Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LAPIS LAZULI /AMOR/ CIÚME / DÚVIDAS / A VIDA / O RELÓGIO./CURIOSIDADE DO &

Lia Lúcia de Sá Leitão 09/9/2007
Para Lápis-lazulli com carinho.
Na tua música está a minha letra
Em teu cantar
Estou toda ouvidos
Sinto a vibração da viola
Como a chuva que bate contra a janela
E escorre como a lágrima destinada a um amor sem domínios
Sem limites
Sem realidades
As minhas lágrimas soltam as amarras da mulher que sente o palpitar do poema
Vivencia o soluçar da emoção, e faz de seu próprio silêncio
O delírio da melodia e do ritmo
Da voz em delírio
Na mão que toca o instrumento
 desejos de bis.
O sabor dos tempos comuns é mudar as poeiras da estante e seguir ao som
Vem e eu te espero!
É tarde!
A melodia dos desejos não aplaca o desejo da posse,
aflito o sono mente que dorme tranqüilo
e o fantasma que é só teu
atravessa de um lado a outro a parede do quarto, deita ao lado da cama
brinca com os cabelos loiros de quem sofre a falta de afago,
segredar ao vazio da alma a negação dos carinhos na penumbra do quarto que jamais será nosso
 e quando a noite se vai os mais  extravagantes desejos exalam seus cheiros
 delírios tomam a carne
 que pode acontecer
 o toque proibido
a mão mais atrevida
uma lembrança atrevida do teu sorriso
tudo está guardado
na tua música.
 Deixe que embebede dos beijos doces
E no mergulho ir ao âmago do sonho
Viver em teu universo
E deixar que meus olhos filmem os teus olhos molhados de luz
Deixe que mergulhe em teu corpo e sinta o sabor do néctar de tua felicidade
Conhecer teu toque firme em meu corpo elétrico
Na sintonia de viver os mais loucos encantos
Dessa doce sinfonia.
Deixe que enlace os teus braços em abraços firmes
Faz de mia viola que segue contigo pelos bares
Viola meus preconceitos ocidentais
Dedilha em mima canção que se faz de amor
Na calada da noite, no silêncio do mar
Faz desse instante
O poema eterno
Amor
A VIDA
Lia Lúcia de Sá Leitão -  05/09/2007 (Normanda)
A vida modifica e leva com ela o tempo de dor e sofrimento, a solidão silenciosa dos segredos das paixões.
Venham os príncipes dos reinos encantados, pulando muros, subindo montes, deslizando nas depressões da estrada.
Sublimem as alturas dos mosteiros e seguram-se às heras que encobrem as paredes.
Acenem os lenços brancos nas noites sem luas, chamem o nome da amada com gritos de felicidade, soltem fogos, estarei ali a espera com fogos, sorrisos, coração cheio de alegria e felicidade, a sua princesa pós moderna espreita a avenida, espera a ligação para a realização da promessa
de amor.
As feridas cicatrizaram e o temporal inquietante que abalou a noite longa passou.
O Sol b rilha sem nuvens , astro Rei repudia a dor.
Os náufragos da tormenta encontraram a Ilha
O coração da amada bate num ritmo de paz
Visionário da sorte, acendeu a Lua e fez a chuva molhar o chafariz
Os beduínos do mar, os corsários dos desertos da alma partiram todos ao mesmo tempo,
Perderam a existência de possuir o coração do herói , perderam a alegria de dominar a mão do escritor,
Perderam de cortar o elo
 esguicho a seiva entre o homem e a mulher
Os cheiros da carne
Os delírios das mãos
e o encontro se faz entre almas
corpos nus
amor.
Ciúme. Lia de Sá Leitão – Normanda –01/09/2007
A imaginação rasga a alma invadida dos temores  da noite
A solidão da Lua que navega sem nuvens o céu do litoral
Invadido de olhar
A pele suave da mulher desfruta a brisa que passa na mesma velocidade
Dos pensamentos vadios
Um  mar sem sereias
Piratas sem tesouros
 Companhias sem devaneios infinitos
Prazeres sem a parceria do ser que segura o corpo
Mãos que não deslizam pela geografia da mulher que sonha.
A espada cortante do ciúme atravessa o peito
E os questionamentos vagueiam na corrente sangüínea alimentando a adrenalina.
Os cabelos soltos fustigam o rosto
Como acoites cortantes de aço marcando a pele numa dor invisível,
Amor, onde anda?
Em que braço alivia o teu amor?
 Quais as mãos que não as minhas acariciam teus cabelos negros
Qual o conforto que as horas podem serenar a fatiga desse momento.
O silêncio da alma não repousa em paz a angústia do momento
O que fazer para tê-lo em mim nos beijos prometidos
Nas carícias sempre tantas que confundem a ordem do ter e do prazer.
Amor, onde anda?
 Em qual cama acolhe o calor do teu corpo
E refaz em descanso a fadiga de ontem
Quem alivia do seu corpo as tensões dos músculos contraídos?
O desejo alucinado de buscar esse prazer em mim
É fonte de pensamentos  nefandos que afastam os olhos da paisagem
A razão de sabê-lo sem contatos
A emoção de imaginá-lo em outros cheiros, peles, desejos
E o coração emaranhado de dúvidas
Aceitam as vicissitudes da relação
A volubilidade do sentimento mais profundo
E a alma chora no frio rasgado do
Ciúme.
DUVIDAS Lia de Sá Leitão – 05/09/2007 (Normanda)
As dúvida, o medo, a angústia aumenta a loucura de enfrentar o desconhecido
Invade o imaginário e constrói jardins os cactos dão as flores brancas
Belas , lindas e difíceis
Com sua pureza encanta
O mesmo deserto das dúvidas.
 O pôr do Sol
Desperta as lembranças fortes
Da noite de fogo , folia e desejos
Na velocidade do pensamento vencer distâncias
Mergulhar o  corpo num abraço que chega como brisa
Suave, dócil. Meiga
Mas que toma todo o corpo em uma vertigem.
A espera hoje deixa até as estrelas abandonadas
O sonho deixa a tela do corpo nu abandonado a um canto do ateliê
O arquiteto quer a vida, quer a essência , suspira pele
A pele que arrepia com o toque
E infesta no ambiente um perfume que criou para o corpo nu que cria a óleo sob a  tela.
Rompendo as mágoas, os medos, os traumas
A covardia em não poder ser presente na alma do corpo nu que delineia
E o pincel em tons sob tons
Descrevem o poema de silêncio
E o amor latente que se esconde nas linhas azuis
Da transformação
Rompendo as mágoas, os medos, os traumas
A covardia em não poder ser presente na alma do corpo nu que delineia
E o pincel em tons sob tons
Descrevem o poema de silêncio
E o amor latente que se esconde nas linhas azuis
sem dúvidas de poder ser feliz.
O RELÓGIO
Lia Lúcia de Sá Leitão – 05/09/2007 (Normanda)
Na parede um relógio preto, taciturno
Feio como um monstro da noite caolho
Curioso e indiscretos com os andarilhos das sombras
Implacável acusa a corrida do tempo
 Sublimam, evapora, escoa entre as mãos a volúpia dos desejos
E não cessa uma angústia na alma a sua cantoria ritmada.
Vem...não vem....vem...não vem.
Na sua música
Escondo a letra construída de prazeres
No seu cantar
Ouço os tons da viola quebrando as distâncias
O frio
Esquece-se a chuva que chicoteia os vidros das janelas
E não são lágrimas que choram a ausência
são chuveirinhos das nuvens regando as flores do jardim do coração.
Não ouço saudades, não ouço tristezas, não ouço abandonos
A musica suave toma o corpo
Constroem mundos
Seres aventureiros
 temporal ou temporão
Fugidios da dor
Guardam em mi bemol
A sinfonia que se deve guardar no coração
SONHOS DE UM AMOR.
Lia de Sá Leitão – Normanda – 01/09/2007.
Os sonhos de amor são inevitáveis durante a vida ou não se estaria sentindo o pulsar da essência humana. Avaliar o estado emocional daquilo que passou ou do momento em questão é o mesmo que tentar segurar o tempo na ampulheta ou quebrar os ponteiros do relógio da sala de estar.
A consciência do ser deve apenas respeitar a liberdade do outro em chegar ou sair mesmo sabendo que ainda resta algo grande a ser vivenciado.
Não importa se todas as experiências um dia tenham que morrer em si como o egoísmo dos que partem sem ao menos dizer adeus.
A espera causou o pânico
Dias a fia sem um comunicado de ida ou vinda.
A presença da ausência é mais dolorida que a negativa do amor.
A alma clama
O corpo pede cama,
Os desejos chamam
Nada parece ter rumo, mundo, significado
Tudo se desencanta em um universo mudo
Sem brilho, sem cor,
o tom que defina a música que marca o momento da paixão perdeu a harmonia.
A saudade da presença
Não perdoa as marcas abertas como feridas jamais cicatrizadas
De tamanha espera a vida fluiu,
De tanta lágrima a esperança fortaleceu,
Agora a estrela apagou,
O sonho esmoreceu
E a falta do ser foi substituída pelo esquecimento da dor
E recomeço para um novo amor.
O Sinal "&"... pra meu mais novo e querido amigo Graciliano.
Lia Lúcia de Sá Leitão – 03/09/2007.
Um amigo curioso estava comigo em plena noite de domingo nos deleites de um chopp e de um uísque, trocando idéias de poetas como Carlos pena filho, Vinícius de Moraes, escritores como Garcia Marques e Saramago, não aqueles papos que enjoam qualquer professor de Literatura, mas interrogações e conceitos muito bem elaborados para um jovem de vinte e dois anos.
De repente, num arroubo que só os jovens inteligentes podem desfrutar da curiosidade ele interrompe a conversa e questiona: qual o nome e a denominação desse bendito caractere “ & “ existente nas companhias de comércio? A princípio puxei pela memória e respondi, é o que equivale ao “e”. Não tinha bem certeza, prometi que ia fazer uma pesquisa para não ser impetuosa com aquela resposta sem ter total segurança de informação.
Resolvi escrever um continho sobre o assunto depois de conferir Evanildo Bechara, Nicolla, Platão Saviolli.
O caractere como escrevi acima, é conhecido monograma romano que servia como a conjunção latina “et” a bisavó da conjunção aditiva da Língua Portuguesa  “e”.
Em dois mil anos e tiquinhos a mais de aniversário no Renascimento  foram elaboradas várias maneiras de como redigir o que ocasionou até uma descaracterização do original. A transformação para o “&” que conhecemos nos dias de hoje foi a necessidade de facilitação tecnológica da linguagem da contabilidade, assim sendo foi elaborado como norma tipográfica.
Por outro lado a colocação do “&” como uma forma de ligadura textual utilizado por aqueles que escreviam à mão e com velocidade. Fiquei atenta ao & que também passou a mexer com meu raciocínio, porque a necessidade de usar um conectivo tecnológico que substituía uma conjunção latina? E continuamos a conversa falando em romancistas apreciados, meu amigo falou que era fã da construção literária de Eça de Queirós e eu lembrei uma titulação escrita por Eça; Alves & cia, seu crudelíssimo romance no qual  cortante como fio de navalha criticava a sociedade falso moralista de Lisboa.
Depois de horas queimando as pupilas em leituras e anotações posso falar em sã consciência ao meu amigo, embora insegura na resposta acertei a resposta, o “&” será chamado de conectivo comercial de adição, ou seja uma conjunção aditiva.
Nomanda
Enviado por Nomanda em 03/10/2007
Código do texto: T678449

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nomanda
Olinda - Pernambuco - Brasil
52 textos (3839 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 12:52)