Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A TEOSOFIA DOS MISTÉRIOS PRESUMIDOS DA VIDA E DA NATUREZA, DA DIVINDADE E DA ORIGEM E PROPÓSITO DO UNIVERSO I




Eu simplesmente quero dizer que a vida é irmã da morte, pois a morte é irmã da vida que provavelmente existe um termo de construção que estamos simplesmente percorrendo um caminho que devemos buscar provas reais da existência da vida nos mortais que a maneira mais ponderada de construir, construir e evoluir o ser humano que passou por uma metamorfose que seria efetivamente o oposto de morrer por uma fatalidade pela qual vemos a vida distraída em um contexto de testemunhar sua existência e afeto de passar por um caminho mais diferente. Por outro lado, casualmente buscamos certezas sobre as incertezas que naturalmente devem ter uma construção que coloque tudo em harmonia bem como uma desconstrução que coloca tudo em total desagrado há que chamamos tempo de ida e volta que está escrito na Bíblia que Deus criou o céu e o mar e os homens construíram uma fonte muito boa sobre suas relações com a vida que sempre emanavam de nós em um contexto de nos revelar e mostrar as realidades do dia a dia Por uma incompatibilidade de tempo e dois dias tudo se torna alvo de circunstâncias de amor e ódio onde o homem pode entender e entender suas necessidades de evolução e origem que o completaram dez anos desde o início do mundo em que Deus criou Adão e Eva no paraíso. É como a Bíblia Sagrada diz e eles cometeram uma perdição por comer da árvore da vida e foram expulsos do paraíso e do mundo se materializaram em uma metamorfose em que o homem é um deus desde o início em que os deuses construíram o monte Olimpo e o fizeram o ser humano entender sobre seus desejos e pensamentos como vida e morte,  deve ser como um sonho de entrada e saída no qual o mundo seria encontrado possuidor de prazer e vontade e todos gozariam de todas as necessidades que a vida e suas relatividades se um domínio fosse estabelecido entre seres humanos e animais que efetivamente e em tudo parassem com suas habilidades, rações, cumplicidades, entendimentos e ações nas quais o homem pudesse estabelecer uma conduta ou doutrina entre tribos e grupos que construiu o mundo e apreendeu o que a vida lhe ensinou e entendeu sobre a morte e a vida que simplesmente deveria estabelecer uma lógica de permanecer intacto sobre sua natureza mais do que provável, incertezas mais do que dispensável ao ser formalizado. O homem primata entre um duelo com os dinossauros até a era contemporânea que estabeleceu uma identidade mais se assemelha às desconstruções e construções da vida, deixando a terra como uma emanação criativa de uma existência fenomenal do ser vivo que se tornou homem, mulher e animais. Preservada todas as modalidades que supostamente também o homem pode ter vindo do macaco como homem primitivo e que o mundo se originou de uma grande explosão causada por um asteroide em que destruiu a face da terra e tudo começou do nada como também, é disse que o mundo se originou de uma grande explosão em que o universo era densamente quente e que tudo geram partículas formalizadas em átomos em que a vida na Terra era formada, estabelecendo seres humanos e animais nos quais a palavra de deus se origina como uma emanação de eventos a partir de um elo que podemos simplesmente dizer que fomos construídos e formalizados em uma alquimia mais focada no absinto, como uma essência teria tomado a forma de uma serpente à medida que o mundo melhorava dentro de uma harmonização natural da natureza entre quatro elementos construtivos que emana vida no ar, na água, na terra e no fogo nos quais seus gênios podem nos formalizar. Um átomo e lógica em que a matéria faria parte de tudo e em todos,  uma fração menor de um elemento no qual as partículas atômicas estariam ou estariam em um pequeno intervalo de tempo no qual elas se formariam em um corpo atômico chamado átomo entre tempo e espaço o universo se tornando mais entre espaços deixando tudo e criando tudo sobre uma rota de fuga que originou a vida planetária e seus dispositivos de saída e entrada como criação e destruição em que deus seria um fator homogêneo do universo e onipotente de todas as coisas em que eles foram criados em um contexto de construção e destruição com deus estando entre várias questões de clarividência entre a vida como luz, como emanação da vida e o ódio como destruição da morte também conhecido como o diabo que representa as chamas, o fogo eterno de deus emanado pelo diabo que é o próprio deus na forma de luz em representação da vida que supostamente nunca desapareceu e sempre subiu acima de tudo. Coisas do paraíso que seriam um ponto de partida para todas as almas em que nos formalizamos como céu e inferno seria o lado sombrio da vida que simbolizaria o diabo em que ele levaria os lamas ao purgatório como penalidade e pecado mortal sobre a vida e a morte e o mundo não seria estabelecida outra conduta mas o céu e o inferno como representação da vida e da morte são um deus pois havia apenas um deus e o diabo.
De duas maneiras estabeleceria uma como o mundo também se originou como uma grande explosão dando vazão e escapando à medida que tudo foi formado e formalizado deixando a terra um lugar para viver e morrer no qual as duas esferas estão mais nos mostrando que o maior pecado é não crer em Deus e na salvação seria crer em Deus o Todo-Poderoso Criador dos céus e da terra em que a vida sempre revelou seus mistérios para nós ambas as profundezas do céu e da terra que sempre nos rebelaram por vários propósitos de luz e escuridão com a vida se tornando algo superlativo sobre uma natureza pródiga que sempre nos formalizou por sua existência e subsistência na qual são conhecidas como boas e ruins tornando-se tudo na luz e nas trevas, a vida se tornando algo como um círculo no qual podemos, viva e morra como construção e destruição da vida por causa da morte que é escura, fria quando a vida seria mais sutil porque é clara, branca e quente, tudo sobre um alquimia é uma existência fenomenal em que podemos simbolizar sua capacidade, cumplicidade e construção em uma emanação de tempo e espaço em que o universo talvez possa sempre nos expandir em seus fluxos vibratórios e pulsantes e se expande sendo sutil e destruindo-se porque é sempre denso sobre uma atmosfera mais quente do que a Terra se forma em tudo e para todos um espaço esquecido no qual as horas, minutos e segundos são totalizados em uma fração menor do tempo formando átomos e sempre dando mais espacialidade ao seu tamanho e eu quero dizer que a vida é uma irmã da morte como a morte é uma irmã da vida que provavelmente existe um termo de construção que estamos simplesmente percorrendo um caminho que devemos procurar por provas reais sobre a existência da vida nos mortais que mais pensam de maneira construtiva , construir e evoluir o ser humano passou por uma metamorfose que seria efetivamente o oposto de morrer em uma fatalidade que vemos a vida distraída em um contexto de Considerando sua existência e afeto de passar por um lado mais diferente procuramos casualmente as certezas sobre as incertezas que naturalmente devem ter uma construção que coloque tudo em harmonia bem como uma desconstrução que coloque tudo em total desagrado a que chamamos, tempo de ida e volta. Que certamente podemos viver e certamente prevaleceremos a vida verdadeira.
E eu quero que uma noção, simples testemunhe tudo o que Deus fez como talvez um fabuloso calendário de construção e que tudo possa estar contido em um círculo mágico no qual todos sempre seguiram como fonte, circuito ou energia, mundo e que podemos encontrar o paraíso dos falidos e envergonhados e tudo está em um contexto em que tudo o que Deus criou ele também fez sobre sua relevância, pulsações e extensões em que não podemos duvidar dos aspectos ocultos e que tudo e tudo estavam sempre à sua imagem como Deus sempre fez e criou você porque foi Deus quem fez você.
Encontramos um conjunto de palavras acima de um termo que na minha filosofia tudo o que Deus cria com amor é construídos com um sentimento sobre a natureza viva de um ser que estaria mais ansioso para entendê-lo porque nele tudo é mais claro como a luz do sol. Que está nos mostrando no lado positivo da vida as coisas bonitas às quais nos apegamos e que simplesmente não atacamos porque é feito de amor que supera qualquer vazio que rompe a incapacidade humana de ser feliz ou de amar alguém na vida que simplesmente ele não está sendo iluminado diante de Deus porque eles são recaídos de uma natureza divina que não pode ser comparada ao verdadeiro ser que Deus criou e criou sobre todas as coisas no paraíso que não poderíamos enganá-lo com as incertezas negativas que insolam a vida diante da luz suave de Deus. Deus que está em todas as coisas profundas e em altitudes que um dia seremos capazes de entender seu espaço e tempo em nossas realidades que não são tão extensas quando não há luz nas nossas escolas. Quaisquer sentimentos elevados à vida que talvez não tivéssemos entendido o amor e a existência dele em nossas vidas porque em tudo que Deus fez ele criou o paraíso dos falidos e envergonhados que perverteram o mal pela verdade que não pode permanecer silenciosa, invisível a tudo o que Deus criou na terra de homens obstinados e incertos de compaixão controversa sobre um desejo infiel de que talvez uma criança traga humanamente esse amor para estar mais vivo com a eletricidade que consola nossos pensamentos e nos faz acreditar que o mundo é perfeito e que nós ainda podemos ser felizes e que talvez possamos permanecer intactos construtivamente sob os pretextos de Deus que nos iluminaram com a fúria do ensino que nos ama e nos faz amar o que é bom de ver e sentir prazer porque a vida seria simplesmente um som, placa onde seu ritmo pode nos melodia sobre todas as formas e forças positivas da vida que nunca se dobram abarrotam as sombras que quebram atrás da luz do dia tentando esquecer o medo das trevas que atormenta os inocentes que ainda conhecerão o mundo como é lindo e perfeito porque Deus fez você sobre todos os aspectos que não foram destruídos e fez você se sentir bem com a verdade dos amores que não foram absorvidos por Deus ou que anonimato que poderia ter sido prescrito pela palavra de deus, pois eles dizem que os anjos são mais cuidadosos em permanecer vivos e irritados com a transformação da existência de deus sobre os mortais que são consumidos por loucura, farsa, ilusão emocional que irritará a mente de homens que ainda não entenderam simplificar seu amor pela vida como amar a Deus por todas as coisas inevitáveis e juntos sempre podemos nos unir porque foi Deus quem fez você e as estrelas do céu como uma ira que talvez um dia possamos agradecer a você e pedir que você seja fiel a ele como uma flecha reta, sem desvio que não pode ser de nossa natureza incontentável para o mundo que pode e se tornar uma ilusão para os mais fracos, sem amor que possam sentir que eram feita da flor do paraíso que inesquecível sempre encontraremos o que buscamos porque simplesmente aprendemos a amar e odiar a nos consolidar em todos os aspectos de ser feliz por muitos anos que a vida é pulsante e criativa de certos dispositivos, permanece e que um dia entenderemos seus prazeres e tudo o que Deus criou porque somos filhos de Deus e experimentamos a luz da vida em nossos olhos e rostos que nos mostram como somos bonitos e fortalecemos em nossa memória que testemunhamos nosso amor pela vida enquanto pacificamos na vida. Planos materiais as sementes que simplesmente mantemos na alma de nossos pensamentos que são completadas nas formas e conquistas que alcançamos na vida como um estado de tempo na ocasião de graças que aprendemos a valorizar a vida que atormentamos. Tolice da juventude e vamos ver que tudo o que Deus criou seria perfeito porque somos semelhança de Deus e em mim minha filosofia só quero dizer que se foi Deus quem nos fez somos nós. É indiferente ou homogêneo que pelo anonimato das afeições ocultas possamos nos completar sobre o amor que ele nos fez porque não estaríamos vivos para ser felizes com alguma indiferença inferior de sua natureza que permanece por quanto tempo sem expressão desfavorável ao único afeto que nos tornou maiores sobre tudo o que somos como amor que talvez não possamos dizer de dentro para fora em mais algumas coisas simplificadas na teoria divina de que tudo o que Deus criou foi com amor e que aprendemos menos ou mais da vida. Com seus artefatos para valorizar o que Deus fez porque não seríamos tão pequenos e grandes nas mãos de Deus que nos completaram sobre sua imagem e amor que nunca podem ser pequenos sobre todos os afetos ocultos que desencadeiam a pura compaixão realista de viver, amar e seja feliz porque em alguns anos ou talvez milênios das profundezas de nossas almas, um dia nos encontraremos livres do inferno no paraíso.
A vida e a morte certamente seriam irmãs de uma contradição na qual simplificamos tudo o que a vida nos formaliza, talvez porque tudo pode ter mortes como se houvesse vida na qual também há vida e também há morte que simplesmente queremos dizer que o mundo foi criado de construção em representação do bem com a luz, o amor e a vida, assim como o mundo foi destruído pela desconstrução na representação do mal com escuridão ódio e morte deixando a vida e a morte como um revés de um a emanação de retorno na qual deus pode estar contido e seria indivisível entre os dois termos classificados como vida e morte, bem como uma explicação de vida e morte também seriam lógicas com vida e morte e amor e ódio sendo mais do que um termo.
Tudo está em perfeita união e em tudo a existência não para com seu ritmo que nos faz dizer que estamos vivos hoje e talvez amanhã morreremos de algo gerado pelo destino traçado pela morte que na vida continua incansavelmente pessoas diferentes de lugares diferentes em uma soma de pontos que a vida não ligará para a mesma soma de pontos que a vida tem que criar, tudo estando em uma igualdade natural em que assumimos nossos compromissos com as realidades da vida e não teremos medo da morte negativa que caminha e desvenda tudo na vida em que Deus cria na igualdade soberana de um dia tudo se junta ao mesmo pó por outro tempo para começar com todo o resto da vida.
Se você é pobre ou rico, não irá diferenciar entre esse assunto que devemos estar cientes e se cuidarmos de uma missão de paz, saúde e amor para com nossos vizinhos que você acompanha todos os segundos de sua vida todos os dias como também acompanhar e aprender a preservar as nossas vidas e sim nós sempre estaremos vivos com nossas famílias, parentes e pessoas amigáveis que nos amam tanto quanto nós os amamos e sentirão sua passagem ao infinito quando chegar a hora e pagaremos com gratidão nossas instituições de caridade e amor por sua viagem ao paraíso, seja qual for este para irradiar o céu ou então o inferno e que Deus o proteja de todo mau amém.
A vida com sua vital cor branca nos mostra um paraíso cheio de amor e saúde em que rimos e choramos de alegria e aprendemos a amar e odiar ficar tudo por uma noção sentimental de nossas vidas e morte com sua cor preta fosca nos mostra um lugar escuro onde você vai para o outro lado da vida e nós podemos até nos encontrar e tudo é sobre as medidas da fronteira onde estão o céu e o inferno e talvez algum dia possamos nos encontrar e ser felizes juntos em algum lugar e conversar sobre o passado e que as memórias permanecem nossas mentes e desejaremos realizar alguma fantasia mesmo que elas tenham passado e seremos capazes de encontrá-la e fazê-la lá em questão de amor e amizade.
Eu sei que é muito difícil entender a vida e a morte porque são irmãs e têm uma desigualdade em um contorno da vida para persistir com seus ritmos entre os seres humanos e sempre nos deixam curiosos e maravilhados com suas mudanças em nossos caminhos que são curtos ou curtos. Muito tempo para um dia lavar a alma e perdoar nossos erros até que os anjos cheguem até Deus no paraíso celestial e todos nós estamos preparados.
Simplesmente não acredito na morte porque acho que nada neste mundo morre porque é apenas o começo de outra vida em que podemos dizer que somos livres e não temos imperfeições em nossas vidas e que a vida nos mostrará melhor como estão fora da nossa. Mundo e poderíamos ser ainda melhores pela maneira como nos identificamos com nossas almas e tudo estará em perfeita harmonia e o medo da morte não existirá mais e não sentiremos nenhuma imperfeição em oposição à morte que simplesmente será a vida. Do mesmo modo o universo pulsante está sempre dando vida e ao mesmo tempo destruindo todos eles em uma fração menor do melhor átomo e juntos podemos pensar que um dia nossas existências não se perderão e seremos senhores de uma imortal tempo e que sempre permaneceremos vivo por ele em um plano sobrenatural e podemos dizer claramente que podemos tornar a vida uma combinação de coisas que talvez não possamos fazer aqui e somos totalmente livres.
Amo a vida tanto quanto a vida me ama e está sempre em perfeita harmonia comigo e o céu pode um dia ser nosso lar, viveremos uma vida eterna e poderemos concluir nossos entendimentos que podem nos levar ao céu ou ao universo!
É como você diz que na vida existem dois fatores que nos destroem pela força benigna e maligna que a natureza nos propõe e nos estabelece por uma semelhança com os impulsos criados por uma certa existência como um revés de luz e escuridão que precisa e nos faz. Sofrer em tudo na vida por uma desigualdade de vida desigual que aflige o homem em seu estado consciente e inconsciente de que em meras circunstâncias sua vontade, desejo, amor e ódio não têm normalidades afetivas de caráter moral e conduta pessoal que é uma corporação mental. Seus efeitos emocionais que fazem você viver de acordo com sua vida ou natureza humana delicada que sempre busca uma resposta na passagem do tempo em que tudo ocorre por uma fração de segundo devido à dura ocasião de destinos que nos compromete de fatores incomparáveis, realidade dura e real de nossas vidas.
Numa grande perspectiva diz-se que o amor é a chave para os relacionamentos para o bem-estar que por natureza mais amigável, nos completa e nos faz entender o quanto somos amigos e todos são perfeitos para uma igualdade de bem presente em um benefício. Um círculo que nos mostrará o quanto sempre teremos e sempre prosperaremos com uma disciplina evolutiva e futura a uma etapa em que nunca esqueceremos nossos valores e compaixão por nossas vidas que sempre estão sendo fortalecidos por falsos laços humanos criados por pessoas precárias e precárias. Sofrendo a sociedade com os maus atributos relacionados à vida que nos faz perecer e sofrer miséria, fracasso e loucura ao fato desnecessário do bem e do mal que são dois fatores discutíveis que se dobram em uma vasta ocasião e relacionamentos pessoais que nos fazem reagir mentalmente que já nasceu imponderado e exausto pelas trevas negativas da vida contra a luz positiva da vida que é o bem do amor transferido por fantasias e ilusões materiais na vida plena de um ser que sente e mantém em mente toda a fraternidade pessoal e moral de um mundo caracterizado pelo bem e pelo mal que chamamos de amor e ódio que nos traz felicidade e inferno emocional, afetados por relacionamentos e projeções. Vida que é subsistência da luz que significa amor pelos outros e morte que é subsistência das trevas que significa ódio pelos outros que em tudo e em tudo passa por uma formalidade da vida na terra e no universo em um pulso de construção e destruição que no final, criou um propósito moral que serviu nossas almas, tanto na terra como no céu, enquanto um processador emociona o vibrador de todas as circunstâncias geradas e criadas por todas as ocasiões da vida de maneira positiva e negativa.
Processo que em tudo e com tudo representava o amor transformado em ódio pelo bem que eles sentem por amar tanto odiarem se representarem o ódio transformado em amor ao mal que também sentiam por odiarem tanto amar, representando o amor transformado ódio pelo bem que eles nunca deixaram de entender e nunca entenderam o verdadeiro caso e chance da própria natureza, existência e não existência que completam a vida entre dois desejos comparáveis e incomparáveis que você chama de distanciados por uma base e um relacionamento da natureza, ambos terra e no céu que na ciência não há limites, existem ciências para tudo que sempre nos mostrou a identidade verdadeira mais complexa de uma infinidade desenfreada de uma grande compreensão da reação de luta construída e destruída por uma realidade evolutiva da vida plena como uma rota diária para o plexo inferior e superior que sempre se uniram em um para dar a melhor sugestão e modo de vida para um ser humano.
No substantivo masculino amor significa forte afeição por outra pessoa nascida de laços de consanguinidade ou relações sociais. Atração baseada no desejo sexual. No substantivo masculino, ódio significa intensa aversão a ger. motivado pelo medo, raiva ou lesão sofrida, ódio. A pessoa ou coisa odiada.
Há também o céu e o inferno que na religiosidade são duas representações de dois caminhos e planos espirituais que representam o lado claro da vida que é bom de acordo com o amor divino ou a boa intenção pessoal que provém de dentro de si e da existência de o lado sombrio da vida que é mau de acordo com o ódio demoníaco ou a intenção pessoal do mal mais do que provém de si mesmo como uma repulsa negativa da vida que não levaria a lugar algum pela mera circunstância da vida por estar enfraquecido ao fracasso repentino na vida claramente diferenciado da clara intenção boa da vida que é o bem que distorce o lado sombrio da vida e quando essa questão não tem o caminho negro do mal, o ódio causa a própria morte de uma maneira simplificada, com seu próprio fim como leis mentais e questões lógicas da vida.
Existem caminhos que revelam uma infinidade de conceitos morais que na retomada da vida nos beneficiamos do corpo e da alma através de uma infinidade construtiva que nos lembra que somos seres espirituais que sofrem essas descargas de energia sutil de nossas almas por fatores desequilibrados que no final, mais propensos a reagir contra as duras e severas realidades da vida que oprimem nossos nervos e derrubam nossas consciências fundamentais em uma contração lógica e mal reconstruídas por vários declínios emocionais que nos prejudicam contra o bem-estar social. fornece-nos para ver, viver e entender a luta pela sobrevivência desse bem informado ou mal construído entre um plano mental de natureza emocional para um mundo preconceituoso no qual vivemos e aprendemos a viver e a entender a melhor questão de amor e ódio que estão em duas combinações perfeitas que nos impossibilitam de ver o lado bom que é o bem da vida e o lado sombrio que é o velho vivia o mal da vida em uma fraternidade intocada por um sentimento dominado pelas circunstâncias geradas pela própria vida, permanecendo em tudo e com tudo sujeito ao amor e ao ódio.
A vida é um conceito muito amplo e tem várias definições. Pode se referir ao processo contínuo do qual os seres vivos fazem parte, o tempo entre a concepção e a morte de um organismo e a condição de uma entidade que nasceu e ainda não morreu, e o que faz um ser vivo. Metafisicamente, a vida é um processo contínuo de relacionamentos. Por mais simples que possa parecer ainda é muito difícil para os cientistas definirem claramente a vida. Muitos filósofos tentam defini-lo como um "fenômeno que anima a matéria". Em geral, uma entidade é tradicionalmente considerada um ser vivo se exibir todos os seguintes fenômenos pelo menos uma vez durante sua existência, Desenvolvimento, passando por vários estágios distintos e sequenciais que vão da concepção à morte.
1. Crescimento: absorção e reorganização cumulativa da matéria do meio ambiente; com a excreção de excessos e produtos "indesejados".
2. Movimento: dentro de casa (dinâmica celular), acompanhado ou não de locomoção no ambiente.
3. Reprodução: capacidade de gerar uma entidade semelhante a ela mesma.
4. Resposta aos estímulos: a capacidade de "sentir" e avaliar as propriedades do ambiente e de agir seletivamente em resposta a possíveis mudanças nessas condições.
5. Evolução: a capacidade das gerações sucessivas de se transformar gradualmente e se adaptar ao meio ambiente.
Esses critérios têm seus usos, mas sua natureza díspar os torna insatisfatórios de mais de uma perspectiva; de fato, não é difícil encontrar contra-exemplos, bem como exemplos que exijam mais elaboração. Por exemplo, de acordo com os critérios acima mencionados, pode-se dizer que o fogo vida de s.
Tal situação poderia ser facilmente remediada adicionando a exigência de limitação espacial, isto é, a presença de algum mecanismo que delimite a extensão espacial do ser vivo, como, por exemplo, a membrana celular em seres vivos típicos. Essa abordagem resolve o caso do fogo, mas também leva a novos problemas, como a definição de um indivíduo em organismos como a maioria dos fungos e certas plantas herbáceas, e não resolve definitivamente o problema, pois ainda se pode dizer que:
• as estrelas estão vivas, por razões ainda semelhantes às do fogo.
• geodos também podem ser considerados seres vivos.
• Vírus e similares não são seres vivos porque não crescem e não podem se reproduzir fora da célula hospedeira; caso extensível a muitos parasitas externos.
Se nos limitarmos a organismos "convencionais", alguns critérios adicionais podem ser considerados em busca de uma definição mais precisa:
1. Presença de componentes moleculares como carboidratos, lipídios, proteínas e ácidos nucléicos.
2. Composição por uma ou mais células.
3. Manutenção da homeostase.
4. Capacidade de especiação.
No entanto, mesmo nesses casos, alguns impasses ainda seriam detectados. Por exemplo, toda a vida na Terra é baseada na química de compostos de carbono, chamada química orgânica. Alguns argumentam que esse deve ser o caso de todas as formas possíveis de vida no universo; outros descrevem essa posição como chauvinismo de carbono, considerando, por exemplo, a possibilidade de vida baseada em silício.
Mais configurações
A definição de "vida" de Francisco Varela e Humberto Maturana (amplamente usada por Lynn Margulis) é a de um sistema aquoso autopoiético (auto-gerador), limites de lipoproteínas, metabolismo de carbono, replicação por ácidos nucléicos e regulação de proteínas, um sistema retornos negativos mais baixos subordinados a um retorno positivo mais alto. Stuart Kauffman define como um agente ou sistema de agentes autônomos capazes de reproduzir e concluir pelo menos um ciclo de trabalho termodinâmico.
A definição de Robert Pirsig pode ser encontrada em seu livro Lila: An Inquiry in Morals, como tudo o que maximiza sua gama de possibilidades futuras, ou seja, tudo que toma decisões que resultam em um número maior de futuros possíveis ou que mantém o maior número de opções abertas.
Os bioquímicos definiram a vida como um conjunto de moléculas que, em suas interações mútuas, desenvolvem um programa de auto-regulação cujo resultado final é a perpetuação da mesma coleção de moléculas. Um equilíbrio dinâmico que, ao trocar matéria e energia com o meio ambiente, permite a redução da entropia. Possivelmente, existem mais possibilidades para definir a vida, uma vez que ela pode ser conceituada com base no significado atribuído à "vida".
Descida modificada: um recurso útil
Uma característica útil na qual uma definição de vida pode ser baseada é a de descendentes modificados: a capacidade de uma determinada forma de vida gerar descendentes semelhantes aos pais, mas com a possibilidade de alguma variação devido ao acaso.
A prole modificada é suficiente por si só para permitir a evolução, desde que a variação entre a prole dê probabilidades diferentes de sobrevivência. O estudo dessa forma de hereditariedade, visto na natureza, é chamado de genética. Em todas as formas de vida e prisões excluídas conhecidas, que não são consideradas seres vivos, embora sejam incluídos vírus e viróides, a classificação ainda é incerta - o material genético consiste principalmente em DNA ou outro ácido nucleico comum, o RNA.
Uma crítica a esse critério surge quando se considera o código de certas formas de vírus e programas de computador estruturados por meio de programação genética: a questão dos programas de computador pode ser considerada um ser vivo, dada essa definição, é certamente um assunto controverso.
Exceções à definição comum
Muitos organismos são incapazes de se reproduzir e, no entanto, são seres vivos, como mulas e formigas operárias. No entanto, essas exceções podem ser levadas em consideração aplicando a definição de vida na espécie ou no nível de cada gene. No entanto, novas questões sobre essa abordagem são inevitáveis ao considerar tópicos específicos, como a seleção de parentesco, que fornece informações adicionais sobre a possibilidade de indivíduos não reprodutivos serem capazes de, no entanto, aumentar a dispersão de seus genes e a sobrevivência de sua cepa.
Quanto aos dois casos em que o fogo e as estrelas se encaixam na definição de vida, ambos podem ser facilmente remediados definindo o metabolismo de uma maneira mais bioquimicamente precisa. Em seu livro Fundamentos de Bioquímica, Donald e Judith Voet definem o metabolismo da seguinte forma:
"O metabolismo é o processo geral pelo qual os sistemas vivos adquirem e usam a energia livre necessária para desempenhar suas várias funções. Eles fazem isso combinando as reações exoérgicas da oxidação de nutrientes com os processos endoérgicos necessários para manter o estado vivo, como a execução de trabalho mecânico, o transporte ativo de moléculas contra gradientes de concentração e o biosynt hese de moléculas complexas. "
Essa definição, usada pela maioria dos bioquímicos, deixa claro que o fogo não está vivo, pois libera toda a energia oxidativa de seu combustível em uma reação "explosiva", na forma de calor.
Os vírus se reproduzem, as chamas crescem, as máquinas se movem, alguns programas de computador sofrem mutações, evoluem e, no futuro, provavelmente exibem comportamentos altamente complexos; no entanto, eles não são seres vivos através dessa definição. Por outro lado, na origem da vida, células com metabolismo sem sistema reprodutivo podem muito bem ter existido. A maioria, no entanto, também não considera essas entidades como seres vivos, e geralmente todas as cinco características devem estar presentes para que um ser seja considerado vivo.
Definição biológica moderna
Diante desse impasse, tendo em vista a definição mais atual e, além das propostas não corroboradas de fato, elas certamente sabem que, biologicamente, a vida é um fenômeno natural que pode ser descrito como um processo contínuo de reações químicas metabólicas que ocorrem em um ambiente evolutivamente estruturado. a fim de tornar a ocorrência e a manutenção de tais reações favoráveis; que são sempre feitas sob controle direto ou indireto de um grupo de moléculas especiais, ácidos desoxirribonucleicos ou simplesmente DNA.
A presença de DNA ou, de uma maneira "equivalente", RNA, é atualmente uma condição necessária para a definição de um ser vivo, porém ainda é discutido se a presença de uma forma potencialmente funcional dessa molécula é uma condição suficiente para definir isto. A classificação dos vírus como seres vivos ou não é ainda incerta.
A vida no contexto religioso
O conceito de vida é notório o suficiente para não passar despercebido pelos religiosos. É baseado no princípio da vida ou na existência da alma (na crença cristã, sendo exclusiva para os seres humanos); na existência animada (do termo latino anima) no caso; ou a duração da existência animada de um indivíduo ou entidade.
De uma perspectiva cristã, no caso bíblico, como na vida terrestre e física, coisas que têm vida, em geral, têm capacidade de crescimento, metabolismo, reação a estímulos externos e reprodução. A palavra hebraica usada na Bíblia e a palavra grega, a palavra hebraica e o termo grego que significa "alma", também são usadas para se referir à vida, não em um sentido abstrato, mas à vida como pessoa ou animal. Compare as palavras "alma" e "vida", conforme usadas no Livro de Jó, capítulo 10, versículo 1; Salmos, capítulo 66, versículo 9; Livro de Provérbios, capítulo 3, versículo 22. Segundo a Bíblia, a vegetação tem vida, operando nela o princípio da vida, mas não a vida como alma. A vida, no sentido mais amplo, aplicada aos seres inteligentes, é a existência perfeita, com direito à alma. O conceito dentro da fé religiosa transcende, no entanto, a ciência e a biologia modernas, sem apoio de qualquer natureza científica moderna que corrobora a existência da alma. O animismo tem sido demitido pela ciência neste caso.
Origem da vida
A origem da vida levanta questões científicas, religiosas e filosóficas.
Ainda não existe um modelo consensual para a origem da vida, mas a maioria dos modelos atualmente aceitos é baseada de uma maneira ou de outra nas seguintes descobertas:
1. Condições prebióticas plausíveis resultam na criação das moléculas orgânicas mais simples, como demonstrado pelo experimento de Urey-Miller.
2. Os fosfolipídios formam espontaneamente camadas duplas, a estrutura básica da membrana celular.
3. Processos para a produção aleatória de moléculas de RNA podem produzir ribozimas capazes de se replicar sob certas condições.
4. A árvore da vida converge todos os seres vivos conhecidos para um único ponto de ancestralidade comum.
Existem muitas hipóteses diferentes a respeito do caminho percorrido desde moléculas orgânicas simples até protocélulas e metabolismo. A maioria das possibilidades tende à primazia dos genes ou à primazia do metabolismo; uma tendência recente é procurar modelos híbridos que combinem aspectos de ambas as abordagens.
Segundo o astrônomo e astrofísico Thomas Gold, a Teoria da Biosfera Profunda e Quente indica que há fortes evidências de que a vida microbiana é extremamente difundida nas profundezas da crosta terrestre. De acordo com essa teoria, a vida foi identificada em vários locais no fundo do oceano, ligados a emanações primordiais de gás. Essa vida não depende da energia solar e da fotossíntese como sua principal fonte de suprimento de energia, e é essencialmente independente das circunstâncias da superfície terrestre. Seu suprimento de energia provém de fontes químicas, devido aos fluidos ascendentes, provenientes de níveis mais profundos na Terra. Os seres unicelulares que vivem nesses ambientes agora são classificados em seu próprio super-reino, o Archaea, e podem muito bem proteger os mecanismos que deram origem aos primeiros seres vivos.
Segundo a teoria, em massa e volume essa biosfera profunda pode ser comparável a toda a vida da superfície. Essa vida microbiana poderia, em princípio, explicar a presença de moléculas biológicas em todos os materiais na crosta e, considerando que esses materiais são inteiramente provenientes de depósitos biológicos acumulados na superfície, não seriam necessariamente válidos.
A vida como conhecida pode ser encontrada em uma hipótese generalizada também dentro dos corpos planetários do nosso Sistema Solar ou mesmo em objetos isolados vagando no espaço interestelar; já que muitos deles têm condições tão adequadas para que isso aconteça como as encontradas em certas situações aqui na terra, embora ainda constituam ambientes totalmente inóspitos em suas superfícies para quase todos os seres vivos. Pode-se até especular que a única alternativa é a vida ser amplamente distribuída no universo, habitando desde corpos planetários em nosso sistema solar até outros sistemas estelares. Hoje, sabe-se que nossa tabela periódica é responsável por descrever toda a química do universo.
A vida como a conhecemos é baseada em carbono e água, e a energia é normalmente obtida pela presença de oxigênio, seja livre no ar ou liberado pela redução de compostos como óxidos, sulfatos e outros. As fontes de carbono estão relacionadas aos hidrocarbonetos primordiais, especialmente o metano. Tais substâncias primordiais estão amplamente distribuídas no universo, e considerar que os processos que as originaram ocorreram somente aqui na Terra é para muitos, nesses termos, pelo menos muita pretensão. Uma extensão desse argumento nos leva à hipótese da panspermia.
Especulações à parte, de fato, porém, a vida como é conhecida quase certamente surgiu e certamente evoluiu na Terra. Segundo o físico Marcelo Gleiser em seu livro "Criação imperfeita", a vida teria aparecido na Terra cerca de 4 bilhões de anos atrás. Os primeiros registros fósseis de vida datam dos estromatólitos formados na era paleoarqueana do éon arqueano, cerca de 3,430 bilhões de anos atrás.
A natureza, em seu sentido mais amplo, é equivalente ao "mundo natural" ou "universo físico". O termo "natureza" refere-se aos fenômenos do mundo físico e também à vida em geral. Geralmente não inclui objetos feitos pelo homem.
A palavra "natureza" vem da palavra latina natura, que significa "qualidade essencial, disposição inata, o curso das coisas e o próprio universo". Natura é a tradução latina da palavra grega physis, que em seu significado original se referia à forma inata em que plantas e animais crescem espontaneamente. O conceito de natureza como um todo - o universo físico - é um conceito mais recente que adquiriu um uso cada vez mais amplo com o desenvolvimento do método científico moderno nos últimos séculos. Dentro dos vários usos atuais dessa palavra, "natureza" pode se referir ao domínio geral de diferentes tipos de seres vivos, como plantas e animais, e em alguns casos aos processos associados a objetos inanimados - a maneira pela qual as diferentes particularidades existem tipos de animais. as coisas e suas mudanças espontâneas, bem como o clima atmosférico, a geologia da Terra e a matéria e energia que esses seres possuem. É frequentemente considerado como "ambiente natural": animais selvagens, rochas, florestas, praias e, em geral, todas as coisas que não foram substancialmente alteradas pelos seres humanos ou que persistem apesar da intervenção humana. Este conceito mais tradicional de coisas naturais implica uma distinção entre o natural e o artificial, este último entendido como algo feito por uma mente ou uma consciência.
Etimologia
Latim, natura, comp. pelo tema natus, p.pass. de Nascere = Nascer e Urus = Sufixo do particípio futuro de Oritur = Surgir, gerar, a força que gera.
O que aparece, o que ocorre por nascimento. O que é e faz por nascimento, de acordo com leis universais aplicadas a um contexto preciso. Ordem ou sistema de leis que precedem a existência das coisas e a sucessão dos seres. O conjunto de todos os seres que compõem o universo. Essência e qualidade inerente a um ser. Também entendida como "qualidade, natureza, gênio, tipo, caráter" de um ser.
Vida
Uma pata com seus filhotes
Embora não exista consenso universal sobre a definição de vida, os cientistas geralmente aceitam que a manifestação biológica da vida seja caracterizada pelos seguintes fatores ou funções: organização, metabolismo, crescimento, adaptação, resposta a estímulos e reprodução, seres vivos (reinos vegetais) (animais, fungos, protistas, arquéias e bactérias) têm essas propriedades em comum: são constituídas por células, têm uma organização complexa baseada no metabolismo da água e do carbono e têm a capacidade de crescer, responder a estímulos e se reproduzir. Portanto, uma entidade que satisfaça essas propriedades é considerada viva.
A biosfera é a parte da camada mais externa do planeta Terra, incluindo ar, terra, rochas superficiais e água, e é nessa parte que a vida evoluiu e onde são feitas e transformam processos bióticos. De uma visão muito ampla da geofísica, a biosfera é o sistema ecológico global que integra todos os seres vivos e seus relacionamentos, incluindo sua interaçãocom os elementos da litosfera (rochas), hidrosfera (água) e atmosfera (ar). Atualmente, estima-se que a Terra contenha cerca de 75 bilhões de toneladas (7,5 kg x 1013) de biomassa, presente em vários ambientes da biosfera. Cerca de nove décimos da biomassa total da Terra são plantas, das quais a vida animal depende da sobrevivência. Até o momento, mais de 2 milhões de espécies de plantas e animais foram identificadas, e as estimativas do número real de espécies existentes variam de alguns milhões a 50 milhões de espécies. O número de espécies existentes varia constantemente, à medida que novas aparecem e outras deixam de existir em uma dinâmica contínua. Atualmente, o número total de espécies está passando por um rápido declínio.
Eu simplesmente quero dizer que a vida é irmã da morte pois a morte é irmã da vida que provavelmente existe um termo de construção que estamos simplesmente percorrendo um caminho que devemos buscar provas reais da existência da vida nos mortais que é a maneira mais ponderada de construir, construir e evoluir o ser humano que passou por uma metamorfose que seria efetivamente o oposto de morrer por uma fatalidade pela qual vemos a vida distraída em um contexto de testemunhar sua existência e afeto de passar por um caminho mais diferente. Por outro lado casualmente buscamos certezas sobre as incertezas que naturalmente devem ter uma construção que coloque tudo em harmonia bem como uma desconstrução que coloca tudo em total desagrado a que chamamos tempo de ida e volta que está escrito na Bíblia que Deus criou o céu e o mar e os homens construíram uma fonte muito boa sobre suas relações com a vida que sempre emanavam de nós em um contexto de nos revelar e mostrar as realidades do dia a dia Por uma incompatibilidade de tempo e dois dias, tudo se torna alvo de circunstâncias de amor e ódio onde o homem pode entender e entender suas necessidades de evolução e origem que o completaram dez anos desde o início do mundo em que Deus criou Adão e Eva no paraíso. É como a Bíblia Sagrada diz e eles cometeram uma perdição por comer da árvore da vida e foram expulsos do paraíso e do mundo se materializaram em uma metamorfose em que o homem é um deus desde o início em que os deuses construíram o monte Olimpo e o fizeram o ser humano entender sobre seus desejos e pensamentos como vida e morte deve ser como um sonho de entrada e saída no qual o mundo seria encontrado possuidor de prazer e vontade e todos gozariam de todas as necessidades que a vida e suas relatividades se um domínio fosse estabelecido entre seres humanos e animais que efetivamente e em tudo parassem com suas habilidades, rações, cumplicidades, entendimentos e ações nas quais o homem pudesse estabelecer uma conduta ou doutrina entre tribos e grupos que construiu o mundo e apreendeu o que a vida lhe ensinou e entendeu sobre a morte e a vida que simplesmente deveria estabelecer uma lógica de permanecer intacto sobre sua natureza mais do que provável, incertezas mais do que dispensável ao ser formalizado. O homem primata entre um duelo com os dinossauros até a era contemporânea que estabeleceu uma identidade mais se assemelha às desconstruções e construções da vida deixando a terra como uma emanação criativa de uma existência fenomenal do ser vivo que se tornou homem, mulher e animais. Preservada todas as modalidades que supostamente também o homem pode ter vindo do macaco como homem primitivo e que o mundo se originou de uma grande explosão causada por um asteroide em que destruiu a face da terra e tudo começou do nada como também, é disse que o mundo se originou de uma grande explosão em que o universo era densamente quente e que tudo geram partículas formalizadas em átomos em que a vida na Terra era formada estabelecendo seres humanos e animais nos quais a palavra de deus se origina como uma emanação de eventos a partir de um elo que podemos simplesmente dizer que fomos construídos e formalizados em uma alquimia mais focada no absinto como uma essência teria assumido a forma de uma serpente à medida que o mundo melhorava dentro de uma harmonização natural da natureza entre quatro elementos construtivos que emanam vida no ar, na água, na terra e no fogo nos quais seus gênios podem nos formalizar sobre um átomo e lógica na qual a matéria seria parte de tudo e em uma fração menor de um elemento no qual as partículas atômicas estariam ou estariam em um pequeno intervalo de tempo no qual elas se formariam em um corpo atômico chamado de átomo no tempo e espaço, o universo se tornando mais entre os espaços deixando tudo e criando tudo sobre uma fuga da vida planetária e seus modos de sair e entrar como criação e destruição em que Deus seria um fator homogêneo do universo e onipotente de todas as coisas em que eles foram criados em um contexto de construção e destruição sendo deus entre várias questões de clarividência entre a vida como luz, como emanação da vida e ódio.
Como destruição da morte também conhecida como o diabo que representa as chamas, o fogo eterno de deus emanado pelo diabo que é o próprio deus na forma de luz em representação da vida que supostamente nunca desapareceu e sempre subiu acima de todas as coisas do paraíso que seria um ponto de partida para todas as almas em que nos formalizamos como céu e inferno seria o lado sombrio da vida que simbolizaria o diabo em que ele levaria os lamas ao purgatório como penalidade e pecado mortal sobre a vida e a morte e o mundo não estabeleceriam outra conduta mas o céu e o inferno como uma representação da vida e da morte entre um único deus, pois havia apenas um deus e o diabo que de duas formas estabeleceria um como o mundo que também se originou como um grande uma explosão que sai e entra em fuga quando tudo foi formado e formalizado deixando a terra um lugar para morar e morrer onde as duas esferas nos mostram mais esse pecado maior e não crer em Deus e salvação seria crer em Deus o Todo-Poderoso Criador dos céus e da terra em que a vida sempre revelou seus mistérios para nós tanto nas profundezas do céu quanto da terra que sempre nos rebelou sobre vários propósitos de luz e escuridão com a vida sendo algo superlativo sobre uma natureza prodigiosa que sempre nos formalizou por sua existência e subsistência, na qual são conhecidas como boas e más tornando-se tudo na luz e nas trevas com a vida se tornando algo como um círculo no qual podemos viver e morrer como construção e destruição da vida por causa da morte que é escura, fria quando a vida seria mais sutil porque é clara, branca e quente, tudo sobre uma alquimia de uma existência fenomenal na qual podemos simbolizar sua capacidade , cumplicidade e construção em uma emanação de tempo e espaço em quanto o universo sempre pode nos expandir em seus fluxos vibratórios e pulsantes e se expande sendo sutil e destruindo sempre denso sob uma atmosfera mais quente que a terra que se forma em tudo e para todos um espaço esquecido no qual são totalizadas as horas, minutos e segundos em uma fração de tempo menor que se forma em átomos e sempre dando mais espaço ao seu tamanho e tamanho. Quero dizer que a vida é irmã de mãe ou como a morte é irmã da vida, provavelmente existe um termo de construção que estamos simplesmente seguindo ao longo de um caminho que devemos procurar por provas reais da existência de vida nos mortais que na maioria das vezes, maneira pensativa de construir, construir e evoluir o ser humano passou por uma metamorfose que seria efetivamente o oposto de morrer em uma fatalidade pela qual vemos a vida se distrair em um contexto de testemunhar sua existência e afeto de passar por um lado mais diferente do que casualmente buscamos as certezas sobre as incertezas que naturalmente devem ter uma construção que coloque tudo em harmonia bem como uma desconstrução que coloque tudo em total é uma afeição que chamamos de tempo de ida e volta em que certamente podemos viver e certamente prevalecer a vida verdadeira.
Talvez estejamos vivendo ou transmitindo uma história que hoje possa entender completamente seu valor mais completo que nos distingue de perceber talvez entre o amor que nos faz odiar e amar sobre um sentimento que podemos sentir e que nossos sentimentos passam despercebidos para amar de verdade uma mulher com quem ainda predominamos nossas vontades em relação a certas coisas com as quais sonhamos e achamos que há pouco ou mais desempenho entre nossas vontades que ainda estamos aprendendo hoje a conquistar a vida e talvez ainda somos ou sejam precários em nossas vontades para alcançar algo que nos dá prazer sob certas circunstâncias em que dizemos que podemos dominar algo que nos favorece entre talvez nossa vontade e que pode haver indiferença entre o amor de uma mulher que simplesmente nos faz amar sua existência melhor do que podemos e nós passar despercebido sobre uma vontade imprópria de prevalecer sobre um duelo que no passado como ele mesmo diz que os antigos chamavam e custavam entre certas maneiras de amar e morrer por amor entre a luta e o desespero de encontrar uma explicação verdadeira entre a conquista de enfrentar uma mulher e entre seus preconceitos e preconceitos que talvez possamos dizer que todos fomos atraídos pela fúria do desejo avassalador que nos faz sustentar que todos caímos juntos naquele momento em que somos atraídos pela vontade e beleza de uma verdadeira mulher embora sejamos diferentes em relação ao nosso amor que suspiramos em ódio por suspeitarmos da verdade que só queremos conter entre si no meio de um preconceito catastrófico e preconceituoso. Mundo que sofremos um pouco de mágoa e convívio social que está nos ensinando talvez a encontrar uma resposta mais desejável à nossa coragem de que algum dia possamos entender a força sentimental de uma mulher que ela nos mostra e nos faz desfrutar de nossas deficiências sem sentir dor porque estão entre um desejo de que o amor de uma mulher que nos faz amar com corpo e alma e isso simplesmente nos levaria a um paraíso fluente e incomparável que manteria nossos corações pela força que mudaria biologicamente sobre nossas funções orgânicas que só entrariam naquelas entre as duas coisas que pareceriam o paraíso preencheria mais do que sentimentalmente vazios como uma cura que faz o homem gemer sem sentir dor como uma expressão de cura para o amor em meio a um desejo que algum dia possamos entender sobre o amor é suficiente para que nada neste mundo nos cubra entre certas fantasias que nos fazem perceber nossos desejos que estão sempre valorizando uma mulher e seus aspectos predominantes como reflexos de uma vida aventureira que nos faz conhecer certos caminhos que nos afastam de nossas consciências de que a sociedade sempre terminará, ele discrimina mulheres pobres dispensadas por homens incertos que ainda podem valorizar uma mulher verdadeira mais do que nunca em todos nunca diga adeus ao seu prazer porque ele está entre muitas pessoas indesejáveis mesmo que Eles são todos iguais e nos mostram seu valor que apenas nos faz gemer sem sentir dor e que podemos ver e ver o que seus rostos significam para nós dentro da alma como um fluido emocional que nos falta isso nos faz crepúsculo e caímos entre os olhos femininos dela quando nos sentimos atraídos por sua natureza e beleza física que nunca esqueceremos e deixaremos para trás uma margem onde algum dia possamos entender sua magnitude. Motivar entre um desejo de amar que nos faz gemer desse desejo entre um aspecto feminista no qual nos faz gemer sem sentir dor.
Quero falar de um passado que nos domina em um contexto que simplifica o amor pelo prazer magnífico de uma mulher em que contamos várias histórias mesmo em canções que o homem por ser exuberante e travesso não se limita ao prazer de uma mulher. Mulher em quem seu ódio se torna amedrontado, pois prova que suas emoções estão sob o fascínio de preservar seu amor que talvez possamos dizer que estamos aprendendo a viver e a amar ainda em um efeito que nos faz sentir divididos entre os meios emocionais em que quase tudo nos faz perecer. Domínios da vida em que tomamos como chave da existência a pura beleza e delicadeza de uma mulher bonita que pode não ter prazer e que tudo mudou em relação a uma resistência de amor e prazer em que o prazer seria justificado por uma classificação na qual supomos ser incapacidades livres sobre um encanto que podemos fantasiar sobre certas pessoas que apenas podem nos fazer ganhar o que procuramos e que essa coisa pode combinar conosco e o que nos leva a entender verdadeiramente seu valor das profundezas da alma em que nos transcendeu ao longo de um processo no qual podemos remover o verdadeiro sentimento da dor por mais que não estejamos combinados sobre a mesma existência e que tudo nos levará ao prazer em que essa fração honesta desfrutamos de nossas vontades sem sentir dor como expressão dessa música que a mulher tem em seu rosto dois brilhantes, pois nos reflete como alma e chama nossas vontades e que podemos desfrutar deste paraíso que dispensamos de tudo na vida neste momento em que podemos dizer que fazem amor e deixam para trás os contratempos que nos esfregam na vida e desfrutam do prazer da carne sem sentir dor e permanecem juntos em duas faces que no fundo podem se unir para sempre na vida.
Tudo começa com uma briga entre gregos e troianos por Elena, esposa de Menélau. Contamos a história de um cavalo de madeira que terminou uma guerra de dez anos. Menélau, o maior dos espartanos derrotou Palis o grande sedutor humilhando a família de Hector em honra caprichosa, jovem bonita e afetuosa faz o homem gemer sem sentir dor.
Alexandre o desumano fundador da famosa Alexandria conquistada na Grécia e destruiu quase toda a população de Tebana, a beleza atraente de Roxana dominou o maior conquistador e depois de vencer é a vencedora que se deu para pagar mais do que uma jovem bonita e amorosa que faz o homem gemer sem sentir dor, a mulher tem dois brilhos no rosto quando dois anos de seus destinos, que não ama o sorriso feminino não conhece a poesia de Cervantes, a bravura dos grandes navegadores que encaram o céu em sua cura, se fosse não para a mulher de Maus a flor seria uma mentirosa, uma moça bonita e afetuosa faz o homem gemer sem sentir dor, Vigulino Ferreira o Lampião bandoleiro das selvas do nordeste sem medo de perigo ou ruína era o rei do cangaço do sertão, mais um dia ele sentiu o atraente feitiço de amor em seu coração, a mulata da terra do condor dominava uma fera perigosa, uma bela e bela jovem carinhosa faz um homem gemer sem sentir dor. O homem por ser exuberante e travesso não se restringe ao prazer de uma mulher em que seu ódio se torna amedrontador pois prova que suas emoções estão sob o fascínio de preservar seu amor que talvez bem podemos dizer que estamos aprendendo a viver e amar ainda com um efeito que nos faz sentir divididos entre meios emocionais em que quase tudo nos faz perecer nos reinos da vida em que tomamos como chave da existência a pura beleza e a finura de uma mulher bonita que pode não ter prazer e que tudo mudou sobre uma resistência de amor e prazer em que o gozo seria justificado por uma classificação na qual supomos estar livres de incapacidades sobre um encanto que podemos fantasiar sobre certas pessoas que simplesmente pode nos fazer ganhar o que buscamos e que essa coisa pode corresponder a nós e o que nos faz realmente entender seu valor das profundezas da alma na qual ela nos transcendeu ao longo de um processo no qual podemos remover o verdadeiro sentimento da dor , não importa o quanto combinemos a mesma existência e que tudo nos levará ao prazer em que essa fração honesta desfrutamos de nossas vontades sem sentir dor como expressão dessa música. A mulher tem em seu rosto dois brilhantes pois nos reflete como alma e chama nossas vontades e que podemos desfrutar deste paraíso que dispensamos tudo na vida na época em que podemos dizer que fazemos amor e deixamos os contratempos que esfregam nós na vida para trás e desfrutamos do prazer da carne sem sentir dor e permaneceremos juntos em duas faces que no fundo podem se unir eternamente sobre a vida. Simplesmente quero dizer que a vida é irmã da morte, pois a morte é irmã da vida que provavelmente existe um termo de construção em que estamos simplesmente caminhando por um caminho que devemos procurar por provas reais da existência de vida nos mortais que da maneira mais ponderada de construir, construir e evoluir o ser humano passou por uma metamorfose que seria efetivamente o oposto de morrer por uma fatalidade na qual vemos a vida se distrair em um contexto de testemunhar sua existência e afeição de passar por um caminho mais diferente. Lado em que casualmente procuramos por certezas excedentes as incertezas que naturalmente devem ter uma construção que coloque tudo em harmonia bem como uma desconstrução que coloca tudo em total desagrado que chamamos de tempo de ida e volta que está escrito na Bíblia que Deus criou o céu e o mar e os homens construíram uma fonte muito fina sobre suas relações com a vida que sempre emanava de nós em um contexto de revelar e mostrar as realidades de o dia em que por uma diferença de tempo e dois dias tudo se torna alvo de circunstâncias de amor e ódio onde o homem pode entender e entender suas necessidades de evolução e origem que o completaram dês o começo do mundo em que Deus criou Adão e Eva no paraíso e como a Bíblia Sagrada diz e eles cometeram uma perdição por comer da árvore da vida e foram expulsos do paraíso e do mundo materializado em uma metamorfose na qual o homem é um deus desde o início em que os deuses construíram o Monte Olimpo e que fez o ser humano entender sobre seus desejos e pensamentos como vida e morte deveria ser como um sonho de entrada e saída no qual encontraríamos ao mundo um conjunto de doutrinas religiosas de caráter sincrético, místico e de iniciativa, possivelmente acrescentadas à filosofia, reflexões que buscam o conhecimento da divindade para alcançar certamente a elevação espiritual do homem em sua vida.


Por: Roberto Barros
ROBERTO BARROS XXI
Enviado por ROBERTO BARROS XXI em 18/06/2020
Reeditado em 18/06/2020
Código do texto: T6980540
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
ROBERTO BARROS XXI
Olinda - Pernambuco - Brasil
692 textos (53069 leituras)
202 áudios (3601 audições)
50 e-livros (861 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/08/20 19:21)
ROBERTO BARROS XXI