Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Gabriel Marcel em F. Lelotte, S. J. (1966): http://www.filosofia.ufc.br/argumentos/pdfs/edicao_4/15.pdf

Bibliografia
(2 tomos ... LELOTTE, F. Convertidos do século XX. [Convertis du XXme. siècle.] Trad. Hoche Luiz Pulchério. 2ª ed. Rio de Janeiro: AGIR, 1966. 264p. ... do Reader's Digest ...
http://simplesdicas.com/TEXTOS/Bibliografia.htm
________

POR UMA TEORIA EFEMÉRICA DA POÉTICA DA DOR E DO AMOR
19 fev. 2012 ... Editorial. 23 de set.2004., p. 02. LELOTTE, F. Convertidos do século XX. Rio de
Janeiro, Agir, 1966. LEMINSKI, Paulo. Distraídos venceremos.
www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/3508799 - - Páginas semelhantes
A O Mistério da Encarnação em Gabriel Marcel
de Janeiro: Civilização Brasileira. 1968. LELOTTE, F. (Org). Convertidos do
século XX. Rio de Janeiro: Agir, 1966. MONDIN, B. Curso de filosofia. 3. 3. ed.
São ...
www.filosofia.ufc.br/argumentos/pdfs/edicao_4/15.pdf -
_______

O Mistério da Encarnação em
Gabriel Marcel
José André de Azevedo
∗
∗
 Mestrando em Filosofia Moderna e Contemporânea pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE, Toledo-Pr).
RESUMO
 
Partindo de um contexto de crítica ao cientificismo e racionalismo modernos, apresentando-se com
um pensamento assistemático, itinerante e questionador, Gabriel Marcel afirma que a filosofia possui
uma arché: a existência, ponto de partida e de referência do labor philosophicus. A partir da questão
Quem eu sou? chega-se à percepção da existência (encarnação), o que nos leva, necessariamente, a
uma questão ontológica (mistério do ser) e isso, por sua vez, segundo Marcel, nos remete à questão do
transcendente (existência e transcendência). A encarnação, segundo Marcel, é o dado central da metafísica, pois é a mediação entre o eu e o mundo e os outros, é a consciência de mim no meu corpo e, por
isso, perpassada de uma intensa comunhão ontológica (participação). A existência encarnada, assim,
exige, de imediato, a questão do ser, o que leva Marcel a distinguir, na relação ontológica, mistério e
problema. Na vivência do mistério, o ser humano possui algumas exigências: recolhimento, engajamento,
fidelidade, esperança e amor. A vivência do mistério do ser, perpassada pela comunhão entre o meu
eu e os outros, leva à afirmação de um Tu Absoluto: a transcendência. Assim, o mistério da encarnação
instaura, na tradição filosófica, uma nova ordem de questionamento do homem e do mundo.
Palavras-chave: Gabriel Marcel; Encarnação; Carnalidade; Mistério.
ABSTRACT
Since the context of a critique of modern scientism and rationalism, presenting with an unsystematic
thinking, questioning and wandering, Gabriel Marcel says that philosophy has an arche: the existence of
starting point and reference labor philosophicus. From the question Who am I? comes to the perception
of life (incarnation), which leads us necessarily to an ontological question (mystery of being) and this,
in turn, according to Marcel, reminds us of the transcendent issue (the existence and transcendence).
The Incarnation, according to Marcel, is the central finding of metaphysics, it is the mediation between
self and world and others, is the consciousness of myself in my body and, therefore, crossed an intense
ontological communion (participation). The embodied existence thus requires, first, the question of being, which leads Marcel to distinguish in relation ontological mystery and problem. In the experience of
mystery, the human being has some requirements: collection, engagement, fidelity, hope and love. The
experience of the mystery of being pervaded by the communion between my self and others, leads to
the assertion of a Absolute: transcendence. Thus, the mystery of the Incarnation, therefore, establishes,
in the philosophical tradition, a new order of questioning the man and the world.
Key words: Gabriel Marcel; Incarnation; Carnality; Mystery.Argumentos, Ano 2, N°. 4 - 2010   107
Introdução
Em 2009 comemoramos 120 anos do nascimento do filósofo Gabriel Marcel (1889-1973).
Considerando o fato de que fazer Filosofia é
também travar um profícuo diálogo com a tradição filosófica e seus pensadores, propomos,
apresentar o tema central deste que celebramos
o natalício: o mistério da encarnação; e, esperamos, assim, retomar, na discussão filosófica
atual, o seu estudo.
Gabriel Honoré Marcel nasceu em Paris
aos 07 de dezembro de 1889. Filho único de
um conselheiro de Estado e embaixador em
Estocolmo, ficou órfão de mãe aos quatro anos
(fato que marcará profundamente sua vida e seu
pensamento) e foi educado pelo avô e pela tia,
a qual viria a ser sua madrasta.
Estudou Filosofia e tinha grande afeição
à música, literatura e teatro, o que faria dele
amante da arte musical, eminente crítico literá-
rio, dramaturgo e profundo filósofo. Concluiu
seu curso de Filosofia em 1908, defendendo a
dissertação A Metafísica de Coleridge em suas
Relações com a Filosofia de Schelling.
Em 1919 casou-se com Jacqueline Boegner, sua inteligente colaboradora, cuja morte, em
1947, será para Marcel uma irreparável perda.
Criado pela tia/madrasta, judia convertida ao protestantismo (o que acarretará uma
educação estritamente rigorosa para Marcel),
e tendo um pai agnóstico, Marcel não se preocupou, de início, com problemas religiosos.
Entretanto, a morte da mãe e a experiência na
Primeira Grande Guerra levaram-no a profundos questionamentos sobre a existência e, após
algumas experiências religiosas em doutrinas
modernistas e práticas espirituais, converte-se,
ao catolicismo em 1929.
Após a Segunda Grande Guerra, seu
círculo de amizade se conta entre intelectuais
como: Gilson, Mauriac, Maritain, Claudel. O
tempo de ocupação da Segunda Guerra Mundial e os anos que se seguem representam um
período de maior expansão intelectual, principalmente na França. Neste período multiplica
suas conferências, viajando para Alemanha,
Estados Unidos, Noruega, Canadá, Japão, Espanha, Líbano, etc. Em 1949 ganha o prêmio de
literatura da Academia Francesa. É eleito membro da Academia de Ciências Morais e Políticas.
Muitas outras homenagens são-lhe prestadas:
“Prêmio Goethe” da cidade de Hamburgo em
1956, o Prêmio Nacional de Letras em 1958, o
Prêmio de Osíris em 1963, o Prêmio Erasmo em
1969. Suas obras passam a ter difusão internacional com traduções em diversas línguas.
No dia 08 de outubro de 1973, o filósofo
da concepção humana de Homo Viator realiza
sua “última viagem”, falecendo em Paris.
Pretendemos, então, neste artigo, apresentar o seguinte estado de questão: como
Marcel articula sua visão de mundo e de ser humano perpassando pela questão da existência
encarnada? Como falar de metafísica a partir do
corpo como categoria ontológica numa ordem
de questionamento que é a do mistério?
As questões acima são fundamentais nas
intenções de nosso trabalho, pois elas objetivam
um processo de compreensão e diálogo a partir
dos textos marcelianos na perspectiva temática
do conceito de corpo para além da tradição
filosófica e metafísica.
Porém, antes mesmo de tratarmos a
problematização do nosso tema condutor - o
mistério da encarnação em Gabriel Marcel -,
vale frisar que este trabalho implica, desde já,
um questionamento metodológico importante.
Tratar-se-ia de um esforço homérico e ousadia
gigantesca de nossa parte buscar uma sistematização do pensamento marceliano, visto ser o
próprio Marcel avesso às questões postas em
termos de sistemas, pois, para ele, os sistemas
possuem a tentação de fechar em silogismos a
completude e o mistério da existência. Na obra
de Marcel não nos deparamos com um encadeamento dedutivista, não cruzamos com teses ou
proposições ligadas pela partícula ergo.
Sendo assim, pretendemos não sistematizar um pensamento que foi apresentado de
forma assistemática, mas  vesti-lo de uma característica pedagógica e didática que possa
favorecer a compreensão do pensamento de
Gabriel Marcel no tocante à temática proposta
para esta pesquisa: o enigma da encarnação.
O Lugar de Marcel na Tradição
Filosófica
A obra de Marcel é marcada por uma originalidade filosófica sem precedentes. Contemporâneo de Husserl, Heidegger, Merleau-Ponty
e Sartre, Gabriel Marcel antecipa e infunde, já
nas primeiras décadas do pensamento francês 108 Argumentos, Ano 2, N°. 4 - 2010
contemporâneo, um estilo de reflexão própria
que levou à maturidade especulativa inúmeros
temas e questões decisivas que encontraram
lugar de destaque no movimento existencialista
e fenomenológico. O fio condutor que atravessa
toda a sua contribuição teórica é a temática da
encarnação que ele mesmo caracteriza como
o tema central de toda a metafísica. Assim,
partindo da situação fundamental do homem
como uma existência encarnada, isto é, como
ser vinculado carnalmente à realidade concreta, Marcel explora substancialmente a idéia
de uma participação ontológica mais ampla e
profunda entre o humano e o mundo, entre o
eu e o outrem para além do prejuízo clássico da
dicotomia sujeito/objeto.
Esta aposta marceliana se traduz na recusa
onde há um mundo em que o “ter” prevalece sobre o “ser”, uma existência em que a aparência
prevalece sobre a realidade, uma cultura que
instaura o excesso de racionalidade e objetividade. É essa “análise da existência”, conforme
define Zilles (1988, p. 13), que constitui a força
motriz do pensamento marceliano. A exemplo
de outros pensadores de sua geração, Marcel
é um filósofo que reflete a situação humana
num contexto histórico-filosófico extremamente
crucial em que a humanidade assiste uma irreparável crise cultural produzida, sobretudo,
pelo advento da Primeira Grande Guerra, pelos
sistemas totalitários, etc. O ser humano percebese limitado, fragilizado e totalmente destruído
diante da existência e constata que os sistemas
de pensamento essencialistas, entre eles o idealismo, não fornecem uma resposta mais decisiva
diante de tal quadro de crise civilizatória. Como
bem teria observado Emmanuel Mounier, “o
existencialismo se apresenta como uma reação
da filosofia do homem contra o excesso da filosofia das idéias e da filosofia das coisas.” (Apud
ZILLES, 1988, p. 13). Por isso, não é tarefa fácil
determinar o lugar do pensamento marceliano
na tradição filosófica. A ontologia clássica, por
exemplo, particularmente a medieval, pensava
o ser a partir da ótica essencialista; o idealismo
alemão o via como infinito e imutável; já Marcel
procura estabelecer no âmbito do ser o elemento
chave da historicidade e da finitude. Sua filosofia, então, pode ser vista como um pensamento
a caminho, como uma proposta de “filosofia
concreta”, onde o transcendente aparece no
centro de nossas experiências humanas, onde
a descoberta de nossa situação como seres
encarnados nos leva a uma participação no
próprio ser.
A Filosofia do Concreto
Ao partir desse contexto, Marcel passa
a explorar a idéia do homem como projeto ou
como  vir-a-ser. O homem deixa de ser uma
essência, um ser definível de maneira exaurível
para mergulhar no coração mesmo da finitude
e do presente como um ser encarnado. Ele se
revela, antes de tudo, como uma experiência
corporal. O corpo, nessa curiosa acepção marceliana, se torna, desde então, uma categoria
ontológica sem precedentes: ele se manifesta
como uma experiência de mistério (eu não
tenho um corpo, mas sou meu corpo), abrindose, portanto, à possibilidade da alteridade e da
transcendência. É sob esta ótica que Marcel
elevará o tema da encarnação como o dado
central da metafísica. O que passa a entrar
em jogo aqui é a interrogação radical sobre a
existência humana, uma existência fragmentada
e desumanizada, onde a técnica baniu toda a
experiência de mistério.
Por isso, aos olhos de Marcel, a tarefa do
filósofo deve visar absolutamente uma “filosofia
do concreto”, no sentido de que o ato de filosofar
deve ser o ato de “pensar em”, o que sugere
uma relação com um “tu”. A filosofia nada mais
é do que a tensão permanente entre o eu e as
profundidades do ser no qual somos. Garaudy
nos apresenta uma longa descrição desse empreendimento:
Para chegar ao ser verdadeiro, Gabriel
Marcel elaborou uma teoria dos graus
do conhecimento. Poder-se-ia compará-
la à de Platão ou à de Spinoza, mas é
parente mais próxima da de Maine de
Biran. Com efeito, em sua busca de um
pensamento existencial, e não formal,
Gabriel Marcel foi levado a elaborar o
que poderia chamar-se de uma epistemologia personalista. Ressalta-se de início
a ambigüidade da noção de fato. O fato
não pode ser nem simplesmente dado,
nem inteiramente produzido. Acha-se
para lá da oposição corrente entre atividade e passividade. A verdade inclui a
obrigação de ser reconhecida, mas este
reconhecimento é um ato sem o qual Argumentos, Ano 2, N°. 4 - 2010   109
verdade e realidade se confundiriam. Só
há verdade em relação a um sujeito. O
conhecimento é uma reflexão que se situa
entre dois imediatos: o imediato primitivo
da criança que se acha espontaneamente
apegada à vida, imediato este que se
destrói pela reflexão, e o imediato que
se acha para lá do pensamento, que
supera a reflexão: a fé. Entre esses dois
imediatos, Gabriel Marcel distingue duas
espécies de reflexão: a reflexão primá-
ria, que abstrai e que empobrece, e a
reflexão segunda, que é recuperadora.
A experiência imediata é a de uma permuta existencial entre o objeto e o sujeito.
Reconhecemos aí um tema que MerleauPonty desenvolveu em sua concepção do
pré-perceptivo e do pré-reflexivo. Em seu
esforço pela posse técnica do mundo,
o pensamento abstrai essa experiência:
a partir da consciência espontânea, a
reflexão primária se elabora segundo as
categorias do ver e do ter. Por analogia,
com o fenômeno da visão, observado em
outrem, a percepção aparece como um
fenômeno que comporta a emissão de um
sinal, a recepção deste sinal por um outro
corpo, e a interpretação deste sinal por
outro pensamento. Tudo se exprime aqui
em termos de exterioridade. Ademais, o
objeto percebido é visado por um desejo
ou uma ação, define-se em termos de
posse, de ter, distingue-se daquele que o
retém ou aspira a retê-lo e é radicalmente
independente dele. A reflexão primária só
deixa subsistir relações entre coisas, relações impessoais e relações estranhas à
existência viva e vivida do homem. O objeto e o sujeito acham-se dissociados. O
pensamento está separado da realidade.
A objetividade que procede dessa dupla
ruptura nada mais tem em comum com a
existência. É sua caricatura depauperada.
Dá-me, como um espetáculo, um mundo
de onde me acho excluído como sujeito
atuante. A reflexão segunda é antes de
tudo negação e recusa desse mundo
empobrecido que não é o ser. É negação
de uma negação, é uma reconquista,
uma recuperação da unidade perdida.
Afirma uma transcendência em relação a
esse mundo objetivo. Procura encontrar a
presença do ser, entrar em participação
com ele. Recupera o que havia de concerto na experiência imediata e que a
reflexão deixara cair. A reflexão primária
exercia-se no mundo dos problemas, que
é o da objetividade; a reflexão segunda
exerce-se no do mistério. Gabriel Marcel
assinala veementemente a diferença: “Um
problema é algo com que me deparo, que
encontro todo inteiro diante de mim, mas
que não posso por isso mesmo abarcar e
reduzir, enquanto que o mistério é algo
em que eu próprio estou comprometido
e que, por conseguinte, só é pensável
como uma esfera em que a distinção
entre o em-mim e o ante-mim perde sua
significação e seu valor inicial”. Quando
se trata do mistério, não tenho mais o recuo do espectador, acho-me em causa e
a questão acerca do que é o ser não mais
se separa da questão acerca do que sou.
(GARAUDY, 1968, pp. 144-145)
Pode-se dizer, em certo sentido, que Marcel faz uma espécie de análise fenomenológica
numa perspectiva intimamente ontológica. Ele
não visa um pensamento pensado, mas um
pensamento pensante numa situação concreta,
que se constitui numa progressão ascendente.
Não admite que o filósofo se enclausure num
conjunto de fórmulas racionalmente concatenadas, pois
O método do filósofo existencialista
cristão, chamado vagamente de “fenomenológico” não se parece com o de
outros filósofos existencialistas. Marcel
é o filósofo mais concreto, mais ligado
ao exame de experiências vividas e
cujo sentido vem a ser por ele extraído
através de um processo de tentativas, de
descrições, de análises, de aproximação
de temas correlatos, segundo um ritmo
que não pode senão parecer ligado à
irrupção que o filósofo vê o seu próprio
método, nem a sua filosofia é uma filosofia
da intuição. No que o pensamento de
Marcel tem de afirmativo, não se vê como
deixar de observar que procede, não por
encadeamento lógico, por dedução, mas
através de descrições, seguidas de fórmulas categóricas, dramáticas, parecendo
saltar das experiências humanas para
as conclusões, sem qualquer seqüência
reconhecível. (DOMINGUES in CINTRA,
1972, p. 62).
É sob este contexto maior que buscamos
apontar na obra filosófica de Marcel o estatuto 110 Argumentos, Ano 2, N°. 4 - 2010
decisivo pelo qual o mistério da encarnação se
torna o fio condutor de uma reflexão que se
pretende original, propositiva e, portanto, radical em seus fundamentos últimos.
A Encarnação: Dado Central da
Metafísica
Ao construir sua filosofia, Marcel partirá
da questão da corporalidade, ou seja, a meditação sobre o que, “impropriamente”, julga ele,
chama-se “o problema da alma e do corpo”.
Marcel não afirmará que “eu tenho um corpo”,
mas que “eu sou um corpo”. Isso também o materialismo teria considerado, porém, num âmbito
de abordagem não suficientemente radical, na
medida em que o materialismo confunde o “meu
corpo para mim” com o “meu corpo para os
outros e entre os outros”, “o meu corpo-sujeito”
com “meu corpo-objeto”, produzindo, portanto,
um dualismo intransponível entre a consciência
e o próprio corpo. Assim, Marcel utilizar-se-á da
expressão ser encarnado. O ser encarnado é a
condição de acesso ao real e referência central
da reflexão metafísica. A concepção de corpo
como ser encarnado nos faz sair do idealismo
e “cair” no mundo da presença, da ecceidade
da existência, como bem volta a comentar longamente Garaudy:
Um dos maiores delitos da reflexão
primária é ter estabelecido entre meu
corpo e eu uma exterioridade abstrata:
ora, sublinha Gabriel Marcel, “pareceme impossível conceber como um ego
desmaterializado poderia ainda ter a
pretensão ou o cuidado de possuir”,
ainda que fosse de possuir um corpo.
Pelo contrário, meu corpo é modelo não
figurado, mas sentido, ao qual se refere
toda posse. “Sou meu corpo” e todas
as coisas que tenho ou que desejo ter,
experimento-as como prolongamentos de
meu corpo. Não existe entre meu corpo
e mim uma relação instrumental: meu
corpo não é uma de minhas ferramentas,
entre outras. Quando tenho essa ilusão,
é que raciocino por analogia a partir do
corpo dos outros, que posso, com efeito,
ver e manipular como um objeto. É eu
mesmo, é o corpo-sujeito, meu ponto de
inserção no mundo. Identifica-se com o
fato de que estou situado no mundo. Meu
corpo – não o corpo abstrato estudado
pelo biólogo, mas o corpo de minha
experiência vivida – é o mediador entre
mim e o mundo. Entre mim e tudo o que
existe há uma relação do mesmo tipo
daquela que me faz um com meu corpo.
Por meu corpo, estou em simpatia com as
coisas. É minha encarnação como ser em
situação no mundo. “O ser encarnado,
referência central da reflexão filosófica”,
escreve Gabriel Marcel. E acrescenta:
“A essência do homem é de ser em situação”. As duas fórmulas entrelaçam-se e
completam-se. Significam que tudo o que
existe, no mundo ou na história, acha-se
situado em relação a meu corpo, ao final
de uma série de mediações que podem
ser numerosíssimas; tudo isso se encontra
na minha órbita existencial e implica, seja
em que grau for, na minha presença, na
minha existência. Reciprocamente, só
posso existir situado, hic et nunc, inserido
num lugar bem definido do mundo, o de
meu corpo. Para lá da reflexão primária,
que me excluía das coisas, reconheço minha aderência carnal ao mundo, os laços
nupciais entre o mundo e eu. A noção de
existência ganha precisão ao mesmo tempo que a noção de encarnação, central
na obra de Gabriel Marcel. Por ela se
define toda existência. A sensação, como
dado sofrido por um corpo-objeto, é uma
abstração. A relação entre o mundo e
mim, entre meu corpo-sujeito e o ser no
qual se banha, é ao mesmo tempo dom e
obra; é participação. Não sou espectador
do mundo, mas participante. (GARAUDY,
1968, p. 145-146).
O que Marcel pretende é compreender
a realidade e a existência a partir do dado da
encarnação. Nessa direção poderíamos traçar
um breve, mas decisivo esquema dessa temática
central, tal qual encontramos na obra de Marcel:
a partir do questionamento central da existência
(Quem sou eu?) chega-se à sua idéia original
e pétrea: sou existência encarnada (Encarna-
ção). Essa existência encarnada, feita carne e
corpo, participa do mistério do ser (Ontologia)
e encontra maneira de vivenciar o ser (Participação). Na vivência ontológica encarnada do
ser – por meio da participação, que se revela
em posturas de recolhimento, fidelidade, amor,
fé, compromisso, engajamento e esperança –
percebemos o outro não como coisa, objeto ou Argumentos, Ano 2, N°. 4 - 2010   111
um ente em terceira pessoa (ele), mas como um
outro em segunda pessoa (tu); na percepção de
que o outro é a possibilidade de auto-revelação,
chega-se, necessariamente, à questão do Totalmente Outro, do transcendente (Existência e
Transcendência).
Este sugestivo esquema que ora delineamos apenas visa referendar a real dimensão
que a temática da encarnação ocupa na obra
filosófica marceliana, isto é, sua decisiva originalidade. É uma ordem de questionamento que
nasce de uma explícita oposição ao cientificismo
e o racionalismo redutivo, buscando, sobretudo,
um nível de interrogação filosófica itinerante
num mergulho ao coração da transcendência.
Como vimos, a existência é o ponto de
partida e o ponto de referência da filosofia de
Gabriel Marcel. Em oposição ao pensamento
racionalista-idealista, objetivante e abstrato,
antes que uma razão, somos  existência, real
e concreta, inserida no mundo. Em outras palavras: a existência é, necessariamente, uma
existência encarnada. Sendo um ser encarnado,
nossa condição de ser existente nos é revelada
de modo imediato e inconfundível como encarnação, isto é, enquanto a consciência mais
gratuita de mim no meu corpo. Tomemos, então,
as palavras do próprio Marcel:
A encarnação – dado central da Metafísica. A encarnação, situação de um ser
que aparece a si ligado a um corpo. Um
dado não transparente a si mesmo: oposição ao cogito. Deste corpo não posso
dizer que é meu corpo, nem que não é,
nem que é para mim (objeto). A oposição
entre sujeito e objeto é transcendida. Mas,
ao contrário, se parto desta oposição tratada como fundamental, não haverá mais
truque lógico para reunir esta experiência; inevitavelmente terá passado ou foi
recusada, o que é a mesma coisa. Não se
deve objetar que esta experiência apresenta um caráter contingente; na verdade
toda a investigação metafísica requer um
ponto de partida deste gênero. Só pode
partir de uma situação que reflete sobre
si mesma seu poder compreender-se.
Examinar se a encarnação é um fato;
não me parece que o seja. É um dado a
partir do qual um fato é possível (o que
não é verdade a partir do cogito). É uma
situação fundamental que, a rigor, não
pode ser dominada, rotulada e analisada.
É precisamente esta impossibilidade que
eu afirmo quando declaro, confusamente,
que sou meu corpo, ou seja, que não posso conceber como um termo distinto do
meu corpo, que se mostra numa relação
determinável. Como já disse, no momento
em que o corpo é tratado como objeto da
ciência, eu me exilo no infinito. (MARCEL,
2003, p. 13-14).
A encarnação – dado central metafísico –
é, pois, a mediação entre o eu e o mundo e os
outros. As coisas no mundo não são, em primeiro
lugar, objetos do espírito, mas como que prolongamentos do corpo. A presença orgânico-psí-
quica do corpo é o centro de referência de toda
órbita existencial ou, numa analogia, o campo
magnético em que gravitam todas as coisas. Isso
implica que não somos autônomos, não estamos
limitados a nós mesmos, num eterno solipsismo,
mas, sim, somos permeáveis às demais coisas.
Viver é estar aberto a uma realidade com a qual
entramos em uma espécie de comunhão. Enfim:
a encarnação é a participação no mistério, o que
se dá em três níveis: o homem como ser encarnado, as relações intersubjetivas e a abertura
do homem ao transcendente.
Ser e Ter
Entretanto, o mistério da encarnação pode
converter-se em uma existência inautêntica se
vier a situar no nível do ter. Marcel analisa essa
situação em profundidade na sua obra Ser e Ter.
Na categoria do ter, a existência é “devorada”
pelos objetos, o ter conduz ao desespero e à
falta de sentido. O ter é aquilo que é objetivável,
exponível a outros, é a exteriorização do ser, o
seu fazer-se espetáculo; ele é o “coisificar-se”
do ser, o seu vir para fora, o seu epifanizar-se,
fragmentar-se, mumificar-se. O ter, acentuando
a si mesmo, anula o ser; mas, tornando-se instrumento, subirá ao plano do ser. Assim, é preciso,
nos tempos atuais, redimensionar a existência,
tornando-a disponível ao ser.
O Outro na Ótica Marceliana
E como fica a questão da intersubjetividade no pensamento de Marcel? Quem é o outro?
Como participamos do mistério da outridade?
A existência dos outros também nos é dada na 112 Argumentos, Ano 2, N°. 4 - 2010
experiência existencial da encarnação. A primeira coisa que aparece nesta experiência é a
oposição radical entre a existência do outro e
qualquer coisa que nos é dada como objeto. O
objeto é o despersonalizado, o desubjetivado,
o que é independente do que somos. Pelo contrário, o outro pessoal, o tu, constitui-se como
um complemento de nossa personalidade, um
prolongamento de nossas situações subjetivas,
como aquele com quem temos relações de intersubjetividade e comunicação. O outro nos é
dado, pois, como uma presença inobjetivável,
o que se traduz numa autêntica comunhão ontológica. O “existir” (esse) é ao mesmo tempo
coexistir (co-esse), tanto no plano da existência
sensível, como, sobretudo, no plano do ser
pessoal. O caráter único e inefável do eu se
fundamenta na co-presença.
Marcel insiste, portanto, que a existência encarnada sugere, de imediato, a própria
questão do ser. A filosofia existencial conduz,
necessariamente, a uma ontologia. Nessa direção, Marcel situa-se na linha de Heidegger
e Jaspers, ou seja, a pergunta sobre o ser está
incluída no mesmo sujeito que questiona sobre
a sua existência; toda filosofia existencial leva,
inexoravelmente, a uma ontologia.
Mistério e Problema
A reflexão sobre o ser é uma necessidade
no momento atual. Para Marcel, o mundo está
quebrado e há conflitos e guerras permanentes.
E o que surpreende o pensador francês é a mentalidade que impera nesse mundo: o mundo é
uma soma fixa de forças, é o mundo da vontade
de potência e nenhum outro. Essa imanência
radical, sem saída, é o aspecto mais impressionante para Marcel. Para ele, esse mundo apresenta três características fundamentais: a) nele o
homem identifica-se com suas funções; b) nele
a técnica torna-se técnica de envilecimento;
c) nele o espírito de abstração cria o terror e o
desespero. Assim comenta Garaudy:
Essa orientação das técnicas conduz ao
desespero: há de início um mundo dos
objetos de onde estou ausente e que me
ignora, um deserto, e depois há a morte,
porque se me defino apenas por minha
função, desde que, pela velhice, a doença ou a morte, deixe de preencher
essa função e torne-me inutilizável, estarei
totalmente aniquilado. (GARAUDY, 1968,
p. 143).
É sob essa medida que Marcel passa a
discutir uma importante distinção entre duas
ordens de temas: problema/mistério. Problema
é algo objetivo, que está aí para ser resolvido,
dissolvido; mistério é algo que envolve, compromete. O problema, pois, é o que está “perante
mim”, objetivável, passível de ser decomposto
por conceitos. Esse é o campo da ciência: um
campo de problemas. O mistério, por outro
lado, significa o que está “em mim”, o que me
faz estar implicado com ele. O mistério transcende a oposição de sujeito e objeto, por isso
não pode ser representado, o que equivaleria
a objetivá-lo. Ele está situado numa zona profunda da realidade, que Marcel chama de
metaproblemático.
Mistério não é simplesmente o insolúvel;
afinal de contas o campo da ciência está cheio de
problemas insolúveis, mas que se espera serem
resolvidos. A zona do mistério é de outra ordem.
O ser como mistério não pode ser mediatizado,
nem comunicado; todavia é muito concreto. A
atitude do espírito frente a ele é muito distinta;
chega-se a ele não pela via lógica, mas por certas experiências, até chegar ao reconhecimento.
A tarefa da metafísica pode ser definida como
uma reflexão dirigida ao mistério. Sendo assim,
o campo do mistério é amplo e abarca todo um
âmbito de realidades recônditas, como, por
exemplo, a questão do mal, relação corpo-alma,
a liberdade, o conhecimento, o amor, etc. Mas
todos esses mistérios são somente aspectos de
um mistério fundamental: o mistério do ser. Para
Marcel, o ser não é um objeto perante nós; nós
mesmos somos ser, participamos no ser, de sorte
que nos incluímos na pergunta que colocamos.
É impossível separar as perguntas O que é o ser?
e Quem sou eu?. A questão do ser comporta,
pois, um envolvimento existencial. E é sob este
horizonte que a experiência da encarnação se
apresenta, antes de tudo, como um mistério.
Considerações Finais
Ao apresentarmos nestas linhas o pensamento central de Marcel – o mistério da encarnação –, deve estar subentendido a antropologia
marceliana: o homem é um “ser encarnado” e Argumentos, Ano 2, N°. 4 - 2010   (P.113)

fonte: http://www.filosofia.ufc.br/argumentos/pdfs/edicao_4/15.pdf
__________
F. Lelotte, S. J. (1966) e apresenta Gabriel Marcel em http://www.filosofia.ufc.br/argumentos/pdfs/edicao_4/15.pdf
Enviado por J B Pereira em 11/09/2012
Código do texto: T3877206
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://www.filosofia.ufc.br/argumentos/pdfs/edicao_4/15.pdf). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2272 textos (1229631 leituras)
14 e-livros (86 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/19 03:15)
J B Pereira