Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

'' PEDAÇOS PERDIDOS ''

                   Solidão, isto mesmo, era solidão o que eu sentia.

                   Procurava amor, corria atrás do amor e o amor de mim fugia, sumia, e a solidão me consumia.

                    Ruas largas, ruas estreitas, ruas de terra batidas, ruas barrentas, becos, vielas, largas avenidas, estradas asfaltadas e pequenas estradas de fazendas ao longe eu percorria, sim, eu andava e andava em busca de com minha solidão acabar e um grande amor achar.

                     E um dia alguem me disse que parasse de correr atrás do amor, que eu deixasse o amor isto sim, correr atrás de mim.

                     E como faço isto, respondia eu e este alguem me ensinando que devia dar tempo ao tempo e o amor na hora certa me encontraria.

                     Mas eu tinha pressa, ja estava com 29 e nos 30 queria me casar, familia formar, sossegar.

                     Seguindo então este conselho ao meu trabalho mais e mais me entreguei, um lindo cachorrinho adotei e uma cama no chão do meu quarto para ele ''nanar'' coloquei, um gatinho malhado veio em seguida e logo na primeira noite miando veio na minha cama dormir e com sua patinha branquinha, macia, de manhã me acordando e um mês depois começo a descobrir que o amor estava ''vindo'', já haviam duas 'criaturas' de quatro patas me amando mas eu queria a de 'duas patas''.

                      Mudei meus hábitos de por ruas, becos, estradas e vielas andar buscando amor, agora havia estas duas ''criataruas'' em minha vida que exigiam de mim cuidados.

                      Seis meses depois fui atender a um cliente na Rua da Saudades, a casa ficava na esquina da Rua das Flores, atendi ao cliente e ao sair espevara a luz verde para atravessar e ir até meu carro e nesta hora foi que meu corpo se desfez em pedaços...

                      Primeiro de tudo foi a cabeça que perdi, os olhos saltaram das órbitas ao ver a linda mulher que do outro lado da rua esperava tambem para atravessar...a luz acendeu, eu fui e ela veio, veio, veio vindo e meu corpo todo se desmanchando, primeiro foi aquela tremedeira, nas pernas, no estomago, no peito e eu indo e ela vindo, passou, me virei, ela seguiu em frente, nem olhou para mim, nem me viu nem sentiu, eu a via...linda, altiva, magestosa, deliciosa, o vestido vermelho da côr do carmim,  de corpo justo, a saia balançando a cada passo compassado, de cá prá lá, de lá prá cá..uauuuuu, os saltos altos, os cabelos ao vento esvoaçando e um perfume gostoso de magnólia e bergamota no ar pairando.

                        Ela já na outra calçada e eu no meio da rua, sem cabeça, aos pedaços, carros buzinando e eu me peguei indo na mesma direção que ela, ela sumiu na esquina da Rua da Saudades com a Rua das Flores e eu feito louco bobo procurando meus pedaços, não achei, e na minha solidão continuei,

                        Comecei a estudar como tocar violão,  não conseguia dormir e resolvi estudar e me vi tentando compor uma canção, consegui no papel, no violão não ,e as palavras diziam que eu só seria feliz quando meus pedaçõs perdidos eu conseguisse juntar novamente.

                        "" Onde está minha cabeça? se voce a achou me devolva ( no caso eu queria que ela, a linda desconhecida me devolvesse)....Onde está meu coração?...minhas pernas, meu corpo inteiro coloquei na canção, li e reli e no lixo joguei...que bobagem, que bobo que sou, o que não faz a solidão no corpo de um homem, coitado de mim, a última coisa que me lembro antes de dormir abraçado ao amigo violão....solidão!!!

                         Bingo, meu cachorrinho adoeceu, liguei para minha mãe e ela me dizendo o endereço de uma clinica veterinária que ela conhece e me dizendo para levar o gatinho tambem e lá fui eu feito pai marinheiro de primeira doença, nervoso e com a cabeça girando entrei e a recepcionista já me levando para o interior da clinica, eu não via e nem ouvia nada, só queria que Bingo ficasse bom e que Lico, o gatinho nada tivesse.Lico nada tinha, ficou miando na gaiola um tempão e eu esperando o resultado com Bingo.

                          A recepcionista veio me dizendo que o médico já iria me atender para liberar Bingo para ir para casa, fiquei na espera e nervoso comecei andar pelo corredor, salas com largos vidros e em uma delas vi Bingo no colo de uma moça, me parecia uma médica, cabelos presos, grandes óculos e ao me ver veio na minha direção.

                           E Bingo latindo e se agitando, peguei o danado no colo, ficou quieto e eu nervoso, a doutora falando e eu nem prestando atenção, ela chamou meu nome bem alto, levei até um susto, e olhei para ela e bam....minha cabeça rodou.

                           Era ela, a linda da Rua da Saudades esquina da Rua das Flores, sentei, mudo e calado, ela parou de falar e ficou me olhando como se eu fosse idiota ou o que? Bingo agitado na gaiola foi colocado e eu ainda sentado, pernas bambas, olhar nela fixado, sentia o perfume de magnolia e bergamota e nem sei por que, pedi-

                           Solte seus cabelos, deixe que caiam em seus ombros.

                           O olhar dela foi terrível mas automaticamente e acredito sem saber direito o que fazia, soltou.

                            Pronto, eu tinha achado o primeiro pedaço meu perdido...minha cabeça. Levantei , estendi a mão, toquei nos cabelos dela, ela tentou sair do meu toque, não conseguiu, senti o quanto eram macios. Ela foi para traz do balcão da recepção, me estendia papeis, receitas e a conta, li tudo, dei meu cartão e a recepcionista me olhando de viés e olhava para a doutora tambem, cobrou e devolveu meu cartão, entreguei meu cartão com meu telefone para a doutora, que estava muda, quieta e calada no fundo do balcão.

                             Passei em uma farmácia, comprei os remedios e fui para casa, cuidei de Bingo e de Lico, coloquei para dormir, liguei a tv, estiquei as pernas no sofá, uma taça de vinho tinto para descontrair e não pensar em nada e meu telefone toca.

                              Alô, digo eu

                              Sou noiva, vou me casar no...

                              Era, ia.... aliás, é noiva sim, estou lhe pedindo agora, quer se casar comigo? , lhe disse eu.

                               Hoje estamos comemorando um ano de casados, ela trouxe com ela no seu enxoval uma cachorrinha, Biloca, e uma gatinha, Lina, que danados, foram pais e mães antes de nós.

                                Mas mês que vem, vem vindo nossas gêmeas e eu ainda agora a pouco me peguei pensando '' e não é que eu aos 30 anos estou casado e com familia ( quase) montada? ( digo quase por que eu e Maeve queremos mais e mais crianças correndo por este enorme casarão, ahhh sim, o nome da linda é Maeve, lindo nome não é? combina com ela, em tudo)

                                 Maeve juntou meu pedaços perdidos, todos, não ficou nenhum por lá na Rua da Saudades com a esquina da Rua das Flores, nenhunzinho.

                                  O amor é lindo, a paixão arrebata e o ciúme corroi. ( sou ciumento que só vendo mas ela tambem é), estamos os dois corroidos...rsrsrsrs.

                         =====================================================

               

                                           

                                 

WILLIAM ROBERTO CUNHA
Enviado por WILLIAM ROBERTO CUNHA em 13/01/2019
Código do texto: T6550258
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
WILLIAM ROBERTO CUNHA
Canton - Georgia - Estados Unidos, 75 anos
838 textos (74384 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/02/19 21:45)
WILLIAM ROBERTO CUNHA