Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Minha mãe, eu e nossos momentos!

Quando nasci pesava quatro quilos e oitocentos gramas, dos filhos que minha mãe teve  eu fui o mais gordinho deixei o hospital da Polícia Militar vestido de rosa, pois era esperado uma menina.
Em uma ocasião levei uma sapatada que na cabeça, meu irmão era um ciumento de primeira ele só tinha um ano de idade, e lá vinha à figura da mãe protetora para proteger-me e dar segurança.
A figura materna jamais se apaga de nossas memórias por mais que as circunstâncias da vida tentem nos separar, sendo o caçula eu tinha o privilégio de dormir com ela, acordávamos molhados, pois era um “mijão” de primeira.
Os primeiros anos juntos foram interrompidos com a morte de meu pai, meus irmãos e eu precisamos ser internados em um colégio, um dos melhores momentos da minha vida foi quando ela foi me buscar para ir para casa, para ficarmos juntos novamente, agora a vida era diferente, minha mãe casara novamente e a figura do meu padrasto no começo parecia boa e nos dava uma certa segurança.
Tudo que minha mãe passou durante esse período, foi muito triste, todo sofrimento, a falta de ajuda familiar quantas vezes ela deve ter chorado por estar longe dos filhos, tantos sacrifícios morando em uma pensão feminina, trabalhando doze horas por dia na empresa Glasite, guardando o dinheiro da janta para visitar os seus que estavam longe, mesmo que fosse uma vez por mês, como sofria com tudo isso.
Agora casada com um homem que nos assumiu, tudo parecia melhorar para ela, mas não durou muito, pois meu padrasto era alcoólatra e com isso acabava espancando seus filhos que ela já tinha visto sofrer muito anteriormente. Foi um período de transformações na sua vida, ganhei mais dois irmãos e meu padrasto se afundando na bebida começaram todos os problemas.
Ele começou a agredir os que não eram seus filhos e isso deveria doer naquele coração que muito já tinha sofrido por tudo que a vida lhe tinha proporcionado, a carga de ter que balancear a situação dos filhos e do marido era uma barra.
Quando no ápice do sofrimento a única saída foi à bebida e ela se afundou na nela, quanta vez não passava dias se embriagando no álcool tentando esquecer tanto sofrimento. E por quê de tanto sofrimento? Por quê era difícil ela expressar o amor para com os filhos?
Ela era a única mulher entre sete irmãos e muitas vezes na sua criação, não recebera o amor que deveria, por isso agora como mãe era difícil de expressar o amor que tinha pelos seus, crescíamos naquele contexto vendo nossa mãe sofrer, agora não na ausência dos filhos, mas o fato de não conseguir se identificar com o “amor” do marido e vendo seus filhos sofrendo agressões.
Interessante que com todos esses intercalços era bom estar com ela, o cuidado manifestado por nós era maravilhoso, encapando nossos cadernos, lavando nossos aventais de escola, esses momentos nunca esqueci, todos os esforços, mesmo sofrendo tudo que sofria ela estava comigo e isso era muito bom! Nosso segundo período de ausência, quando fui para o segundo colégio interno, lembro das cartas de amor que eu mandava para ela com tantas saudades e as que ela me mandava, quando me visitava, que alegria inexplicável.
Certa vez, quando saí de férias, estava no campo do colégio esperando ela ir me buscar, empinando uma pipa, quando a avistei larguei tudo aquilo e corri para ela, com toda felicidade que choro só de lembrar. Ah que alegria maravilhosa estar com a mãe!
Na mocidade, já morando novamente juntos, quantas cabeçadas não dei, por não ouvir seus conselhos e instruções, até os 18 anos foram de muitas confusões para entender ela, pois tinha vindo de um período de dois anos longe, mas nos dávamos relativamente bem.
Depois me relacionei com uma mulher mais velha e me frustrei, por não ouvir seus conselhos, é mãe sempre tem razão!
Nossos momentos foram muitos, mas de uma coisa tenha certeza, que sempre amei por mais que a vida sofrida que tivemos, isso só nos fez amadurecer e entender hoje o que é realmente o amor!
As qualidades de uma mãe não se manifestam no que se pode oferecer, mas em tudo que ela sofre pelos seus! Suas qualidades são aquelas que me fez admirar-te, em todo seu contexto de vida nunca me esqueceu e sofreu comigo as dores da distância, todas as adversidades que você passou nos primeiros anos de minha vida, onde foi obrigada a se afastar de mim temporariamente sofrendo com isso no seu pobre coração de mãe.
Sua busca em sempre procurar estar com os seus e lutando com todas suas forças para dar o que nunca recebeu amor e carinho, ser batalhadora, engolindo todo choro e sofrimento em sua solidão longe de seus que tanto ama, suas qualidades não estão no que você não pode me oferecer, mas sim no seu espírito de luta e persistência, sofrendo sozinha, sem ninguém do lado para ser um ombro amigo.
As qualidades de uma mãe são aquelas que você me mostrou, sofrendo comigo e chorando a distancia e solidão e as humilhações que passamos. É bom quando estávamos juntos e dávamos toda liberdade para entender a vida e aprender, sofrendo ou não, mas era verdadeira sem mentiras e isso me fez ser quem sou, ser mais maduro, lutador porque é no seu espírito de luta, persistência, coragem e amor que me projeto, quando me sinto sozinho e triste lembro-me de todas suas lutas e sofrimentos por mim, e isso me dá força e coragem. Para prosseguir e caminhar sonhando sempre que amanhã será de alegria, que amanhã eu e os meus estaremos buscando ser vencedores como homem, como pai e mãe.
Quero te agradecer por tudo o que me proporcionou, a criação que me fez ser maduro e buscar o melhor para mim, te agradecer por permitir que hoje eu enxergasse a vida de uma forma adulta, entendendo que todo sofrimento que passamos foi permitido por aquele que nos escolheu para servirmos de exemplo para os medianos, como dizia Agostinho “Com uma experiência que poucos  foram os escolhidos por Deus a serem como somos”. Verdadeiros e sem vergonha de tudo que passamos.
Saiba que sem você minha vida não seria completa, que sem você não seria quem eu sou, que sem você não teria esse espírito de luta, que sem você e seu exemplo de coragem certamente eu fracassaria, em tudo procuro fazer o melhor!
Hoje busco ser alguém não para status, mas para mostrar que a qualidade de uma mãe não está em dar um conforto ou melhores roupas, mas sim em projetar no seu filho o verdadeiro sentimento que é o amor, e mesmo que tudo não nos favoreça o mais importante é amar, ensinando a realidade do que é a vida. Obrigado por tudo! Amo você!

Na paz e no amor que excede todo sofrimento,

Fabio Beltrame
Beltrame
Enviado por Beltrame em 22/10/2007
Código do texto: T704652
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Beltrame
São Paulo - São Paulo - Brasil, 41 anos
46 textos (11132 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 10:04)
Beltrame