Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ZÉ BELEZURA E A UNIVERSITÁRIA.

   Zé Belezura sempre teve esse ar de arrumadinho. Desde pequeno quando todos meninos, na hora do recreio da aula preferiam a bola, ele sentava embaixo do pé de manga,  agarrava um livro e ia ler.
   Naquela época não existia esse tal de bullying. Mas a garotada todos debochavam dele.
   Terminou o curso ginasial ( assim era chamado o início do segundo grau) foi pra Capital. Lá continuou com o mesmo aspecto centrado. Namoro só se fosse com os livros. Dizia que ia ser Doutor Advogado, ou melhor Delegado de Polícia. E não é  que conseguiu mesmo. Passou no vestibular,  terminou o curso com o mesmo afinco e vejam só virgem. Passou no concurso para Delegado. Dizem em primeiro lugar. Mas não quis assumir . Preferiu mesmo advogar. Seria criminalista. Cheio de ambições, descobriu uma cidade em fase de crescimento. Pensou:
   ____E aí que vou me realizar. Acabar com o miserer e com essa secura de sexo.
   Logo ficou conhecido na cidade. Ganhou algumas questões como criminalista. Alguns júris em que até um iniciante ganharia e foi levando, ganhando causas e dinheiro. Comprou até carro importado. Só o medo de mulher continuava. Não que não gostasse, era o fator timidez para o sexo oposto. Só era esperto para o estudo.
   Um dia um amigo falou:
   ____Vai ser professor de faculdade rapaz, tu vai ver que vai conseguir resolver isso. Tem cada Universitária linda.
   E  foi. Todo dia pegava a melhor roupa, quando não ia de terno e gravata, óculos escuros, barba bem feita, sapato lustrado. Decorava alguns itens do Código Penal e ditava para aos alunos. Mas o objetivo mesmo era se auto promover. Dava aula de olho nas pernas das meninas que sempre tiravam notas excelentes, mesmo sem saber quase nada.
   Um dia Zé Belezura, criou coragem convidou uma para passear no carro importado. E lá se foi a virgindade dele.
   Só que a mocinha era filha de um brabo fazendeiro da Jalapa. Nem bem saiu da noitada, contou ao pai
que pegou Zé Belezura pelo braço, levou no cartório e no Padre e hoje ele cumpre sua pena no lado da tal mocinha, que toda tarde quando ele sai para dar aula ela vai ver os coleguinhas de outra turma.
Felix Chaves
Enviado por Felix Chaves em 07/12/2017
Reeditado em 08/12/2017
Código do texto: T6193107
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Felix Chaves
Palmas - Tocantins - Brasil
160 textos (6017 leituras)
2 e-livros (96 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 08:24)
Felix Chaves

Site do Escritor