Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

          Aos domingos, os caipiras dos arredores da bodega do Lima, reuniam-se para bater papo e escutar as novidades que o dono da bodega trazia das visitas à pequena cidade vizinha. Era ano de eleições e, entre um e outro trago, o assunto rondava os nomes dos candidatos. As opiniões dividiam-se, mesmo sem compromisso com ideologias, discutiam sobre qualidades dos candidatos. Uns compadres disseram:
— Parece que o Juca  honra o fio de bigode, merece confiança.
Na mesma hora, a maioria retrucou, dizendo: Será? Temos que pesquisar p’ra ver se ele não mente, porque quem mente rouba, é perigoso.
Um moreno de olhos verdes interferiu. Cuidado!  O Xico  nem pensar, é comunista só quer pobreza para os outros, se ganhar a eleição, “a vaca vai p’ro brejo”, nos larga perau abaixo. Pelo amor de Deus não estraguem a minha vida, votando nele.
         Foi um alvoroço, surgiram outros nomes de candidatos, logo apagados com o predomínio dos mais graves defeitos. Só concordavam num ponto: é preciso seriedade, competência, empreendedorismo e boa formação moral. Confusão formada, ninguém se entendia, o Zeca, apaixonado pelo seu simpático candidato, armou uma briga de palavras, dizia:
Não admito calúnia; vocês estão querendo difamar um homem sério, honesto, ele é o melhor de todos.
        O Lima, dono da bodega, procurou acalmar os ânimos, oferecendo, aos fregueses, uma roda de cerveja, pouco gelada. Voltaram a sorrir, começaram algumas piadas de salão.
         Bruno, metido a letrado, escutava as notícias de rádio, assistia aos debates e ia à cidade uma vez. por semana. Visitava os comitês eleitorais, coletava folhetos informativos e comprava jornais. Percebeu que o momento estava propício para uma entradinha de propaganda, pediu a palavra e fez um discurso sobre as peculiaridades do seu candidato. Depois de inúmeros elogios, com a plateia atenta e silenciosa, reforçou as qualidades do Dr.Florisbelo. Explicou:
— Ele é um homem pobre, não tem carro, vive em um apartamentinho sem elevador, merece nossa confiança. Um silêncio de ouro!
Levantou-se um baixinho, jovem, bigode grande, chamado Baltazar e falou alto:

— Seu Bruno, por esta eu não esperava, nunca ouvi dizer que pobreza fosse vantagem.
Caíram na gargalhada e seu Bruno tentou explicar, mas não conseguiu.
O Baltazar continuou com suas hipóteses:
— Conheço gente rica honesta que trabalha, administra o que tem e respeita o alheio. Este cara tão pobre não me serve, ou não trabalha, não faz economia ou não sabe administrar seu dinheiro. Como é que vai gerenciar o que é do povo? Se entrar lá vai sair rico. Não. Meu voto não!        
Sentou-se calmo. A discussão pegou fogo, ninguém mais se entendia.
Voltaram a falar do Juca. Comprometeram-se com a pesquisa sobre sua idoneidade moral. Consenso!
Combinaram novo encontro para a apresentação da melhor escolha de cada um.
Foram para suas casas esfriar a cabeça, coletar informações oficiais e pensar na eleição.
 
 
 
         
 
Izabel Camargo
Enviado por Izabel Camargo em 18/10/2014
Código do texto: T5003921
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Izabel Camargo
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 87 anos
508 textos (18496 leituras)
5 áudios (233 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/05/21 02:18)
Izabel Camargo

Site do Escritor