Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Négriers e Bagnari II

          (continuação)
          Lembro-me vagamente da casa em que viviam as irmãs Bagnari em Gondola.
          Tento organizar esses arquivos mentais tão remotos e com eles reconstruir a paisagem, a arrumação espacial, o cenário.
          O que está mais nítido nesses flashes da memória era o lugar em que brincávamos. Entre a casa e umas pilhas altas, talvez de madeira cortada, arrumada e empilhada, havia uma área muito grande de chão batido, destinada, quem sabe, a ser no futuro uma rua larga, frente ao conjunto de casas alinhadas.
          Na época, muitas das ruas não eram asfaltadas, e não havia movimento de carros por ali. Frente à casa dos Bagnari, aquele espaço era para todos os efeitos, e na minha memória, um enorme pátio limitado pelas pilhas de madeira e por grandes árvores, possivelmente abacateiros.
          Sempre nítida também é a cor da terra, entre o vermelho e o castanho escuro.
          Arrancávamos folhas das árvores, eram folhas grandes. As folhas eram o dinheiro de mentirinha da meninada, cada folha uma nota.  Era ver quem conseguia mais folhas nas mãos tão pequenas e lambusadas pela seiva branca e pegajosa que vertia delas. Mãos cheias de folhas muito verdes e brilhantes. Elas eram sobrepostas, cuidadosamente arrumadas, empilhadinhas - com um critério ali mesmo discutido, entre divergências, discussões e acordos finais - cabinhos sobre cabinhos, as pontas sobre as pontas.  Com esse dinheiro verde, pagávamos imaginários produtos de um imaginário comércio que fazíamos e arquitetávamos ali de improviso.
          Depois, a mãe Bagnari chamava todo mundo para o lanche, andiamo tutti, andiamo via, e lá ia a malta toda tomar um refresco saboroso, comer biscoitos acabados de fazer. Festa permanente, episódios que trago da memória para o papel.
          Do reviver dessas lembranças di quando eravamo piccoli, alguns detalhes saltam à vista. Religião e capitalismo já estavam presentes nas nossas vidas, e as jovens cabecinhas já os incorporavam nas brincadeiras, tentativa de interiorizar a realidade e ajustar-se a ela.
          O mundo desfez-se em muitos ao longo do processo de descolonização da África. Nunca mais soube das irmãs Bagnari, mas elas estão sempre aqui e são referência permanente na minha identidade. Pensar nelas já é estar em casa, de volta a Moçambique e às mais gratas lembranças da vida - a inocência primordial.
Anabela Bingre de Négrier
Enviado por Anabela Bingre de Négrier em 05/01/2010
Código do texto: T2012445

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anabela Bingre de Négrier
Ponta Porã - Mato Grosso do Sul - Brasil
18 textos (1703 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/19 08:20)
Anabela Bingre de Négrier