Deus Requer Santificação aos Cristãos 58

Publicado por: Silvio Dutra
Data: 04/03/2022
Classificação de conteúdo: seguro

Créditos

Texto: Silvio Dutra
Voz: Silvio Dutra

 

“Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição; que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra, não com o desejo de lascívia, como os gentios que não conhecem a Deus; e que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude a seu irmão; porque o Senhor, contra todas estas coisas, como antes vos avisamos e testificamos claramente, é o vingador, porquanto Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação.”  [I Ts 4: 3-7]

 

“Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus.”

[II Co 7: 1]

 

Muitos consideram erroneamente que tudo quanto Deus requer do pecador é que ele se arrependa, pois afirmam isto pensando em simplesmente lamentar o fato de sermos pecadores, não levando em conta o verdadeiro significado do arrependimento bíblico, que é expressado pela palavra metanoia no original grego, que significa literalmente, mudança de mente, de vida, de comportamento, ou seja, um verdadeiro repúdio à natureza terrena corrompida pelo pecado original, bem como a toda forma de transgressão cometida a partir da mesma, buscando crucificá-la por meio da fé em Jesus, para o despojamento da carne.

Isto, não exclui o arrependimento, que está associado à tristeza profunda e real por qualquer pecado a que estejamos sujeitos a praticar, mas em ambos os casos somos conduzidos, e recebemos a inclinação e disposição para o verdadeiro arrependimento, a partir do trabalho de convencimento do pecado, que é realizado em nós pelo Espírito Santo, gerando a necessária contrição de espírito e constrangimento de coração para que seja eficaz.

Mas, se considerado apenas como sendo um ato frio de confissão de nossos pecados, não pode ser chamado de arrependimento que é segundo Deus, porque um criminoso pode confessar seus crimes, e não receber qualquer disposição para mudar seu comportamento e sentimentos.

 

Qualquer que seja a natureza do pecado, a poluição o acompanha; daí o apóstolo nos aconselha a "purificar-nos de todas as contaminações da carne e do espírito".

[2 Co 7: 1]

Os pecados que são internos e espirituais; como orgulho, amor próprio, cobiça, incredulidade, etc., contam com a poluição que os acompanha, e assim fazem aqueles que são carnais e sensuais.

Na medida em que qualquer coisa dessa depravação ou desordem se mistura com o melhor de nossos deveres, isso torna a nós e a eles impuros.

"Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades, como um vento, nos arrebatam".  [Is 64: 6]

Como essa impureza é habitual com respeito à nossa contaminação natural, é igual em e para todos os nascidos neste mundo - por natureza somos todos poluídos, e isso é o máximo de que nossa natureza é capaz.

Mas, não é assim com respeito aos pecados atuais, pois a impureza tem vários graus e agravos nestes, tantos quanto o próprio pecado:

1. Quanto maior o pecado é de sua natureza ou circunstâncias, maior contaminação o acompanha, portanto não há outro pecado expresso pelos termos imundície e aversão como a idolatria, que é o maior dos pecados.

Veja Ez 16: 36, 37

Ou,

2. Há um agravamento da impureza quando toda a pessoa está contaminada, pois é o caso de fornicação, exemplificado antes em 2 Co 7: 1.

 

3. É intensificado por uma continuação no pecado, pelo qual uma adição é feita à sua poluição todos os dias; e isso é chamado de "chafurdar na lama",

"Com eles aconteceu o que diz certo adágio verdadeiro: O cão voltou ao seu próprio vômito; e: A porca lavada voltou a revolver-se no lamaçal".  [2 Pe 2: 22]

 

"Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se". [Ap 22: 11]

Assim como a inclinação do que é imundo é a de se tornar cada vez mais imundo; de igual modo, a de quem é santo é a de se tornar cada vez mais santo, conforme ambos são colocados em contraposição no citado texto de Apocalipse.

Aquele que é apenas carne será cada vez mais carnal, mas aquele que tem o Espírito será cada vez mais santo.

1. Onde essa impureza permanece sem purificação, não há nem pode haver qualquer verdadeira santidade em tudo, pois é universalmente oposto a ela - é a nossa não santidade.

"no sentido de que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe segundo as concupiscências do engano,
e vos renoveis no espírito do vosso entendimento,
e vos revistais do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade".  [Ef 4: 22-24]


Portanto, onde é absoluto, e não é purificado em qualquer medida ou grau, não há obra de santificação, nenhuma santidade que tenha sido começada, pois ao purgar essa impureza, faz sua entrada na alma; o efeito dessa purificação é o primeiro começo da santidade em nós.

Eu reconheço que não é tirado de uma vez, absoluta e perfeitamente por ninguém neste mundo, pois o trabalho de purificação é um ato contínuo, compatível com todo o trabalho de nossa santificação, portanto aqueles que são verdadeiramente santificados e santos, ainda são profundamente cientes do resquício de pecado em si mesmos; eles lamentam muito e se esforçam seriamente para sua remoção, mas começou e continua uma purificação inicial, real, e sincera, embora não seja absolutamente perfeita nesta vida.

 

O crente deve lembrar-se sempre disso, pois ao ser chamado a buscar uma santificação real e total, o absoluto da coisa nunca será atingido aqui embaixo, pois sempre haverá a luta da carne contra o Espírito e vice-versa.

As duas naturezas do crente (a velha e a nova) sempre estarão em permanente conflito, mas não deve servir de desculpa para qualquer crente, de modo a permanecer no pecado, pois é seu dever levantar-se de suas quedas por recorrer à graça de Jesus.

Por isso, homens que pretendem uma graça e santidade que consiste apenas em virtude moral, sem supor quanto à purificação desta poluição do pecado, apenas enganam suas próprias almas e outros (na medida em que estão abandonados por Deus), dando crédito a essas virtudes.

As virtudes dos homens que não são purificados da impureza de suas naturezas, são uma abominação para o Senhor.

"Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas". [Tito 1: 15]

 

Já aprendemos anteriormente, que a santidade não consiste meramente em virtude. É possível estar cheio de virtudes na conduta exterior, e não ter sequer uma experiência real e pessoal com Jesus Cristo como foi, por exemplo, o caso do apóstolo Paulo antes da sua conversão.

 

2. A menos que a impureza do pecado seja purificada e lavada, nós nunca podemos vir a desfrutar de Deus:

"Nela, nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro"..[Ap 21: 27]
Supor que um pecador não justificado e não purificado pode ser levado ao abençoado desfrute de Deus, é destruir a lei e o evangelho e dizer que Cristo morreu em vão. É, portanto da mesma importância, para a salvação eterna de nossas almas, tê-las purificadas do pecado.

 

3. Sem a ajuda especial, assistência e operação do Espírito de Deus, não somos capazes de nos libertar desta poluição em qualquer medida ou grau, seja natural, habitual, ou real.

É verdade que é frequentemente prescrito para nós como nosso dever. Frequentemente somos ordenados a "nos lavar", a "limpar a nós mesmos do pecado", a "nos purificars" de todas as nossas iniquidades e coisas semelhantes - mas supor que temos poder, por nós mesmos para fazer tudo o que Deus requer de nós, é tornar a cruz e a graça de Jesus Cristo sem efeito.

Mas nosso dever é nosso dever, constituído inalteravelmente pela lei de Deus, se temos o poder de executá-lo ou não.

Tínhamos esse dever em nossa primeira obrigação pela lei, segundo o pacto de obras feito com Adão, e Deus não é obrigado a dobrar a lei para conformá-la às nossas deformações, nem a adequar às nossas fraquezas pecaminosas, portanto tudo o que Deus opera em nós de uma forma de graça, Ele também nos prescreve como nosso dever - isso porque, embora Ele faça isso em nós, Ele também o faz por nós, para que a mesma obra seja um ato de seu Espírito e de nossas vontades, conforme movidas por Ele.

 

De nós mesmos, não somos capazes de quaisquer esforço próprio, nem por quaisquer meios de nossa própria descoberta, para limpar a nós mesmos da contaminação do pecado.

"Serei condenado; por que, pois, eu trabalho  em vão"?

Ainda que me lave com água de neve e purifique as mãos com cáustico",

"mesmo assim me submergirás no lodo, e as minhas próprias vestes me abominarão."   [Jó 9: 29-31]

 

Pode haver formas e meios pelos quais uma aparência de lavagem e a limpeza podem ser feitas, mas quando as coisas passam a ser testadas à vista de Deus, todos serão considerados imundos e impuros.

É em vão, diz o profeta, tomar sabão e mentir para si mesmo; você não será purgado,

"Pelo que ainda que te laves com salitre e amontoes potassa, continua a mácula da tua iniquidade perante mim, diz o Senhor Deus".  [Jer 2: 22]

O meio mais provável de limpeza, e o mais eficaz em nosso próprio julgamento, no entanto multiplicado, falhará neste caso.

Alguns falam muito sobre "lavar seus pecados pelas lágrimas de arrependimento;" mas o arrependimento, conforme prescrito nas Escrituras, é de outra natureza, e é atribuído a outro fim; porque as lágrimas dos homens neste assunto, são apenas "sabão e soda cáustica". No entanto, multiplicados, eles não produzirão o efeito pretendido, portanto em incontáveis lugares nas Escrituras, Deus reserva isso a Si mesmo como o efeito imediato de seu Espírito e graça - ou seja, para "nos limpar dos nossos pecados e das nossas iniquidades”.   [Ezequiel 36: 33]

 

As instituições da lei para este fim, para purificar a impureza, não poderiam atingi-lo por si mesmas. Elas realmente purificaram o impuro legalmente, e santificaram pessoas quanto à "purificação da carne", 

"Portanto, se o sangue de bodes e de touros e a cinza de uma novilha, aspergidos sobre os contaminados, os santificam, quanto à purificação da carne",  [Hb 9: 13]
 

Isso foi feito, para que eles não fossem separados de seus privilégios na congregação e na adoração de Deus por causa disso; mas por si próprios não podiam ir mais longe.

Elas tipificavam e significavam somente aquilo pelo qual o pecado foi realmente purificado, Heb 10: 1-4, a saber, pelo sangue e sacerdócio de Cristo, mas a mancha real é muito profunda para ser removida por quaisquer ordenanças externas ou instituições; portanto Deus rejeitando todas elas, por assim dizer, promete abrir outra fonte para esse propósito em Zc 13: 1; de modo que somos salvos e purificados por pura graça, misericórdia, amor, bondade e poder de Deus, mediante a fé em nosso Senhor Jesus Cristo, e operações do Espírito Santo, em nosso favor.

"Naquele dia, haverá uma fonte aberta para a casa de Davi e para os habitantes de Jerusalém, para remover o pecado e a impureza".

 

Silvio Dutra
Enviado por Silvio Dutra em 28/01/2022
Reeditado em 10/05/2022
Código do texto: T7439199
Classificação de conteúdo: seguro