Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Autores

Sobre o autor
Mauro Gouvêa
Alfenas - Minas Gerais - Brasil, 53 anos
432 textos (59374 leituras)
3 áudios (880 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/04/19 23:12)
Mauro Gouvêa

Textos do autor
Áudios do autor
Perfil
De tudo que sou resta muito pouco do que fui. Nasci de uma fêmea, morri por dezenas delas. Assassinado por beijos e asfixiado por perfumes.
Tornei-me homem e para ser um homem completo, com agá maiúsculo, tive que render-me à sabedoria das mulheres. Criaram um nome para isso: metrosexual.
O que escrevo já aprendi a não assinar embaixo, minha identidade está nas entrelinhas e não há como falsificá-la.
Creio em Deus e torço imensamente para que ele creia em mim, mesmo sendo tão pequeno em minha fé. Sou mineiro. Só isso daria para escrever um livro. Sou poeta, dá para fazer uma coletânea. Sou sensível, por favor, quando estiverem comigo carregue sempre um lenço na bolsa.

Sou um homem de 48 anos, mineiro de nascimento e devoção. Amo minha mulher e musa e sou profundamente amado. Minha vida é letra de fado que o sangue lusitano em minhas veias insiste em despertar.
Meu amor pela poesia talvez não seja tão grande quanto ao amor por mim mesmo. Meu ego anda a esmo enquanto durmo a procurar um espelho onde lhe caiba sua imagem incomensurável. Censurável? Talvez...

Tenho três caras (a que penso que sou, a que acham que sou e a que realmente sou), não crio nenhum bicho a não ser uma cachorrinha quase gente. Sou são paulino (ex-flamenguista, nos tempos de Zico, Adílio, Júnior e Cia encantada, era fácil!) Morei no Rio, em Bonsucesso Suburbano da Silva e mudei-me para Laranjeiras Mauricinho de Alencar Barros Barbosa Sobrinho. Nascido em Minas, voltei pós exílio de décadas cariocas, sãopaulinas, gaúchas, etc. Meus filhos são melhores do que eu, Pedro 20 e Hugo 18. Cada um em uma cidade longe de mim. Razões hão de ter. Sou Portela desde sempre, quando era uma única, tudo por causa do Paulinho e sua viola. Conforto-me com cerveja nas apurações dos últimos anos. Pois é... virei gente grande, alma envelhecida em barris diversos (de versos?)e um puta burguês. Cortei o cabelo, tirei a barba, visto-me sobriamente. Mas o brinco, ah! O brinco em conservo!

☺☺☺☺☺☺☺☺&

Livros editados
"Poeta, Viajante das Estrelas" - Ed. Carioca, Rio de Janeiro, 1986
"Minas, Versos Gerais" - Ed. Carioca, Rio de Janeiro, 1989
"Antologia de Contos" - SESC CRATO - Ceará - 2006
"Poetas pela Paz e pela Justiça Social" - Ed. Alcance - Porto Alegre-RS - 2006
"Antologia Poética Vide-Verso" - Ed. Andross - São Paulo, 2008.
"Antologia de Contos e Microcontos Entrelinhas" - Ed. Andross - São Paulo, 2008


Última atualização em 20/04/19 23:12