Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
3- ESSA TAL DE AGRICULTURA NADA HOJE DELA PRESTA
Publicado por: Félix Rolim
Data: 23/02/2021
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Poesia de Joaca Rolim
Livro - CASOS E COUSAS SERTANEJAS
Declamante - Daniel Nascimento e Silva - Poeta paraense

Texto

3- ESSA TAL DE AGRICULTURA NADA HOJE DELA PRESTA (MOTE) - CASOS E COUSAS SERTANEJAS - JOACA ROLIM

                I

Vou falar sobre a vida
Do pobre do agricultor
Como ele é sofredor
Morrendo nesta tal lida
Vendo a roça perdida
Lá dentro de uma floresta
Só sofrimento lhe resta
Desprezo e amargura
Essa tal de agricultura
Nada hoje dela presta

                              II

            O que planta não dá nada
            Milho arroz e feijão
            Espera pelo algodão
            Vem em junho a tal geada
            Faz cair a caçulada
            E a futura safra não presta
            Não lhe sobre nada desta
            Só sofrimento e tortura
            Essa tal de agricultura
            Nada hoje dela presta

                                               III

                                   Vai para banco falar
                                   Algum dinheiro arranjar
                                   No momento é uma canja
                                   Danado é para pagar
                                   E o banco manda chamar
                                   Corre pensando que é festa
                                   Porém se torna em malesta
                                   Lá no banco desconjura
                                   Essa tal de agricultura
                                   Nada hoje dela presta

                IV

Todos vão fazer a carteira
Bota no prego o que tem
E que agora vai bem
Aprumou sua carreira
Entra em toda bebedeira
Que a vida boa é esta
Não perde mais uma festa
Tudo pra ele é doçura
Essa tal de agricultura
Nada hoje dela presta

                                  V

                    Depois o banco avisa
                    Sua conta não esqueça
                    Ele então coça a cabeça
                    E fica rasgando a camisa
                    E o banco diz que precisa
                    Ou seu contrato protesta
                    Ele passa a mão na testa
                    Já no ponto de loucura
                    Essa tal de agricultura
                    Nada hoje dela presta

                                                      VI

                                       Porém dizer a verdade
                                       Nunca merece castigo
                                       Eu digo a todo amigo
                                       Que é uma infelicidade
                                       Ver logo a realidade
                                       E o tal dinheiro detesta
                                       Tendo sua vida honesta
                                       Fala com a verdade pura
                                       Essa tal de agricultura
                                       Nada hoje dela presta

JOACA ROLIM
Enviado por Félix Rolim em 09/01/2021
Reeditado em 09/01/2021
Código do texto: T7156125
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Félix Rolim
Salvador - Bahia - Brasil, 56 anos
32 textos (365 leituras)
3 áudios (33 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/02/21 22:08)
Félix Rolim
Rádio Poética