Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O SUSTO 2.

  No mês de Agosto, as viagens para as Aldeias Indígenas se intensificavam.  A FUNASA Na época responsável pelos Distritos de Saúde Indígena, tinha que redobrar as ações, visto que as doenças endêmicas também tinham um incremento durante o verão.
   A quantidade de Motoristas para realizar tais viagens eram sempre insuficientes, tendo as vezes que alguns ficarem duas a três semanas sem voltarem pra casa, andando com as equipes de saúde de Aldeia em Aldeia.
   Muitas vezes tinham que dormir na Aldeia.
   Um dos motoristas mais antigos, Seu Macedo, era um dos que mais gostava de fazer esse tipo de viagens. Dizia que já tinha acostumado com os Índios. E realmente, possuía um bom relacionamento nos locais.
    Em uma dessas viagens, após descarregar a caminhonete na Aldeia Brejá , não  quis pernoitar no local. Preferiu dormir na cidade.
   Se despediu de todos, entrou no carro, já noitinha.
Apesar de ser uma pessoa supersticiosa e não muito chegado a coragem, resolveu enfrentar a estrada pensando no bom banho e numa boa cama do hotel da cidade mais próxima.
    Dirigiu cerca de uns 15 km em uma velocidade razoável. Meio preocupado de estar na estrada deserta sozinho.
     Foi aumentando mais a velocidade. De repente escutou bater em no teto da cabine e gritarem:
     ____uh, uuuhh , uuuhhh.
     E as batidas no teto aumentando.
      ____uuuhh, uuuhhh.
      Olhava pelo retrovisor não via nada, estava muito escuro.
       Começou a suar o medo aumentar e a pisar mais fundo.
       Pensando:
      _____ Vala me Deus. Não vou parar de modo algum.
      E  continuou na velocidade e os gritos na carroceria aumentando.
      _____Uuuhhh!!!!
      Entrou na cidade, foi direto para o Posto de Saúde da FUNASA, onde desceu gritando:
      _____ Chega pessoal, acode tem bicho na carroceria,  se não for alma penada.
      Todos correram pra ver.
       Da carroceria do carro desceu dois Índios, amarelos de susto. Tinham se escondido na caminhonete e não avisaram o motorista. E com raiva disseram:
      CUMPADE DOIDO. NUM SABE LEVAR CARRO. QUASE MATÁ NOIS DE MEDO.
       Nessa hora Seu Macedo estava no banheiro se aliviando da dor de barriga, provocada pelo susto.
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 27/10/2017
Reeditado em 27/10/2017
Código do texto: T6154973
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Felix Chaves
Palmas - Tocantins - Brasil
273 textos (14213 leituras)
19 áudios (508 audições)
2 e-livros (249 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/03/21 18:45)
Felix Chaves

Site do Escritor