Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dupla criativa

- As Bodas de Fígaro? - Indagou confuso Lorenzo Da Ponte.

- Não me diga que ainda não ouviu falar na nova comédia do Beaumarchais - questionou Mozart, com ironia.

- Mas é claro que ouvi falar! - Replicou indignado o libretista. - Havia tanta gente na estreia em Paris, que três pessoas morreram esmagadas pela multidão que afluiu ao teatro!

- Desconhecia este detalhe, - admitiu o compositor, mão no queixo - embora não venha ao caso. Estamos em Viena, não em Paris, e é pouco provável que algo assim se repetisse aqui. Até porque, acabo de saber que o imperador proibiu a sua representação, por conta de certas passagens, digamos, antiaristocráticas.

- Isso encerra o assunto então - redarguiu aliviado Da Ponte.

- Não tão depressa - atalhou Mozart, erguendo um dedo. - A peça anterior de Beaumarchais, também foi um sucesso. A ópera, composta por Paisiello, nem ficou tão boa assim, e é aí que vejo a nossa oportunidade. Antes que alguém o faça, vamos produzir nossa versão musical das Bodas de Fígaro!

- A peça anterior… O Barbeiro de Sevilha, com libreto de Petrosellini - recordou Da Ponte. - Não duvido que eu e você possamos fazer um trabalho muito melhor, meu caro Mozart, mas como acha que vamos convencer o Censor da Áustria a liberar uma peça que ataca a nobreza?

- Esta é a sua seara - retrucou o compositor, impassível - A minha, é escrever as melhores composições possíveis. Que tal ir fazer uma visita ao Censor e convencê-lo de que merecemos uma oportunidade?

Da Ponte sabia que não iria fazer com que Mozart mudasse de ideia. Com um suspiro, apanhou seu chapéu e despediu-se do compositor.

***

Da vez seguinte em que se encontraram, desta feita na residência de Da Ponte, o libretista deu uma boa notícia à Mozart.

- Consegui persuadir o Censor à aprovar o libreto da ópera - declarou, triunfante.

- Nunca duvidei da sua competência para esta missão - retrucou Mozart.- E como o fez?

- Comprometi-me a realizar não uma transcrição literal do texto de Beaumarchais, tal qual fez Petrosellini, mas a criar uma nova versão… uma recriação… aproveitando as personagens e situações originais - explicou o libretista.

- Imagino que neste seu tour de force criativo, todas as menções políticas do texto serão expurgadas - antecipou Mozart.

- Naturalmente - admitiu Da Ponte. - Por exemplo, na diatribe de Fígaro sobre a nobreza herdada, substituirei por uma queixa contra esposas infiéis.

- Muito oportuno! - Aplaudiu Mozart. - Pois então, mãos à obra, que preciso de cada um dos 450 florins prometidos por esse trabalho, para pagar contas atrasadas.

- Não sabia que estavam pagando tão bem assim - admirou-se o libretista.

- Esta é a paga do compositor, meu caro - corrigiu-o Mozart. - Nós somos as estrelas da companhia; mas não se apoquente, que seus 200 florins estão garantidos…

[11-09-2019]
Alex Raymundo
Enviado por Alex Raymundo em 11/09/2019
Código do texto: T6742725
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto original do site http://recantodasletras.com.br/autores/raymundo.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alex Raymundo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
1561 textos (84308 leituras)
1 áudios (33 audições)
1 e-livros (12 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/19 03:19)
Alex Raymundo