Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A toalha xadrez

Marco morava em Zagreb fazia tanto tempo, que até mesmo alguns dos seus clientes habituais o tomavam por croata e escreviam seu nome como "Marko". Marco - ou Marko, como queiram - era proprietário de uma tradicional "trattoria", fundada poucos anos depois que abandonara sua terra natal após a tomada do poder pelos fascistas de Mussolini. Em Zagreb, ele trabalhara como garçom, cozinheiro, e finalmente, abrira seu próprio negócio, a simpática Trattoria Zagabria. Embora fosse católico, casara-se com uma sérvia ortodoxa, Jana, com a qual teve dois filhos, Imanuel e Nikola. A família trabalhava em conjunto na condução do negócio, e tudo ia relativamente bem até que estourou a II Guerra Mundial.

- Eu sou italiano - comentou Marco com seus amigos croatas mais próximos. - Então, não há o que temer. Os italianos apoiam a independência da Croácia, como sabem.

Achou melhor omitir que ele, Marco, não era exatamente um simpatizante do governo italiano. E, em 1941, a situação tornou-se ainda mais delicada com a invasão do Reino da Iugoslávia pelos nazistas, os quais imediatamente transformaram uma organização terrorista, a Ustasha, em seus prepostos no estado-fantoche da Croácia Independente.

- Não muda nada - assegurou Marco à sua família, tentando soar convincente aos próprios ouvidos. - Hitler e Mussolini são aliados, eu sou italiano... ninguém vai nos incomodar.

Mas houve incômodos. Em primeiro lugar, a Ustasha, composta por católicos ultra-nacionalistas, possuía uma lista de "inimigos da Croácia", encabeçada por sérvios ortodoxos e seguida por maçons, judeus - e comunistas. Um cliente de Marco, burocrata governamental, deu-lhe um conselho precioso:

- A sua esposa é ortodoxa? Faça com que se batize no catolicismo, o mais rápido possível.

Marco assim procedeu, e acreditou que o pior já passara quando, em certa manhã, atendeu o telefone da cantina.

- Alô?

Do outro lado, silêncio; em seguida, a ligação foi cortada. Marco engoliu em seco e chamou a esposa, que estava na cozinha.

- Jana... eu atendi o telefone com "alô" - sussurrou ele, limpando a testa com um lenço amarrotado.

A mulher cobriu a boca com ambas as mãos, aterrada. Marco guardou o lenço no bolso, dando tratos à bola para saber o que faria para sair daquela situação comprometedora. Olhou ao seu redor, para o salão da cantina, ainda vazio, e subitamente teve uma ideia.

- Vamos trocar todas as toalhas das mesas!

Jana o encarou como se ele tivesse enlouquecido, mas Marco insistiu:

- Rápido, mulher, antes que cheguem... coloque as toalhas novas, que eu mandei fazer!

E, quando um tenente do Exército da Croácia Independente e dois soldados entraram na cantina, Marco procedeu segundo o seu plano. Com um imenso sorriso, saudou os militares:

- Za dom spremni!

- Za Boga i poglavnika svoga - retrucou o oficial, encarando-o de cima a baixo.

- Uvijek spremni! - Reiterou Marco, sempre sorridente.

- Marco Coglianese? - Indagou finalmente o oficial.

- Sou eu mesmo - Marco levou a mão ao peito.

- Recebemos uma queixa contra o seu estabelecimento, mais cedo...  - informou secamente o tenente. - Uma ligação do Departamento de Propaganda para cá, foi respondida com "alô". "Alô", como sabe, é uma saudação estrangeira e servil, que deve ser substituída por "spremni".

E, para estar ali acompanhado de dois soldados, Marco sabia que a punição poderia ser até mesmo o confisco imediato do seu aparelho telefônico.

- Houve um grande mal-entendido, tenente. Efetivamente, eu usei a palavra citada, mas unicamente porque estava esperando a ligação de um cliente estrangeiro, e, como ele não fala croata, usei um termo que ele compreenderia.

- Então... falou "alô" porque imaginou tratar-se de um cliente estrangeiro? - Inquiriu o oficial, desconfiado.

- Pois foi o que aconteceu, tenente - prosseguiu Marco. - Embora seja italiano... e como tal, um amigo da Croácia, sou também um fervoroso nacionalista. Tanto que mandei fazer novas toalhas para minha cantina...

O tenente voltou sua atenção para as mesas. E todas elas estavam cobertas por toalhas xadrez, em vermelho e branco, o mesmo padrão do brasão da Croácia.

- Bem... por essa vez, passa - disse o oficial finalmente.

Fez sinal para os soldados, e antes de sair, virou-se para trás e indagou, em expectativa:

- Za dom?

- Spremni! - Foi a pronta resposta de Marco.

- [11-07-2018]
Alex Raymundo
Enviado por Alex Raymundo em 11/07/2018
Código do texto: T6387765
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto original do site http://recantodasletras.com.br/autores/raymundo.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alex Raymundo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
1261 textos (63777 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/11/18 17:26)
Alex Raymundo