Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

              Tragédia cabocla.

Ouça beim aqui seu moçu a históra qui vô contá
Foi lá pras banda du sertão qui essi causu aconticeu.
Vivia Rosa Morena, moça linda, tinha lá seus vinti anins
um corpim di viulão, surrisu largu, jeitu baum inté nu andá.

Quandu passava na istrada, us cabôco tudu parava
dibruçava nas inxadas só pra vê Rosa passar.
Rosa Morena sabia qui causava ribuliçu
andava beim di vagarinhu, prus omi pudê lhi oiá.

Nu meiu daqueli povu istava sempri Mané Garvão
di idadi tinha uns quarenta, moçu forti i trabaiadô
Num tirava os zoios di Rosa, i aumentava sua querênça.
Cada veiz qui ela avistava,fazia pranus pru seu amô.

Essa paxão di Mané qui só Vardemá sabia
seu amigu i confidenti, cumpanheiru lá na roça.
Mané contô pra êli qui tomô uma dicisão.
-Vô falá cum Rosa Morena i vô pidi a sua mão.

Nu dumingu tinha quermesse beim nu patiu da igrejinha
Riunia numa festança todu povu da ridondeza.
-Logu qui a acabá a missa é qui façu meu pididu
Quandu cumeçá festa a Rosa já vai sê  minha princeza.

Mané já num aguentava isperá aqueli momentu
Ando na festa tudinha prucurandu a morena Rosa.
- Hoji eu daqui já saiu pra prepará meu casamentu
Vô fazê u maió festão qui já tevi aqui na roça.

Num instanti Mané parô cum aquela triste visão
Lá nus fundus da igreja nem pudia acriditá.
Seus zóios incheram dí água deu um nó nu coração
Era sua Rosa Morena namurandu, seu amigu Vardemá.

Nu seu peitu foi cumu uma faca furaci seu coração
na boca gostu di sangui, cheiru di vingança já teim.
Pensô tudu direitim, morre us dois, num aceitu traição.
Si ela num vai sê minha, num vai sê mais di ninguém.

Vortô correndu pra casa antis da festa acabá
pegô sua ispingarda i partiu pra tocaiá.
Noiti arta madrugada, lua cheia, boa pra namorá
Us dois paradu na portêra, antis di Rosa intrá.

Foi intão naquela hora u tristi acunticimentu
Mané tumadu di ódiu partiu pra izecutá.
Cum dois tirus beim  certeros, os corpu caidu nu chão
Morreu a Rosa Morena i tombem u Vardemá.

A nuticia dessas morti correu toda rigião
i na hora du velóriu uma grandi inconformação.
-Queim matô Rosa Morena foi genti sem coração!
Era a mãe di Rosa Morena aus prantus sobri u caxão.
Lá du cantu da capela Mané a tudu assitia
ricunheceu aquela voiz qui di muitu nun ouvia.
Foi si achegandu pra pertu pra tambeim lhi abraçá.
Nessi instanti a muié us seus zóis levantô, deu di cara
com Mané e nus seus braçus si atirô.
- Graças a Deus nun tô suzinha, inda beim vucê chegô!
Suluçandu di tristeza, ai intão lhi revelô.
- Rosa é a sua fia, é frutu di nossu amô!
Quandu Mané ouviu essa rivelação foi mudandu as feição
Ficô todu arruxiadu boca seca, barbuciô.
-Quem feiz isso cum a Rosa, num mereci nunca vivê! 
Tirandu a faca da cinta, interrô nu peitu seu.
Suas urtimas palavra nus mumentu di agunia.
- Tô compretandu a disgraça, queim matô Rosa,
  fui eu!
























Donjotta
Enviado por Donjotta em 16/07/2007
Reeditado em 09/08/2007
Código do texto: T566770
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Donjotta
Petrópolis - Rio de Janeiro - Brasil
656 textos (41456 leituras)
1 e-livros (98 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/05/21 20:20)
Donjotta