Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Abismos de papel

Empretarei meus sonhos
A essa cidade vazia.
Em todos os sinais
O meu corpo se fecha.
Um brinde
Ao silêncio mumeico
Da minha alma.
Pelos meus corredores
As crianças antigas,
quê não envelhecem.
Meus mortos do café
Permanecem no sonho
sentados na escada
Da velha cozinha entristecida.
Por cima dos edifícios
As solidões se jogam
De precipícios falidos
Mas não chegam ao chão;
Um herói falso,
Fadado ao abandono,
Sempre me salva  no final.
O coração se corrói
com as mesmas palavras,
Algoz mortal e abatido.
As mãos frias
Procuram
 minhas próprias alças.
Já é tarde
E esse  meu destino
 que consome trevas e escuridão;
Terno elegante
Sapato brilhoso
Brasas pra pisar no chão.
Que me valha  o gesto
Não acredito em sorte;
Que me valha o verso
Pois eu solitário sou,
E ando sozinho pelos lugares.
Um brado aos amigos
Aos poucos e se os tive!
E nem o amar com suas dores
Que não me valha
e nem o sofrer,
pois não tive amores.
Edmilson Cunha
Enviado por Edmilson Cunha em 16/11/2019
Reeditado em 16/11/2019
Código do texto: T6796300
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edmilson Cunha
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 43 anos
91 textos (2522 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/19 00:36)
Edmilson Cunha