando voltar para casa.
- Dá para ver essa sua roupa é muito estranha, e está bem sujinha não acha? Vou levar você para um lugar onde possa se lavar e possamos procurar um bom lugar para você, pois há muito é esperada.
Lúcia assentiu com a cabeça, o que podia fazer? Lembrava-se de algumas coisas, mas nem todas, nem mesmo sabia como vinha parar aqui sem seus pais, achava que poderia ter sido um acidente de carro, tinha medo de que seus pais estivessem mortos. Durante o caminho as músicas que tocavam naquele carro só arrepiavam Lúcia, Care não era de conversar e por isso não sabia se queria conversar também.
- Sabe, não costumo dar carona assim, eu costumo transportar pessoas, mas sempre há um preço, mas você não deve ter nem uma moeda aí, não é mesmo? – Care riu descontroladamente, parecia muito feliz, mas não parecia uma pessoa normal feliz.
Chegaram à beira de um rio, onde uma ponte ligava a beira do outro lado, muito longe. Lúcia dormiu e não sabia quanto tempo, quando Care a acordou e disse:
- Vem conhecer o meu bichinho de estimação. – E assobiou chamando, como se fosse um cão, mas... não era um cão normal, ele era gigantesco e ele tinha três cabeças. – Não se preocupe Lúcia, ele só morde se você tentar fugir daí de dentro. – Alertou Care enquanto agarrava a garota para levar pelo portão escuro que havia atrás do cão.

Sinopse do livro Obra perturbadora
“Sempre do ponto de vista de crianças, suas protagonistas, os contos da Obra Perturbadora pretendem mexer com seu leitor, trazendo experiências de leitura com finais abertos e incongruências propositais, que podem até parecer em primeiro momento uma falha da autora, porém, o resultado no leitor é, em geral, atingido e previsto durante a produção deles.
Prepare-se para sentir estranheza, insegurança, suspense, violência, e principalmente a expectativa que traz a melhor sensação do suspense. A autora busca em alguns contos contextualizar o seu leitor para depois apresentar um desfecho incongruente ou violento, ou de uma forma muito distinta não contextualiza o leitor e dá toda a situação ocorrida e o que se espera é que a experiência do leitor trabalhe com as questões que surgem, de forma a trazer a tona a própria personalidade do leitor, seja instigando-o a buscar respostas que não terá, a se revoltar com a falta de informação desejada ou a lidar com o prazer da sensação atingida na leitura. Que tipo de leitor é você? Um detetive, que quanto mais instigado mais busca saber? Um frustrado que para a leitura por não aceitar o jogo da autora? Um imaginativo que complementa as histórias com as possibilidades e se delicia seja com o contexto que lhe é cobrado ou com o desfecho que é incongruente?
Descubra-se lendo a Obra Perturbadora, contos curtos e rápido de terror e suspense que trazem desde os mais clássicos terrores psicológicos até os mais modernos, influenciados pelo Edgar Alan Poe, Stephen King, Lovercraft, entre outro e o cinema do século XX e XXI.”
http://inquietacoesdelauralucy.blogspot.com.br/search/label/Obra%20Perturbadora
Laura Lucy Dias
Enviado por Laura Lucy Dias em 20/08/2016
Reeditado em 24/01/2017
Código do texto: T5734286
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Laura Lucy Dias
São Paulo - São Paulo - Brasil, 37 anos
87 textos (3526 leituras)
10 áudios (559 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/19 08:05)
Laura Lucy Dias
Rádio Poética