Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Operário nos tempos da Ditadura

Recordações tipo "memórias do cárcere". Em 1968, aos 21 anos, eu era operário na Volkswagen, em São Bernardo Campo-SP. Não era estudante, mas um leitor voraz e entre a peãozada me destacava pelo linguajar e saber enciclopédico. Não demorou muito para que os "sindicalistas" e os "subversivos" me assediassem, para integrar os "quadros". Naquela época a paixão pelas noitadas era maior que o patriotismo rebelde e o máximo que consenti foi escrever artigos nos tabloides clandestinos ("A Ferramenta", "Movimento Operário" e outros), assinando como Juca Peão ABC. Costa e Silva era o marechal presidente (1967 a 1969) e a Repressão comia solta. Vez ou outra "sumia" um ativista. Nossa única fonte de informações sobre os desaparecidos era um nordestino que levava nossos macacões azuis para lavar. O "sumido" não aparecia para retirar o macacão e pagar a conta e o nordestino nos perguntava: "Gente, avisa ao Fulano ou Beltrano do Setor Tal para vir pegar o macacão". No meu Setor (Usinagem, Tampa da Carcaça Motor da Kombi) nunca sumiu ninguém, mas os boatos corriam indicando nomes de operários-ativistas desaparecidos, gerando verdadeiro terror. Em agosto de 1969, Costa e Silva sofreu uma trombose cerebral e foi substituído por uma junta militar. Correu o boato que haveria um endurecimento e que um "pente fino" seria passado nas metalúrgicas do Grande ABC paulista. Uma tarde, ao sair do turno de trabalho, o pátio de estacionamento dos ônibus fretados estava totalmente tomado por militares do Exército, pelas Tropas do Choque e pela Cavalaria da PM. Nós, operários, tínhamos que passar por eles que apenas nos observavam, não estavam revistando ou detendo ninguém. Naquele dia, e pela primeira vez, em cada ônibus dois soldados embarcaram. Durante o trajeto, silêncio sepulcral, ao contrário da costumeira algazarra, piadas e risadas, cantorias, etc. Eu não resisti e antes de descer no meu ponto / meu bairro, comecei a entoar baixinho o Hino Nacional. Após as primeiras estrofes, outros colegas acompanharam e fui elevando o vozeirão. Ao chegar no meu ponto, todos cantavam à plenos pulmões, inclusive os dois soldados. Desci do ônibus sob aplausos e mal conseguia me manter em pé, as pernas bambas, as lágrimas escorrendo, o coração alvoroçado. Ao chegar em casa recolhi rapidamente todos os folhetins e material alusivo à Resistência Operária e queimei, no fundo do quintal. Dali em diante me afastei do Movimento, voltei para a escola, conclui o Ginásio e Colégio e em 1972 iniciei o curso de Ciências Sociais, pretendendo fazer futura carreira no magistério superior. Em 1975, na conclusão do curso, fomos avisados pela Direção da Faculdade que nossa turma não poderia fazer a tradicional festa de formatura, por "ordens superiores", uma vez que os Sociólogos estavam na Lista Negra. Mas os diplomas seriam expedidos normalmente. Ato contínuo, o MEC retirou a disciplina "Sociologia" da grade curricular do Ginasial e Colegial, proibindo também que sociólogos pudessem continuar lecionando História e Geografia. Com isso, a faculdade criou um Curso Complementar de "Estudos Sociais" (mais 12 meses), para que pudéssemos nos habilitar a lecionar História e Geografia. À essa altura (1976) minha esposa (e colega de classe) estava grávida e a primogênita nasceu em 20.10.1976. Obtivemos a certificação, eu lecionei no período noturno por algum tempo, mas as atividades principais me levaram para as áreas de marketing, direito e comunicação. Enfim, sobrevivi aos tempos da Repressão, sem sentir na carne as consequências de tentar afrontar o Poder estabelecido.
(Autoria: Juares de Marcos Jardim / o Sacy Pererê do Grande ABC – WebRepórter ABCD Radio Livre - Santo André / São Paulo - SP)
(© J. M. Jardim - Direitos reservados - Lei Federal 9610/98)
Juares de Marcos Jardim
Enviado por Juares de Marcos Jardim em 23/06/2020
Código do texto: T6986080
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Juares de Marcos Jardim
São Paulo - São Paulo - Brasil, 72 anos
120 textos (1148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/07/20 18:07)
Juares de Marcos Jardim