Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Frutos do Cerrado

Vô ispricá procêis
Dexá bem ispricado
Das maravia e belezura
Do meu misterioso cerrado:

As fôia de Bate Caxa
Tum...tum...tum...
O chêrodilicioso!
Do gostoso Articum.

O vento me disse:
- Seu amô por ela nunca caba
Ouvi aquilo e sorri
Eu tavade baxo do pé de Mangaba.

O Jiquitibá gritô de longe:
- Vai imbora não seu moço!Tome isso daqui!
Estiquei a prosa
Cum a cachaça com Murici.

Logo chegô os raizêro
Cum a midicina do lugá
E um arvoroço!
A catá os Jatobá.

Vi um minino levado
Pra lá e pra cá
Seus zóiobriava...
E lá o pé de Araçá.

Mamãe cum o fêxe de lenha
Incara o morro
E no meu imbornale
A Marmelada de Cachorro.

Nóis criança e a prosa
Adoçano o paladá
apostano quem cumia mais
Do saboroso Ingá.

Imbrenha daqui, dali
Mata a sede no minadô
Discanso debaxo do pé de Aruêra
E no intranha do cerrado o sabore.

Lá na curva da istrada
Logo dispois do Bambu
Tem aquela parada
Para mode catá o Baru.

E na campina a cô do vinho
E pu Ele eu inxisto.
Arripio todinho...
Com a Sangria de Cristo...

Cortano o chão minêro
Na montaria ô à pé
Quero prová o sabôre
Do docim Inharé

Eita cerrado rico!
Das essênça de mim guri
Vou levá no meu fêxe
O iscorregadio Bacopari.


Inté fico bistunto
Im vê cumo tudo isso apariceu
E logo um assôpro arresponde:
   - Foi Deus qui ti deu!

Sô matuto inraizado
Pra burguêis eu num me calo.
Conheço essas riqueza
E inté o Grão de Galo.

Nas vereda deste sertão
Cerrado meu e de ti
Cabôca minha razão
Água do meu Buriti.

Brasil berço triguêro
A passarada e a criação na canga
O doce mistéro da fruita
A saborosa Mutamba.

Um canto aqui e acolá
Um aboio aqui e ali
A brisa deitia nas fôia
Do coco Licuri.

Não sou goiaba
Sou quetinha, sou ananzinha
Amarelinha mais num sô ôro
Sô a diliça Gabirobinha.

Ei moço!Moço! Ô moço!
Sai daí e venha pra cá!
Pareço ser de veludo
Sou eu!A Acá!

Os passo já miúdo
E se o desejo fô baita
Ainda tem espaço
Pra modelevá a Cagaita.

Pa num furá cum os ispin
O Zeca catô uma imbira
E tem que pegá de mansin
A atrivida da Macambira.

Discarço, sem camisa
Ah!Enóis nem aí pro Carrapato
O bão memo
É o sabô do Cajuzin do Mato.

A gente vai passá pelo buquêrão
O meu cantin é logo ali.
E dispois se a fome arrochá
A mamãe vai fazê o Arrois cum Pequi!

Pa armentá o meu apitite
Inté já puis a comida no prato
Vô tumá cum gôstio
O licor de Jenipapo.

Óia.Se ocê apitecê
Passa pru lá!
Vamo batê um dedo de prosa
E a viola pontiá!

O prefume do cerrado é deferente seu moço!
Num é prefume inventado
É a mão do Supremo
Mandano recado.

Dizeno qui:
   - A vida tem que tê magia
     Abre a noite e logo o dia
     E os fruito da álima alumia.

Alumia a boa querença
Sô cerrado, sô andança
E no broitá fruita de mim
Sô o sabô da bonança.

Fico a imaginá
A risponsabilidade da terra.
Faiz a semente rebentá
Dispois as árvre pare os fruito.

Discurpa se eu isquici
De argum fruito do cerrado
Tomem é uma fartura!
E Deus é sagrado.

O meu cerrado tem magia seu moço!
Tem fruito in toda as estação.
Puraqui fica a minha paioça
Nesse meu lindo sertão.

Inté!
Tinga das Gerais
Enviado por Tinga das Gerais em 16/01/2019
Código do texto: T6552524
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Áudio
Frutos do Cerrado - Tinga das Gerais
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tinga das Gerais
Corinto - Minas Gerais - Brasil, 61 anos
449 textos (20441 leituras)
22 áudios (687 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/06/19 03:03)
Tinga das Gerais