Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A LENDA DE PIGMALIÃO E GALATEIA

________________________________________________________

Recontando a Mitologia

 

A história de Pigmalião e Galateia (sua estátua favorita) é uma das lendas de amor mais inverosímeis e estranhas da mitologia grega. Vou contá-la aqui, segundo minha interpretação.

Pigmalião era rei de Chipre e um hábil escultor. Seus namoros com as mulheres cipriotas só acumularam problemas, pois sempre acolhia as mulheres erradas. Via tantos defeitos e indecências nessas mulheres que começou a abominá-las. Sentindo-se deprimido, decidiu que nunca iria se casar com qualquer moça e optou por viver isolado e imerso em seu trabalho de escultor. Passou a dedicar todo o seu tempo livre a talhar; e, como não era insensível à beleza feminina, esculpiu uma figura feminina em marfim, usando habilidades requintadas. Era a mulher ideal para fazer-lhe companhia. A figura esculpida era de uma beleza tão grande e parecia tão viva, que Pigmalião apaixonou-se por sua criação.

Ele a adornou com roupas, colocou anéis em seus dedos e um colar de pérolas no pescoço. Ficava horas com a estátua, beijava-a, apalpava-a para verificar se estava viva (não conseguia acreditar que se tratasse apenas de marfim) e dava-lhe presentes com os quais toda mulher sonha. Passava o tempo e Pigmaleão sentia-se cada vez mais atraído por aquela figura que considerava a sua obra prima.

Realizava-se, com grande pompa, em Palea (onde havia um importante santuário dedicado a Afrodite), um festival a deusa da beleza e do amor. Após Pigmalião ter executado sua parte nas solenidades, parou diante do altar e invocou a deusa pedindo-lhe que lhe permitisse encontrar uma mulher igual à estátua de marfim.

A deusa Afrodite, apiedando-se dele e atendendo ao pedido, e não encontrando na ilha uma mulher que chegasse aos pés da que Pigmaleão esculpira, em beleza e pudor, transformou a estátua numa mulher de carne e osso e a nomeou de Galateia. Quando voltou para casa, Pigmalião beijou Galateia como era seu costume. No calor do seu beijo, ele apertou seus lábios a lábios tão reais, que, surpreso, teme estar enganado; Ele a beijou novamente e colocou a mão sobre a perna de Galateia e o que fora marfim agora era pele macia que se rendeu a seus dedos. Sentindo os beijos Galateia corou, e abrindo seus tímidos olhos à luz, fixa-os no mesmo instante em Pigmalião, que a envolveu em seus braços e sentiu um coração que pulsava como o dele.

Com a benção de Afrodite, Pigmalião e Galateia se casaram; tiveram uma filha, Metarme (era tão bela que até o próprio Apolo a pretendeu), e um filho, Pafos, que deu seu nome a cidade cipriota de Pafos. E viveram felizes. ®Sérgio.

Leia Também: (clique no link)

O Mito de Alectrion

O Complexo De Electra

A Condenação De Dânae

____________________

Nota do Texto: A mais antiga fonte da lenda é uma obra de Filostéfano de Cirene (séc. III a.C.), De Cypro, uma história da ilha de Chipre. O relato mais conhecido, no entanto, é o de Ovídio em sua obra Metamorfoses. A versão mais moderna da lenda é a peça-musical de Bernard Shaw, Pigmalião, ou My Fair Lady.

Imagem: Tela de Ernest Normand, (1886).

Se vocêencontraromissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquercomentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 03/02/2010
Reeditado em 25/08/2012
Código do texto: T2067774
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 71 anos
1281 textos (28732948 leituras)
7 e-livros (10098 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/05/19 11:45)
Ricardo Sérgio