Deus Requer Santificação aos Cristãos 57

Publicado por: Silvio Dutra
Data: 04/03/2022
Classificação de conteúdo: seguro

Créditos

Texto: Silvio Dutra
Voz: Silvio Dutra

 

"Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura." [Hb 10: 19-22]

 

Devemos pensar nas coisas eternas de modo a colocá-las continuamente na balança contra todos os sofrimentos desta vida. 

O grande agravante dos sofrimentos é sua longa permanência, sem qualquer aparência racional ou esperança de alívio. Muitos que entraram em sofrimentos com muita coragem e resolução ficaram cansados, e esgotados com sua continuidade.

O próprio Elias foi reduzido a orar para que Deus tirasse sua vida, para pôr fim ao seu ministério e calamidades. [1 Rs 19: 4]

Por isso, não poucos em todas as épocas ficaram muito quebrantados em seus espíritos naturais, e tão abalados no exercício da fé que perderam a glória de sua confissão, buscando libertação por meio de obediências pecaminosas na negação da verdade.

Embora isso possa ser feito por mero cansaço (como é o projeto de Satanás para “desgastar os santos do Altíssimo” [Dn 7: 25]), com relutância mental e um amor pela verdade permanecendo em seus corações, mas constantemente tem um, de dois efeitos que alguns, pela avassaladora tristeza que se abate sobre eles, por causa de seu fracasso na profissão, e um profundo senso de sua indelicadeza para com o Senhor Jesus, são incitados imediatamente a atos de confissão mais elevados do que jamais estiveram envolvidos antes, e a uma provocação maior de seus adversários, até que seus problemas anteriores sejam dobrados sobre eles, que frequentemente sofrem com grande satisfação.

 

Exemplos dessa natureza ocorrem em todas as histórias de grandes perseguições - e outros, sendo intimidados e desencorajados em sua profissão, e talvez negligenciados por aqueles cujo dever era restaurá-los; pelo ofício de Satanás cederam às suas declinações e se tornaram apóstatas vis.

Para evitar esses males decorrentes da duração dos sofrimentos sem perspectiva de libertação, nada prevalece mais do que uma constante contemplação da recompensa e glória futuras - assim o apóstolo declara em Hb 11: 35.

 

Quando a mente está cheia de pensamentos das glórias invisíveis da eternidade, ela tem em prontidão o que precisa para colocar na balança, contra a mais longa continuidade e duração de sofrimentos que, em comparação, em sua extensão máxima são “senão por um momento”.

"Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação",  [2 Co 4: 17]

Daí a importância de nos aproximarmos sempre do Senhor, no Santo dos Santos celestial, com inteira firmeza de fé, e um coração purificado de toda má consciência.

 

O fundamento de toda a nossa confiança em nosso acesso a Deus; o direito e o título que temos para nos aproximar dEle está colocado no sangue de Cristo, o sacrifício que Ele ofereceu, a expiação que Ele fez e a remissão dos pecados que obteve por ela. Ele declara seu efeito no versículo 19, “tendo ousadia pelo sangue de Jesus”.

"Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus",  [Hb 10: 19].

Nosso caminho de acesso está alegando interesse em sua morte e sofrimento, pelo que uma admissão e aceitação são consagradas para nós:

"pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne",
[Hb 10: 20].
O nosso incentivo para fazer uso deste fundamento, e se engajar dessa forma é tirado da realização de Cristo, do ofício que Ele tem como sumo sacerdote em nosso nome:

'"Tendo um sumo sacerdote sobre a casa de Deus, vamos nos aproximar." [Hb 10: 21]

Mas, quando realmente nos dirigimos a Deus, para que possamos fazer uso da ousadia que nos foi dada na plena certeza da fé, além disso é necessário que "nossos corações sejam aspergidos e nossos corpos lavados", isto é, que toda a nossa pessoa seja purificada da contaminação do pecado, pela santificação do Espírito.

Esta é a experiência dos crentes.

 

Em toda a representação feita para nós nas Escrituras, da natureza do pecado, de nossa preocupação nisso, do olhar de Deus para conosco, do caminho e meios pelos quais podemos ser libertados dele, não há nada tão inculcado em nós, como o pecado sendo imundo, abominável e cheio de contaminação e poluição - isso é apresentado tanto em expressões simples, como em várias semelhanças.

Em conta disso, é dito ser "abominável para Deus, a coisa abominável que sua alma odeia; o que Ele não pode ver, o que Ele não pode deixar de odiar e detestar;" e é comparado a "sangue, feridas, lepra, escória e doenças repugnantes."

 

Com relação a isso, é frequentemente declarado que devemos ser “lavados, purgados, purificados, limpos”, como nos testemunhos citados anteriormente, antes de podermos ser aceitos por Deus ou ser levados a desfrutá-lo.

O trabalho do Espírito de Cristo na aplicação de seu sangue a nós, para tirar o pecado é comparado com os efeitos de "fogo, água, sabão, nitrato", tudo que tem um uma faculdade purificadora.

Além disso, não há noção de pecado e santidade de que os crentes tenham mais experiência espiritual tangível, pois mesmo que eles não possam compreender a noção metafísica, ou natureza desta poluição e contaminação do pecado, eles estão cientes dos efeitos que ele produz em suas mentes e consciências.

 

Eles encontram no pecado o que vem acompanhado de vergonha e autoaversão, o que requer profunda degradação de sua alma. Eles discernem no pecado, ou em si mesmos por causa dele, uma inadequação para a santidade de Deus, e uma inadequação para a comunhão com Ele.

Não há nada que eles trabalhem mais fervorosamente em suas orações e súplicas, do que por uma purificação do pecado pelo sangue de Cristo; nem há promessas que sejam mais preciosas para eles, do que aquelas que expressam sua purificação do pecado.

A santidade é o alvo da nossa redenção por Cristo. Se alguém não for santificado, ainda que no menor grau disso, ele não pode ver o reino de Deus. O acesso lhe fica vedado, em razão da culpa do pecado original não resolvida pela fé em Jesus.

Além do cansaço produzido pelo longo tempo de duração de nosso sofrimento em razão de nossos próprios pecados, que pode gerar abatimento, desesperança e desânimo no viver, para o que somente o exercício continuado do arrependimento e da fé pode nos reabilitar, há também o cansaço em viver que é produzido em nós pelo pecado de outros, especialmente de pessoas que nos são queridas, quer na família nuclear, quer na igreja, pois vivemos em dias difíceis em que o amor tem esfriado em muitos, com ampla falta de afeto natural, e grande inclinação para crueldade, frieza, intemperança etc, e quando isto é visto em pais, esposos, filhos e outros que privem de nossa intimidade, ficamos sujeitos à inclinação a deseperar da vida e perder de vista o bom ânimo, força e alegria com os quais nossos espíritos devem ser movidos. E aqui, também, a resposta para isso deve vir do exercicio da fé na vitória de Jesus, para nos elevar destes abismos que se encontram ao redor de muitos, e nos quais, não poucos têm caído.

 

Devemos sempre lembrar, que estamos vivendo há muito tempo, em uma manhã de graça em que nos está sendo oferecida gratuitamente a salvação por meio da fé.

Deus roga aos pecadores, através de seus ministros que se reconciliem com Ele, para escaparem da noite terrível de juízo eterno que está se aproximando a passos rápidos, na qual não haverá mais nenhuma graça a ser oferecida para a salvação, senão condenação e sofrimento eternos para aqueles que não se arrependerem.

Para os que creem, a longa noite de tribulações que experimentam no mundo é motivo de aflição para eles e tristeza para suas almas, mas esta noite de trevas há de ser dissipada com a manhã da glória a ser manifestada no arrebatamento da Igreja - a manhã de dissolução e transgressões praticadas desenfreadamente pelos ímpios que não se arrependem, é o prenúncio desta noite terrivel de juízo, que está chegando para eles.


 

Silvio Dutra
Enviado por Silvio Dutra em 28/01/2022
Reeditado em 05/05/2022
Código do texto: T7439196
Classificação de conteúdo: seguro